As broncas dos vizinhos
Segundo semestre de 2004

[Registre sua queixa ]  [Leia também as queixas do primeiro e do segundo trimestre de 2004, e do segundo e primeiro semestre de 2.003, e as queixas do ano 2.002]
Dezembro 30, 2004. Fabia Magali Correa relata que comprou "uma máquina digital Samsung digimax 360 + cartão 64 mb (é um Kit das Lojas Americanas) e fui informada pelo site que teria 2 anos de garantia, porém a garantia que constava na máquina (folheto) é de 1 ano. Liguei para as Lojas Americanas e reclamei, pois foi um dos pontos fundamentais q me fizeram a adquirir esta máquina, mas eles me informaram q quem dá a garantia, ou quem oferece a garantia é a samsung e após ligar no número que me informaram 0800-124421 tive a informação que deveria entrar no site www.samsungcamera.com.br, mas que a garantia era de apenas 1 ano mesmo, portanto, estou super insatisfeita e tb surpresa pela falta de responsabilidade das Lojas Americanas na informação sem realmente apurar se isso seria cumprido e tb fiquei indignada pois no dia 30/12/04 falei 3 vezes com a loja e eles me informaram que eu teria que entender que foi um erro e que se eu quisesse poderia devolver o produto e somente após 60 dias seria devolvido o valor para o meu cartão! Ou seja, um verdadeiro absurdo e desrespeito ao consumidor!!!" Nota da redação: a queixa foi retransmitida à Assessoria de Imprensa das Lojas Americanas.
Dezembro 22, 2004 Marco A.M. diz que é "Sou morador da Rua Liborio Glasser (Vila Sofia - Jardim Marajoara) e gostaria de registrar minha indignação a respeito do trânsito local e da Rua Moliere em horários de pico. O principal motivo é de as ruas servirem de escape do transito da Rua Sócrates que simplesmente pára nesses horários. Muitos motoristas desviam pela minha rua para ganharem tempo, acabando com o transito local. Como engenheiro formado, minha possível solução seria proibir que carros estacionem em ambos os lados da rua, reduzindo a vazão do trafego. Outra possível solução, senão acrescentada à primeira, seria a mudança da mão, transformando ambas as ruas em mão única. Como munícipe, apenas peço que providencias sejam tomadas, pois com a construção de novos condomínios na rua, o transito se tornou impraticável e não sou o único morador indignado. Agradeço desde já."
Dezembro 18, 2004. Vitória queixa-se: "É o seguinte: faz mais de um ano que moro na rua mas sei que o problema perdura há mais de 3 anos, tem uns vizinhos que moram aqui na rua, que não deixam muitas pessoas dormirem, fazem badernas a noite, gritam, batem portas, já foram feitas várias reclamações, tentou-se conversar até com o dono do imóvel mas sem sucesso, eu tenho uma criança, um bebe, que acorda sempre assustado com o barulho, quem poderia ajudar no caso, tem como fazer uma denúnica anÔnima? Desde já agradeço. Vitória"
Dezembro 14, 2004. Débora J.M. diz que "Todo mundo já deve ter ouvido falar da famosa Pizzaria Mourisco. Eu há tempos queria provar as pizzas deste estabelecimento tão bem conceituado desde muitos anos por moradores do bairro de Santo Amaro e arredores. Hoje fui a esta pizzaria ao encontro de um pessoal que já estava lá comendo pelo sistema de rodízio. eu, por opção, solicitei uma pizza a la carte. Solicitei ao garçom uma pizza com a massa média. Quando chegou a pizza e a provei notei na hora que a massa estava extremante fina. Chamei o maitre e o questionei, o mesmo argumentou que havia um padrão de massa e que ela era pré assada. Fiquei pasma, uma pizzaria com aquela tradição atender tão mal ao seu cliente. O produto tem sempre que se adequar ao gosto do consumidor e se não há realmente a possibilidade de atender, deve ser informado no início que não há possibilidade de atender conforme solicitado. Além do mais a matéria prima utilizada é de péssima qualidade. A pizza de muzzarela por exemplo tinha um queijo de baixíssima qualidade. Ah e o preço não é barato. Nem na verdade só quis me abrir com vocês porque acho um absurdo uma empresa não atender bem, uma vez que seu maior patrimônio é o cliente. Abraços feliz natal e feliz ano novo
Dezembro 14, 2004. Silvia E. P., que mora na rua Canário, em Moema, quer "registrar minha tristeza em ver nosso bairro tão invadido por essas faixas de pano com propagandas, além de ficarem lá por muito tempo, quem as coloca não tem o mínimo cuidado de tirar ou reutilizar a cordinha da faixa anterior e com isso há postes onde se vê um emaranhado de barbantes e fios, deixando o visual ainda mais pesado. Para mim isso é uma anti-propaganda, eu e muitas pessoas que conheço não atendem à esses anúncios justamente para não incentivar esse tipo de recurso barato mas horroroso. Anunciantes, pensem nisso..."
Dezembro 13, 2004. Rozelia T.S. diz que "gostaria de pedir às autoridades competentes que tomem uma providência ,pois eu não suporto mais com o barulho dessa senhora com seu filho, 30 anos que já correu atrás mim para me bater por causa de barulho, acho a até , que os dois são problemáticos não acho normal que além de criarem cachorro fazerem barulho a partir das 3;hs da manhã sem mais aguardo uma resposta.
Dezembro 12, 2004. Um vizinho queixa-se do bar NI& KI (Av. Santa Ines, ao lado do número 161) "que todo os domingos das 14:00 Hs. às 18:00hs. tem um grupo de pagode tocando AO VIVO e o som na maior altura. Simplismente temos que fechar as janelas e mesmo assim o som é irritante, não podemos mais estudar, ver televisão etc."
Dezembro 08, 2004. Uma vizinha diz que "Infelizmente ainda não estamos livres da gang dos arruaceiros que infernizam a vila onde moro. Porém ultimamente parece que a vizinhança toda está de saco cheio dessa situação e uma moradora aqui da rua que tem um comércio chamou a polícia e vieram 3 camburões aqui para ver o que estava acontecendo. Não consigo entender como os pais dessa gente conseguem ficar em casa e nem se preocupar com o que os filhos estão aprontando na rua, 10 horas da noite essa gang de 12,13 anos estava azucrinando o sossego das pessoas e ninguém se mexe. Tomei a iniciativa de enviar a esse povo uma cópia da Lei de Direito de vizinhança e a talzinha, que me parece ser a líder da gang nem deu bola , continua fazendo as arruaças dela e ninguém faz nada para impedir. Agora está programando uma festa de arromba para Janeiro, no aniversário dela e , com certeza, vai infestar a nossa pequena vila com aquela cambada de vândalos, pois já sabemos que o pessoal aqui não recebe visitas dentro de casa e sim espalham pela porta dos outros. Existe alguma forma de impedir que essa tal festa aconteça?? tem mais vizinhos aqui dispostos a acabar com essa bagunça... Aqui é um local com residências e o espaço é pequeno e se a festa fosse de família ninguém ía reclamar, mas o caso é que os amigos dessa garota são arruaceiros como ela e queria saber se somos obrigados a agüentar essa tal festa sabendo que eles não vão ficar dentro da casa dela e sim espalhados nas nossas portas até altas horas. Como devemos proceder??"
Dezembro 08, 2004. E.H.M. questiona: "Vocês estão lembrados do Bar Favela (Av.Lavandisca esq. Al. Jauaperi, Moema)? Muitas reclamações nesse site, visitas feitas à Regional, telefonemas ao 156, etc. etc. Resultado, ZERO. Ele continua lá, agora sob nova "administração", ainda sem alvará de funcionamento, em local Z10, onde esse tipo de comércio é proibido, e o pior, infernizando ainda mais os moradores das proximidades, parece que até de propósito, como vingança contra as reclamações, sempre impunes. O que diz a Regional? O de sempre, vamos tomar "providências", que sempre terminam num chopinho de cortesia."
Dezembro 07, 2004. L.H.E. diz que seu vizinho "é problemático.Logo que se mudou quis impor seu estilo de vida, com muitas festas varando a madrugada, com muita algazarra e gritaria. Após insistentes solicitações, as festas de madrugada se acabaram, mas eles insistem em aborrecer. Ora é um dos filhos que adora desmontar e testar motores de carro, isso acompanhado com som e no último volume. Lamentavelmente já houve casos de insultos por solicitarmos diminuir o som, pois não conseguíamos ouvir e assistir TV da sala de nossa casa. Principalmente nos sábados. Quando retornam das festas, já tivemos casos dos amigos dos vizinhos urinarem na garagem de outros vizinhos, inclusive houve ameaças com barras de ferro por reclamarmos destas atitudes. Está cada vez mais difícil de se conversar e eles se acham no direito de achar que a rua é pública e que podem fazer o que quiserem. Solicito orientações de como poderia proceder neste caso, visto que está difícil chegar num consenso apenas com conversas. Estou começando a ter indícios de stress devido à este descaso e falta de respeito."
Dezembro 06, 2004. Priscilla Dias diz que já presenciou "INUMERAS RECLAMAÇÕES CONTRA A EMPRESA SERRA E MAR TURISMO HOTÉIS CLUB (CGC 02.736.979/0001-96)MAS NINGUÉM ATÉ HOJE FEZ NADA PARA SOLUCIONAR ESSE CRIME.JÁ FUI A POLICIA, MINISTÉRIO PUBLICO,JUIZADO ESPECIAL........MAS NINGUÉM CONSEGUE AO CERTO O ENDEREÇO DESSA FIRMA FANTASMA QUE ASSOMBRA CLIENTES DE SÃO PAULO, RIO, MINAS E SUL. ATÉ QUANDO ELES FICARAM IMPUNES?????"
Dezembro 05, 2004. L.J. diz que A Excelentíssima Prefeita Marta –xa só não fez mais porque graças à Deus não foi reeleita! É Túnel inútil que na primeira chuva inunda!
É galeria pluvial de Avenida recém-asfaltada que afunda!
É tanto gasto... jardim...fachada etá Prefeita atrapalhada!
E a mais recente para encerrar o mandato com Medalha KHDA de Ouro é a VENDA DO TERRENO DA ESCOLA ESTADUAL MARTIN FRANCISCO. Eu vou explicar. Pelas informações que foram dadas aos pais que tentaram matricular ou re-matricular seus filhos na escola uma surpresa: O TERRENO QUE É DA PREFEITURA FOI VENDIDO PARA A DASLU, ENTÃO A ESCOLA QUE ESTA CONSTRUÍDA SOBRE ESTE CHÃO SERÁ DEMOLIDA! Tudo bem que as crianças serão direcionadas para outras escolas, mas veja se vocês não concordam comigo: é ou não é um absurdo uma situação com esta. Como ficam os alunos e os pais que têm uma rotina profissional e contam com a continuidade do ano letivo na mesma escola? Todos acabam se adaptando claro, mas já é difícil encontrar vaga para matricular uma criança nas escolas publicas da redondeza, imaginem então com a inclusão preferencial das crianças do FINADO MARTIN FRANCISCO nas poucas escolas publicas de qualidade do Bairro. Será que a Excelentíssima Ainda Prefeita Marta -xa não conhece a lei da ação –reação? É tanta incompetência que essa senhora faz jus ao ditado: LUGAR DE MULHER É NA COZINHA!
Nota da redação: Desta vez não é dona Marta, é o seu Alckmin. Clique e leia.
Novembro 30, 2004. Uma vizinha queixa-se que a "loja de moda feminina GRIFE STORE, localizada na Rua João Cachoeira esquina com Rua Joaquim Floriano, vende roupas com DEFEITOS (furadas, descosturadas, sujas, dentre outros) e ainda trata mal seus clientes, impondo aos mesmos a OBRIGAÇÃO de adquirir a peça com defeito para, somente após o pagamento INTEGRAL do seu preço, remetê-la a costureira para conserto. E, ainda, SEM a garantia de que a peça estará em bom estado e em condições de uso. Realmente triste tal realidade, tratando-se de PÉSSIMA prestação de serviços e de oferecimento de produtos DEFEITUOSOS, ambos em desacordo com o Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90)."
Novembro 27, 2004. Luciano Rocha queixa-se que "Os bares da Clodomiro Amazonas vem, sem a menor cerimônia, se ocupando cada vez mais das calçadas com suas mesas e cadeiras. Afinal: a calçada é um espaço público ou foi feita para aumentar a frequência e o faturamento dos estabelecimentos que ali se instalam? O bar ZOO na Clodomiro esquina com a Leopoldo, está inclusive bloqueando o acesso à faixa de pedestre e à rampa de acesso para deficientes, QUE VERGONHA."
Novembro 26, 104. Um vizinho queixa-se que Existe aqui no bairro (Rua dos Aliados, Frei caneca, Speers) um "serviço" de guarda-noturno, de motorcicleta, o qual passa das 22:00h às 06:00 tocando uma maldita buzina "au-au", estupidamente alta para a hora e de maneira abusiva. Será que o segredo para se ter uma noiote de sono tranquila é pagar pelo serviço, para ver se ele para de buzinar ? Quem poderia "aconselhar" esse "guarda-noturno" sobre a Lei do Silêncio?
Novembro 26, 2004 Lidice de Oliveira reclama da "Samsung celular dreams, que usei durante 38 dias, e não funciona quando está chovendo, na fazenda efora de Porto Alegre, tentei arrumá-lo ou trocá-lo nas lojas mas tudo sem sucesso. Acabo de transferir minha agenda para o velho celular da NOKIA mas amigo de todas as horas e por qualquer lugar do planeta... para a SAMSUNG celulare descontentamento, do qual comunicarei a amigos e parentes."
Novembro 26, 2004. Isabel Solimeo relata que em "No nosso condomínio temos uma assinatura coletiva da TVA, pois infelizmente essas empresas de cabo formam um cartel, de forma que aonde a TVA atende, a NET não atende. Ontem 25.11 ficamos sem sinal às 21 horas. Vários moradores (uns 10, segundo a própria TVA) reclamaram na central de atendimento deles e eles disseram que enviariam uma equipe técnica. Resumo da ópera: doze horas depois continuamos sem sinal e a TVA informa que estará priorizando o atendimento e no máximo entre 14 ou 15 horas (26.11), ela eficientemente encaminhará uma equipe para tentar solucionar o problema. A TVA pode até ser mais barata que as outras, mas fujam dela, pois como diz o ditado popular "o barato sai caro". PS: Isso é constante.
Novembro 24, 2004. Lucia Helena diz que "Em Maio de 2004 eu fui até a E.M.E.I Anita Costa (em Moema) para solicitar informações sobre matrícula de novos alunos para o Ano de 2005. Lá eu conversei com a orientadora educacional, que pediu para que eu retornasse no terceiro trimestre (após as férias). Nesta data eu perguntei se precisaria fazer um cadastro para garantir uma vaga para o Ano de 2005 e a orientadora educacional disse que não havia necessidade. No mês de Setembro de 2004 eu retornei a E.M.E.I Anita Costa (em Moema) e fui atendida pela mesma orientadora que pediu para que eu retornasse ou ligasse no mês de Outubro após o dia 15 pois, o DIARIO OFICIAL (com as informações sobre o inicio das matrículas para alunos novos / Ano 2005) só seria editado a partir dessa data. Alem disso ela garantiu que colocaria uma faixa no portão principal da Escola mostrando o inicio das matriculas 2005 e finalizou dizendo para eu ficar tranqüila. No dia 20 de Outubro eu liguei para Escola e obtive a informação (com uma atendente) de que na segunda quinzena de Novembro teriam inicio as matrículas. No dia 17 de Novembro, assistindo ao SPTV, uma das reportagens era a sobre do inicio das matrículas. Assim, eu liguei para a E.M.E.I Anita Costa e obtive a informação (com uma atendente) de que para matricular crianças nascidas em 2000 seriam necessários xerox da certidão de nascimento, da carteira de vacinação e do comprovante de residência. E mais, o prazo para efetuar a matrícula seria apenas nos dias 24 e 25 de Novembro das 7:00 às 17:00. Pois bem, hoje dia 24 às 7:00 da manhã eu estava lá na porta da E.M.E.I Anita Costa (em Moema) tranqüila e certa de que iria concretizar o desejo e necessidade de matricular minha filha. Entretanto no último instante uma Ordem Superior informou a Escola que só haveriam matrículas para alunos cadastrados na Lista de Espera. ? MAS QUE LISTA DE ESPERA É ESSA QUE EU NUNCA FUI INFORMADA DESDE O MÊS DE MAIO DE 2004, QUANDO EU VENHO TENTANDO OBTER ORIENTAÇÃO PARA MATRICULA 2005? ? E QUE NEGOCIO É ESSE DE CONVOCAR OS INTERESSADOS ATRAVÉS DA FAIXA (MATRICULAS 2005) + INFORMAÇÕES PELO TELEFONE, QUANDO NA HORA H O LANCE É SAIR PELA TANGENTE? E agora, à quem recorrer? Muitos pais ficaram indignados reclamando sobre a falta de preparo dos funcionários, que não conseguiram passar nenhuma informação sobre o que fazer. Agora é esperar pela sorte de, quem sabe, sobrar alguma vaga após a matricula dos alunos da SUPOSTA e SUSPEITA Lista de Espera."
Novembro 22, 2004. Uma vizinha da rua Rua Arari Leite diz que "Há anos sofremos com um vizinho que promove "jogos de futebol" em nossa rua. Não se trata de crianças querendo diversão, mas de marmanjos querendo bagunça. Há alguns anos roubaram 2 traves de um colégio e as utilizavam descaradamente, fechando a rua sem autorização. Entre os "jogadores" está um elemento atualmente preso por seqüestro. É praticamente em frente à nossa casa, e, quando saímos para reclamar -- sou só eu e minha mãe, uma senhora de 62 anos -- xingam-nos, imitam mugidos e aumentam o tom dos palavrões e da gritaria. Há algum tempo atrás, costumavam se reunir à noite, a partir das 10 horas. Depois de uma reclamação mais forte (paciência tem limite), começaram a tocar nossa campainha de madrugada, a atirar paus e pedras contra nossa casa. Até um rato enforcado em nossa grade já encontramos. Fomos à delegacia e fizemos um BO. Não deu em nada, para variar. As traves roubadas foram recuperadas pela polícia, e por um tempo, tivemos paz. No entanto, esse vizinho, um homem de seus 40 anos, que, estranhamente, só fica atrás de moleques, agora comprou outras, de seu próprio bolso. Ou seja, ele incita a baderna: vêm pessoas de longe, de carro, contribuir para a baixaria geral. A nova moda agora é deixar o rádio do carro ligado no último volume enquanto "brincam". Já tentamos a Delegacia do Idoso, o Ministério Público, tudo, enfim. O que podemos fazer?"
Novembro 22, 2004. Um vizinho diz que "É uma vergonha o que estão permitindo fazer na Praça da Sé, nos jardins ao lado das entradas do Metrô. Há até favelas, depósitos de lixo e de papelão em pleno jardim. Onde está o poder público para coibir isso.Parece até que houve liberação geral.Pode-se fazer o que quiser.Por favor, senhora prefeita, cuide melhor da principal praça da cidade. "
Novembro 22, 2004. Um vizinho diz que "Foi com um certo alívio que vi que o cruzamento entre a Rua Dr. Gentil Leite Martins e a Av. Washington Luís foi reaberto. Particularmente não sei se minhas reclamações, tanto nesta coluna (dia 10 de setembro, 2004)como diretamente à CET contribuíram para tal ou não. Quero crer que sim, e que possíveis outras reclamações tambem devem ter contribuído para a reabertura. Quero, portanto, agradecer ao Sr. Editor tanto por este espaço quanto pela empatia demonstrada em relação ao "nosso" problema. Muito obrigado e sucesso em sua empreitada."
Novembro 18, 2004. Sergio Luiz Junqueira Lima diz que mora "Moro em uma casa térrea que possui cobertura da garagem e corredor feitas com telhas de amianto. Minha vizinha possui 4 gatos que insistem em defecar e urinar sobre as mesmas alem de a utilizar para tomar banho de sol, acasalamentos e brigas sobre minha cobertura. Não é necessário dizer que o odor destes dejetos incomodam quem esta embaixo . Já cansei de reclamar com minha vizinha chamada Julia e nada de colaboração, muito pelo contrario, quando grito ou assusto os animais de cima da minha cobertura sou ameaçado por ela de me denunciar a Sociedade Protetora dos Animais por maustrados a seus gatos. Sei que existe um lei contra maustrados aos animais mas não existe lei que proíba que os animais do vizinho defequem em minha casa ? Como devo proceder para garantir minha propriedade contra a invasão destes animais de acordo com a lei ? Já denuncieo a vizinha à prefeitura visando avaliar as condições de higiene de sua casa, porem tenho o receio que sua casa esteja limpa pois os bichanos defecam sobre minha cobertura .Numero da denuncia TLM 24207/045-500 município de Santo André"
Novembro 18, 2004. Renata "gostaria de registrar que estou observando que a violência no meu bairro (Arthur Alvim) está cada vez maior e poucas atitudes vem sendo tomadas pela polícia para contê -la. Assaltos, roubos de carros em frente aos prédios, desordem na rua à noite e assalto às garagens dos prédios estão se tornando ocorrencias comuns no bairro de Artur Alvim, o qual era muito mais tranquilo há poucos anos atrás. As pessoas estão se sentindo muito mais inseguras na rua de suas casas. Até um atropelamento de uma senhora ocorreu na rua da minha casa que era considerada uma das mais tranquilas do bairro. Quando cai a noite só tem baderna na rua. Garotos andam com motos barulhentas (barulhos que mais parecem tiros) até altas horas da noite nas ruas residenciais, atrapalhando o sono de trabalhadores, de idosos e de crianças. Há cerca de duas semanas uma jovem, visinha minha, foi assltada na rua de casa, quase em frente ao meu prédio, e lhe tomaram cerca de trezentos reais mais o celular em pleno dia. O mesmo ocorreu com a senhora que foi atropelada nesta mesma rua por um dos motoqueiros barulhentos, que fugiu em seguida. O garoto foi perseguido pela polícia, mas o estrago já tinha sido feito. A senhora já estava machucada. Ou seja, muitas vezes apenas atitudes punitivas, sem realizar uma prevenção, não resolve. Se houvesse um policiamento melhor no local com certeza muitas situações como estas teriam sido evitadas. Um outro exemplo, dentre os muitos que até desconheço, é o caso do meu carro que foi furtado, por volta do meio dia, o início de dezembro de 2003, em frente ao meu predio - na direção da minha janela. Tudo ocoreu com a maior naturalidade, num dia de sol claro, e ninguém viu. O carro foi achado, mas aí vem a correção do problema, não a solução dele... pois na noite retrasa entraram na minha garagem -para isso quabraram o telhado dela-, estouraram o vidro do meu carro e levaram o som do veículo de madrugada. Entretanto, a ousadia não foi pequena pois entraram na garagem do meu vizinho também, apesar de não terem levado nada. Até quando terei que aceitar estas invasões, injustiças, falta de respeito sem ter a quem recorrer? É isso que ganho (e toda população honesta do meu bairro) por ser uma cidadã honesta? É a recompensa que têm os cidadãos paulistas por paga caros impostos? Até quando nós teremos que nos trancar nos nossos imensos portões e travas enquanto assaltantes correm livremente pelas ruas de São Paulo e descobrem maneiras de burlar a segurança que compramos? De que adianta tanta campanha de desarmamneto (a qual eu sou totalmente a favor) se os mais perigosos estão cada vez mais armados e impunes? Bem, acho que este relato está ficando grande, mas não tem mínima proporcionalidade com a minha indignação e muito menos com a violência no meu bairro, obviamente. Vou terminando por aqui para não correr o risco da mensagem não ser lida com a devida atenção, se é que já não fui deletada. Peço, encarecidamente, que pelo menos mínimas atitudes preventivas sejam tomadas, como: patrulhamento maior, investigação de drogas nos bairros (pois rola solta), e contenção de jovens baderneiros nas ruas após certo horário, que são atitudes mínimas que geram um pouco mais de segurança aos cidadãos paulistanos. Este é o apelo de uma pessoa cansada da invasão da violência, mas que com certeza reflete a opinião de muitas outras pessoas (muitas mesmo!). Chega de conformismo, precisamos nos unir para reclamar e buscar uma atitude digna por parte do governo."
Nota da redação: A reclamação foi retransmitida ao conselho comunitário de segurança de Arthur Alvim.
Novembro 11, 2004. Mara M.M. diz que o "O Condominio Reserva Casa Grande (Jardim Marajora), faz da Rua Duque Costa o seu "quintal" A enorme quantidade de lixo é colocada na Rua Duque Costa, muito antes do caminhão do lixo passar. Eu não entendo porque isso é feito, já que a lixeira do Condomínio, tem porta para a Rua Duque Costa. Rotineiramente antes da coleta do lixo, catadores abrem os sacos espalham tudo no meio da Rua. Esta semana eu passava por lá e haviam dois seguranças no portão e eu reclamei como eles permitiam que aquele lixo todo fosse revirado no meio da rua e eles responderam que quando o caminhão da coleta do lixo passasse que "eles juntam o lixo espalhado" isso é legal? O Condominio Reserva Casa Grande tem o direito de colocar o lixo na Rua bem cedo e ainda permitir que os sacos sejam todos abertos e revirados? Onde está o respeito as leis vigentes e aos demais moradores desta Rua?"
Novembro 12, 2004. Uma navegante do portal diz que é "vizinha de um predio, onde o dono faleceu e seus filhos estão com o inventario embargado. E um dos filhos nos primeiros domingos do mes quando ocorre festas em uma igraja em frente faz estacionamento dentro do galpão, e não tem licença e nem alvara para funcionar, no predio não tem luz e tem uma divida com o estado, a sabesp, etc. Como devo fazer para denunciar o fato."
Nota da redação: A vizinha foi orientada via e-mail.
Novembro 12, 2004. Margareth M.B.C. solicita a "Poda drástica de árvore de aproximadamente 11 metros. Esta árvore está com cupins em toda sua base. Vale comentar que essa árvore está na calçada de minha casa e em frente temos uma escola. Gostaria de levar esse fato ao conhecimento da prefeituera a se possível, repor uma outra árvore no local. Conto com a ajuda e com a valiosa orientação de vocês."
Nota da redação: A vizinha foi orientada via e-mail.
Novembro 11, 2004. Patrícia Valéria reclama ""quanto ao TRANSPORTE PÚBLICO PRECÁRIO. Pois sou residente do Jd. Planalto e era usuária da linha 6021/10 (Term. Santo Amaro - Guavirutuba), a qual logo após a inauguração do "passa rápido Guarapiranga", continuou operando por mais ou menos uma semana, cedendo o espaço em seguida para as lotações (6008/10 Term. Santo Amaro - Jd. Planalto), que atualmente fazem o mesmo trajeto que os ônibus faziam; mas não analisaram a quantidade de usuários desta linha, onde vem provocando constantes discussões, as quais presencio diariamente e às vezes sou a própria vítima; pois as lotações são pequenas, além de que os motoristas e cobradores das mesmas colocam passageiros até não caber mais, aliás, passageiros pendurados na porta; e somos obrigados a conviver nesse caos, pois a Prefeitura e a SPTrans não nos dão outra opção e muito menos fiscalizam essa precariedade de usuários pendurados nas portas; com certeza se houvessem ônibus fazendo o trajeto das lotações não seríamos obrigados a sermos tratados como animais, sendo desrespeitados pelos motoristas e cobradores, os quais dizem que "se não estamos satisfeitos em ir no carro lotado que desça e espere um mais vazio" (o que não ocorre). Resumindo, o PASSA RÁPIDO GUARAPIRANGA para os moradores desta região não nos adiantou em nada, pois os ônibus que trafegam pelo corredor foram retirados; o trajeto que eu fazia diariamente em 20 minutos hoje em dia é completado entre 1 hora - 1 hora e meia, isso porque o transporte público melhorou, imagine se não tivesse melhorado, coitado dos usuários (risos). Gostaria muito de uma solução para nossos problemas, acima citados, quanto ao transporte público, solicitando o retorno da operação da linha 6021/10 (ônibus), os quais têm mais espaço para os usuários e mais ventilação. Hoje, dia 11/11/04 utilizando a linha precária 6008/10, meu bilhete único travou, como se eu não estivesse passando-o; após várias tentativas cheguei ao ponto de desembarque, onde fui informada pelo cobrador e motorista da lotação que eu era obrigada a pagar a passagem pois a culpa do travamento do cartão não é deles; concordo mas ao mesmo tempo discordo, pois também não é minha. Essa não é a primeira vez que ocorre esse episódio de comédia comigo e pelo visto não será a última. E esse belo tratamento de motorista e cobradores para com os usuários são constantes nessa linha. Se forem fazer uma avaliação na região, vai ser como encontrar uma agulha no palheiro, encontrar alguém satisfeito com isso. No mesmo dia, entrei em contato através do número 156 (o qual é indicado para reclamações, sugestões, etc.) para registrar minha reclamação. A atendente Priscila me informou que tenho que pagar a passagem nesse caso. A partir dessa informação que foi me passada fiz uma outra pergunta à mesma (atendente), a qual não soube me responder - "e se o passageiro não tiver o dinheiro para o pagamento da passagem tendo posse apenas do cartão, como fica?". Gostaria muito de receber uma informação clara e concreta a esse assunto. Sem mais até o momento e no aguardo de um breve deferimento, agradeço desde já."
Nota da redação: a reclamação foi encaminhada à Assessoria de Imprensa do SPTrans.
Novembro 08, 2004. Isabel S. queixa-se que a rua Duque Costa (Vila Sofia) "tem muito movimento de carros devido à grande quantidade de condomínios, todos com vários prédios localizados nela, fora as duas escolas, Magno e Colégio Marajoara, portanto é imprescindível que se proíba o estacionamento no seu lado direito, permitindo apenas para embarque e desembarque. A rua serve como estacionamento para aqueles que têm dois carros e uma só vaga ou alugam suas vagas e colocam o carro na rua, mas na eminência de passar um caminhão de maior porte, por vezes não consegue passar, tendo que esperar que os carros de um dos lados sejam retirados ou voltando pela contra-mão. Não consigo entender porque após várias reclamações aos órgãos competentes nada ainda foi feito."
Novembro 07, 2004. Elaine diz que na Rua R. Jose Tomas de Souza, 46 existe "um terreno baldio porém é murado e com registro particular, o que se pode fazer após reclamar por diversas vezes ao telefone da pref. de SP 156, pois não sabemos quem é o dono do terreno, informando que o mato está grande, existem ratos no local, pessoas enterram bichos( o que é proibido), o outro joga entulho e terra. Neste caso da terra um fiscal da prefeitura veio multar o vizinho e para abrasar a briga entre vizinhos disse que foi uma denúncia de outros vizinhos?? Esta rua esta um caos...Gostaria de saber como posso proceder com este vizinho que acusou-me de ser o denunciante, e com uma outra vizinha que xingou hoje domingo meu esposo de pobre, porco e sem instrução, devido ele sem querer ter derramado óleo no asfalto em frente a casa da amiga dela que é minha vizinha e não nos deu nem se quer a chance de limpar antes de ela fazer uma baixaria na frente da minha casa e o pior nem na frente da casa dela era. Aqui está difícil um entendimento pois não temos uma associação de moradores do bairro e as pessoas aqui são extremamente agressivas e imparciais. Como podemos delimitar o nosso espaço? E aonde começa o do vizinho? Como ensinar que não é brigando e sim chegando em um acordo que se resolve estas brigas. Pensei em ir a policia e fazer um B.O. e solicitar a essa moça uma retratação formal(não quero dinheiro, quero respeito mútuo), será que somente assim ficaremos em paz e respeitaremos o direito do outro? É triste São Paulo, onde iremos parar!!!!Será aquela triste frase os incomodados que se mudem..., antes de morar neste bairro morava num bairro extremante tranqüilo, lá os vizinhos eram preocupados um com os outros porém não se metiam na vida particular dos outros, foi assim a minha criação, mas não posso pedir a mesma coisa dos meus vizinhos. Este vizinho que me acusou quando ele se mudou fiz um churrasco em casa e convidei eles, realmente fica difícil entender onde erramos, será porque nos recusamos a fazer parte de uma panelinha de "fofoqueiros"? Será por isso que não nos deixam em paz!!!"
Novembro 06, 104. Uma vizinha "Gostaria de saber a quem recorrer para reclamar de 2 cães que ficam em um escritório ao lado de minha casa e latem a noite toda, não deixando ninguÉm dormir, não só em casa, mas nos arredores. Já falei por diversas vezes com o dono, quando ele possuía apenas 1 cachorro e ele disse que daria uma solução. Sim, ele deu: pôs mais um para ajudar o outro a latir."
Novembro 06, 2004. A.A. queixa-se que "há alguns meses os moradores da rua Correia de Lemos, antes considerada uma rua residencial tranqüila, vêm sofrendo com o tumulto e o barulho infernal promovido por um "boteco" aberto sem qualquer respeito aos moradores da rua. O indigitado estabelecimento fica aberto de domingo a domingo, até altas horas da madrugada, importunando os cidadãos que querem sossego e que, além de tudo, pagam um Iptu muito caro pela localização do bairro!!!! O dono do bar/boteco simplesmente age de forma negligente, não se importando se a rua é estritamente residencial ou não: coloca mesinhas na calçada e vende cerveja a menores de idade. A balbúrdia é tanta que as pessoas (sempre muitas) que se aglomeram nesse lugar gritam e esbravejam em razão do comportamento já alterado pelo álcool. Há também a suspeita que no local há circulação de drogas, mas isso somente deverá ser comprovado pela polícia, que apesar de saber da bagunça que esse boteco faz na rua, em nada se manifesta. Inclusive quero deixar claro que, duas vezes por semana (em terças ou quintas-feiras) há policiais que vêm ao estabelecimento, entre duas e três horas da tarde (para quê???). Por favor, ajudem a resolver esse problema insuportável, pois nas noites de quinta a domingo não temos mais tranqüilidade para dormir. Não sabemos mais a quem recorrer para que a rua correia de lemos volte a ser apenas uma pacata rua residencial!!!!"
Novembro 06, 2004. L.H.J.M. conta que presentearam o "filho de 10 anos com um celular VIVO PRÉ no Dia das Crianças e na data da compra a vendedora informou que a recarga do mesmo poderia ser feita a partir do valor de 20 reais. Para que nosso filho iniciasse sua independência, nós fomos ao Supermercado Extra (na Lotérica que fica em frente aos caixas) e orientamos como ele deveria solicitar a recarga (comprando o cartão VIVO PRÉ de 20 reais)e de longe observamos a conversa dos dois. Segundos depois meu filho voltou frustrado e disse : "O VIVO PRÉ só pode ser carregado a partir de 30 reais!" Pensando que ela não queria vender a recarga só porque era uma criança solicitando, nos fomos até lá. PASMEM... QUANDO EU E MEU MARIDO NOS APROXIMAMOS SOLICITANDO O CARTÃO VIVO PRÉ DE 20 REAIS, ELA MANDOU O MESMO DISCURSO. Será que ela não conhecia o produto ou será que ela não queria vender porque era mais barato, ou ainda será que... sei lá...é algum tipo de...sei lá...! Só sei que nós saimos de lá rindo e fomos até a Loteria do nosso Bairro para fazer a recarga."
Novembro 06, 2004. Lucia Helena J.M. conta que "No dia 25/10/04 eu fui ao BANCO do BRASIL (localizado na avenida Padre Antonio José dos Santos, Brooklin) às 9:30 (pouco antes do inicio do atendimento) para evitar fila. Chegando lá, consegui o segundo lugar para o atendimento e fiquei junto com uma senhora conversando sobre diversos assuntos. Este banco possui 03 vagas para estacionamento na calçada sendo uma delas para uso exclusivo de portadores de deficiência física. Pois bem, ACREDITEM SE QUISER, estavam todas as vagas livres no horário entretanto uma mulher (proprietária de uma lojinha antipática na Rua Indiana) estacionou na vaga exclusiva desceu do carro andando sobre seu salto alto atravessou a rua e foi ao BANCO BRADESCO. São atitudes como esta, que me deixam cada vez mais descrente com futuro da humanidade! A senhora que estava na fila comigo, comentou indignada que não era a primeira vez que presenciava uma cena como esta. Infelizmente eu não tinha um pedaço de papel para deixar um recado no pára-brisa desta motorista. Então aproveito este espaço para redigir um "SE-LIGA" para ela e todos os idiotas que fazem a mesma coisa nos estacionamentos! VAGAS EXCLUSIVAS PARA DEFICIENTES FÍSICOS SÃO PARA USO EXCLUSIVOS DELES E DE IDOSOS. VIVER EM SOCIEDADE EXIGE NO MÍNIMO QUE SE RESPEITE OS DIREITOS E DEVERES DE TODOS À NOSSA VOLTA."
Novembro 03, 2004. Uma vizinha diz que na esquina das Ruas Xavier Gouveia e Sonia Ribeiro "existe uma ferro velho instalado em plena rua,muitas vezes impedindo a passagem de carros,muita sujeira aumentando o número de ratos nos arredores.Está localizado ao lado de uma favela,a qual possui um número de cachorros muito grande soltos na rua. "
Novembro 03, 2004. Uma vizinha diz que a residência da Rua Aipuá, 119 (Campo Belo) "foi alugada para uma igreja,que atualmente abriga alguns moradosres que tiveram suas casas incendiadas.A partir daí não temos mais sossego pois há muito barulho às vezes até a madrugada,som alto,brigas,sujeira na rua.E os nossos direitos como cidadãos de ter um sono tranquilo e um final de semana sem gritaria ? "
Novembro 04, 2004. M.T. queixa-se que "A cada dia, torna-se mais difícil ter uma noite de sossego e tranquilidade no Itaim Bibi. Como se não bastasse uma obra em frente ao meu prédio, onde os funcionários começam a trabalhar antes das 07h da manhã, agora de noite e de madrugada, ouve-se um barulho constante que atrapalha qualquer idadão que pretende dormir. Acredito que esse barulho venha dos geradores, e/ou exaustores da lanchonete New Dog. Quando acaba o horário de atendimento, no meio da madrugada, o barulho é desligado. Já reclamei com a lanchonete que não se manifestou. Espero que por aqui, alguma providência seja tomada."
Outubro 30, 2004. Albanira Nunes Costa reclama sobre "uma luta que tenho desde 26 de Abril de 2004" e diz: "Sou a síndica do Edificio Jaceguai no centro de São Paulo,na rua jaceguai 620 no bairro da Bela Vista,na parte terrea do prédio temos dois bares no n. 616 e 624, o prédio fica entre os dois, com churrasco na calçada,mesas tomando toda a calçadas, som no último volume, máquinas caça niquel, brigas e outras coisas. Isto nos dois bares cada um quer apareçer. Ainda os dois são totalmente irregulares nem taxa de lixo eles pagam para a prefeitura. Já fizemos uma abaixo assinado com os moradores do prédio, Denuncias na Prefeitura temos no dia 26/04/2004 n. da solicitação 2825188,20/07/2004 protocolo CA1048365,20/08/2004 protocolo CA1163836,15/09/2004 em mãos na prefeitura que enviou para regional da Sé, junto com abaixo assinado protocolo recebido SMCIS/CAF,19/10/2004, protocolo CA378887.Nada foi feito em todas essas reclamações a prefeitura so esteve aqui uma vez, continuei ligando e falando que o problema continuava, mas até agora ninguem fez nada, e nós os moradores deste prédio estamos vivendo um inferno, sem dormir, sem poder passarmos na calçada, as criaças passando pelo meio da rua no risco de ser atropeladas, e vendo homens e mulheres mal vestidas com copo de bebida na frente de todos. Em nome dos moradores do Edificio Jaceguai este é o nosso desabafo. "
Nota da redação: A subprefeitura da Sé informou, através da assesoria de imprensa da secretaria das Subprefeituras, que o bar foi vistoriado no dia 15 de julho, foi notificado e multado por estar funcionado após a 01h em 300 UFM (1 UFM vale hoje R$ 71,17). Fomos informados também que vai ser programada nova vistoria.
Novembro 06, 2004. Alessandra A. reclama que "Há alguns meses os moradores da rua Correia de Lemos, antes considerada uma rua residencial tranquila, vêm sofrendo com o tumulto e o barulho infernal promovido por um "boteco" aberto sem qualquer respeito aos moradores da rua. O indigitado estabelecimento fica aberto de domingo a domingo, até altas horas da madrugada, importunando os cidadãos que querem sossêgo e que, além de tudo, pagam um Iptu muito caro pela localização do bairro!!!! O dono do bar/boteco simplesmente age de forma negligente, não se importando se a rua é estritamnte residencial ou não: coloca mesinhas na calçada e vende cerveja a menores de idade. A balbúrdia é tanta que as pessoas (sempre muitas) que se aglomeram nesse lugar gritam e esbravejam em razão do comportamento já alterado pelo álcool. Há também a suspeita que no local há circulação de drogas, mas isso somente deverá ser comprovado pela polícia, que apesar de saber da bagunça que esse boteco faz na rua, em nada se manifesta. Inclusive quero deixar claro que, duas vezes por semana (em terças ou quintas-feiras) há policiais que vêm ao estabelecimento, entre duas e três horas da tarde (para quê???). Por favor, ajudem a resolver esse problema insuportável, pois nas noites de quinta a domingo não temos mais tranquilidade para dormir. Não sabemos mais a quem recorrer para que a rua correia de lemos volte a ser apenas uma pacata rua residencial!!!!"
Novembro 01, 2004. M.F.O.R., da rua Freire de Aguiar, pergunta: "Tenho três vizinhos que tem cachorros muito barulhentos. Isso é muito incômodo pois eles latem o dia inteiro e à noite também. Não sei qual medida tomar contra eles, pois minha saúde está ficando prejudicada por causa disso. Será que teria algum tipo de processo judicial contra isso? Aguardo alguma sugestão. Obrigado."
Nota da redação: A vizinha foi orientada a ler a reportagem "Saiba como proceder caso esteja incomodado com latido de cães".
Novembro 01, 2004. L.K.A. reclama que comprou "um celular Nokia nas casas Bahia, no dia 09/10/2004, pedi para usar o numero de celular antigo, que levou 9 dias para fazerem a transferência da Operadora Claro, depois o celular apresentou problemas no display alguns dias depois, deixei na assistência técnica Nokia, o que levou mais 1 semana sem o celular, e no dia de hj 01/11/2004, informaram que segundo o Laudo técnico, o defeito não cobre a garantia e teria que pagar o valor de R$ 110,00, sendo que paguei R$ 129,00 pelo celular. Pedi para provarem que não defeito do aparelho, e disseram que o Laudo não cobre pela garantia. Liguei para a Nokia e disseram que o Laudo apresentado não poderiam cobrir a garantia. Pergunto onde está a justiça ? Mal usei o celular e não há provas de que o celular já venho com defeito, se reclamar com o Procon sei que levará muito tempo para resolverem e se resolverem. Alguém teria alguma sugestão melhor ? Agradeceria muito."
Outubro 29, 2004. A resposta à minha reclamação publicada aqui em Outubro 21, 2004, sobre a "FISCALIZAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO QUE SE DIZ "Amigos do Bairro em Americanópolis", "NÃO FOI SATISFATÓRIA" !! GOSTARIA DE SOLICITAR A INTERVENÇÃO DOS OUTROS ÓRGÃOS FISCALIZADORES NO LOCAL!!! HÁ FeStas regadas a bebidas alcoolicas, com participação de meninas de menores, consumo de drogas em frente ao local (maconha), sem a menor infra-estrutura de segurança. Além disso, gostaria que o Sr. SUBPREFEITO DO JABAQUARA, Odilo Guedes Pinto Junior, se certificasse de que estão realmente sendo fiscalizadas as atividades desta instituição "NOS FINAIS DE SEMANA", que vem desprespeitando a vida dos moradores!! Se o MAL INFORMADO "Assessor" respondeu aqui que tal instituição realizou um único evento, é porque ELE NÃO FOI CONVIDADO PARA AS OUTROS QUE ROLAM NOS FINAIS DE SEMANA ATÉ TARDE DA NOITE!! FORAM INÚMERAS FESTAS DESDE O INÍCIO DO ANO. ISTO É UM SINAL CLARO DE QUE A INSTITUIÇÃO ESTÁ OMITINDO INFORMAÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO REGIONAL, VIOLANDO NÃO SÓ OS DIREITOS DOS MORADORES, COMO TAMBÉM VIOLANDO AS REGRAS DEFINIDAS PELA ADMINISTRAÇÃO. ELES SÓ VÃO INFORMAR O QUE FOR CONVENIENTE PARA ELES, POR ISTO SOLICITO FISCALIZAÇÃO. Aliás, não concebo a idéia de que a "Subpreitura" autorize qualquer tipo de evento que perturbe a ordem e o silêncio no bairro, até de madrugada, NUMA ÁREA RESIDENCIAL. 
Então fica aqui o meu convite: "COMPAREÇA NUMA DOMINGUEIRA DE FINAL DE SEMANA". OU SERÁ QUE VOCÊS VÃO ESPERAR ACONTECER LÁ AQUELE BARULHO INSUPORTÁVEL DO ENSAIO DA BATERIA DE CARNAVAL? Por ser uma instituição legalizada, ela deveria fazer HONRA AO SEU NOME, promovendo outros tipos de atividades sociais e culturais (mais inteligentes e mais respeitosas) que beneficiassem o bairro e não incomodasse. Ela precisa cativar o respeito do bairro para também ser respeitada, assim pode até ganhar simpatia e conquistar mais colaboradores. 
MAS COMO ESTÁ NÃO PODE CONTINUAR, POIS FERE MEUS DIREITOS DE CIDADÃO CITADOS NO CODIGO CIVIL. A RESPOSTA DA "ASSESSORIA" FOI SUPERFICIAL, SEM RELATO DE FISCALIZAÇÃO. PORTANTO AQUI CONTINUA O MEU APELO: "FISCALIZEM E TOMEM AS DEVIDAS PROVIDÊNCIAS QUANTO AOS HORÁRIOS PRATICADOS POR ESSA INSTITUIÇÃO, PRESIDIDA PELA DONA JOANA, QUE AUTORIZA TAIS EVENTOS". 
QUERO VER AQUI NO "SAMPAONLINE" UMA RESPOSTA EFETIVA, SENÃO CONTINUAREI RECLAMANDO ATÉ CHEGAR A ÓRGÃOS SUPERIORES. 
SUGIRO À VIZINHANÇA LOCAL QUE TAMBÉM "RELATEM AQUI SUAS RECLAMAÇÕES". 
MUITO OBRIGADO A EQUIPE "SAMPAONLINE" PELO APOIO E AGILIDADE.
Outubro 28, 2004. M.M. reclama que "Com a via exclusiva de ônibus na av. Ver. Jose Diniz (Campo Belo), o transito se transferiu para a rua paralela, R. Constantino de Souza, mas para retornar a Vereador, o semáforo junto a esquina da r. Morais de Barros fica um ABSURDO.O tempo de abertura para atravessar/entrar na av. Ver. Jose Dinis é mínimo, fazendo com que o transito na paralela, R. Constantino de Souza fique parado. Moro na esquina desta rua com a morais de Barros e logo pela manhã (6:00Hs.) já há carros buzinando e motoristas gritando. Solicito atenção da Sub-prefeitura e principalmente da CET, como companhia de ENGENHARIA, poderia redistribuir o transito, sugestão: ACABAR COM O CRUZAMENTO av. Ver. Jose Dinis E MORAIS DE BARROS, ou seja, somente para conversão à direita na Vereador, sentido Ibirapuera. E para quem quiser atravessar a vereador, segue pela R. Otávio Tarquínio e passa por baixo do Viaduto Ibirapuera. CET e Sub-prefeitura, solicito ATENÇÃO.
Outubro 27, 2004. Ale KL reclama que "a moradora do apartamento logo acima do meu insiste em jogar todo tipo de sujeira via janela, isso mesmo... sem o menor pudor joga água suja, poeira de tapetes, migalhas de pão de toalhas de mesa, cabelos de escovas... Já comuniquei a sindica 3 vezes, já subi pra conversar com a moradora, mas nada tem efeito definitivo, pois para uma semana ou duas, depois começa tudo de novo..."
Outubro 27, 2004. Ale KL reclama que a Rua Dr. João Gualberto de Oliveira "continua sem iluminação desde comprei apto em frente. + ou - 2 anos de pedidos a prefeitura, a vereadores e nada..."
Outubro 27, 2004. Ale KL denuncia que a "SERRAEMAR TURISMO HOTEIS E CLUB continua aplicando golpe impunemente no Brasil inteiro, principalmente em Sampa e no Rio de Janeiro... Será que ninguém pode fazer nada?"
Outubro 26, 2004. Jorge Marmion reclama: "Iludido pelas ofertas de uma revista distribuída pelas Lojas Americanas ("Primavera Verão"), válidas até 31 de outubro, fui até a loja do Shopping Interlagos atrás de fantasias de Halloween. As fantasias infantis, segundo a revista, custavam "a partir de R$ 12,99". Na loja, entretanto, a fantasia infantil mais barata custava R$ 36,00 ! Segundo a vendedora, as fantasias em oferta tinham acabado há muito tempo. Não tenho como comprovar que em algum momento a loja teve fantasias daquele preço, mas saí (sem comprar nada) com a profunda sensação de ter sido ludibriado. Comprar nas Lojas Americanas nunca mais na minha vida!"
Outubro 26, 2004. Um vizinho de São Bernardo do Campo reclama que tem "uma vizinha (desquitada) com 2 filhas maiores (1 grávida solteira), que insistem em falar alto,nao importando horario,festas noturnas ate altas horas (agora menos frequente) no maior "aue" .Reclamaçao ja feito, mas nao deu em nada. O que fazer?"
Nota da redação: O vizinho foi orientada via e-mail.
Outubro 25, 2004. S.K. diz que "Tá na hora da diretoria do Shopping Market Place dar uma olhadinha no banheiro masculino (é isso mesmo...lá só tem um!)Tà sempre infestado de gays e comedores de gays, seja de dia ou de noite. Será que não dá para algum segurança dar uma olhadinha de vez em quando?"
Outubro 24, 2004. Karen reclama que na Rua Leopoldo Couto de Magalhães Junior (Itaim Bibi) "Tem uma obra funcionando a aproximadamente 1 mês e meio que os funcionários trabalham aos domingos. E isso significa barulho de obra aos domingos. Isso é um desrespeito a comunidade. Alguém sabe para onde denunciar? " Nota da redação: O Eng. Martinelli, da Subprefeitura de Pinheiros, retransmitiu a reclamação à Arq. Raquel Pereira Lopes, da Coordenadoria de Planejamento e Desenvolvimento da Subprefeitura de Pinheiros, e ao Eng. Jorge Tupynambá, Supervisor de Uso e Ocupação do Solo da mesma subprefeitura.
Outubro 22, 2004. Uma vizinha diz que "Com tanta gente reclamando de vizinho mal educado e de gente que se acha o centro da galáxia e está pouco se lixando se o vizinho vai se incomodar ou não, por que não criar um PSIU que atenda essas reivindicações?? Com esse papo de que até as 10 da noite pode fazer barulho , tem gente que acha que está no seu direito de azucrinar a vida dos outros, aqui onde moro é dessa forma, o barulho insuportável não tem fim e quando a gente fala que vai tomar providências ainda dão risada e ficam tranquilos pois polícia e nada são a mesma coisa e até as 10 é permitido. Queria saber como é esse negócio de até as 10 pode tudo, quero saber que tipo de barulho é permitido, porque já estou tão cheia dessa situação que sou capaz de contratar uma fanfarra prá ficar tocando ininterruptamente das 8 ás 22h na orelha de quem enche o meu saco e usar desse direito que essa tal Lei permite, oras !! Já que as pessoas estão tão egoístas e pensando somente na sua liberdade sem pensar na coletividade, esquecendo que não moram sózinhas no universo e que têm que saber conviver com os outros sem incomodá-los, somos obrigados a tomar atitudes que não queremos, afinal quem gosta de sossego não é o tipo de pessoa que procura brigas mas se vê obrigado a tomar uma atitude que acaba desgastando as pessoas e até prejudicando sua saúde, como a minha e a de algumas pessoas que deram o seu depoimento aqui... Já está mais do que na hora de arranjar um jeito de impedir esse bando de folgados de se apoderarem do espaço e sossego alheios."
Outubro 21, 2004. Um viznho solicita "FISCALIZAÇÃO de uma instituição que se diz "Amigos do Bairro em Americanópolis", que promove eventos regados a bebidas álcoolicas, com som alto, gritaria, em local aberto, area residencial, incomodando e desrespeitando toda vizinhança nos finais de semana, único momento de descanso, violando a lei do silêncio após 22:00h. Chegando muitas vezes a promover eventos com música ao vivo, num aglomerado de pessoas, inclusive menores de idade (FISCALIZAÇÃO JUIZADO), num local sem segurança (FISCALIZAÇÃO CONTRU) até quase meia noite de domingo pra segunda, e muitas vezes bailes de sábado até 4 ou 5 horas manhã. O pior é que tal "instituição" recebe verba e apoio da PREFEITURA DE SP!! Cadê a fiscalização?? Isso agride o direito ao silêncio da vizinhança toda!! Onde fica a salubridade dos moradores? Este ano até ensaio de bateria de escola de samba eles promoveram em pleno local aberto!!! ESSA INSTITUIÇÃO PRECISA SER ADVERTIDA ATÉ ONDE VÃO OS DIREITOS DELA E ONDE COMEÇAM OS NOSSOS!! Agora eles dizerem que a SUBPREFEITURA LOCAL AUTORIZA isso é um despautério, uma mentira deslavada!! A não ser que a SUBPREFEITURA esteja conivente com estas ações,visando lucros ou desviando verba!! Exigo mais respeito e uma medida mais enérgica sobre isso. A FISCALIZAÇÃO PRECISA COMPARECER NO MOMENTO EM QUE ACONTECEM TAIS EVENTOS, caso contrário não tem como constatar essa barulheira durante a semana!! Os moradores se resguardam em deunciar, pois o nível dos frequentadores DESSES EVENTOS é péssimo. Muitas vezes com motos e carros equipados, quem sabe até roubados (CADÊ O POLICIAMENTO LOCAL)? CONTO COM APOIO DE ÓRGAOS FISCALIZADORES E ESPERO VER MINHA RESPOSTA NO SITE SAMPAONLINE. FICA AQUI MEU DESABAFO !!" Nota da redação: O Sr. Antônio, assessora da Subprefeitura de Jabaquara, informou que a entidade somente realizou um único evento, com autorização da Subprefeitura. Informou também que a entidade é cadastrada na Prefeitura e recebe benefícios que são distribuídos à comunidade, mas que não recebe verba.
Outubro 21, 2004. Alex diz que notou "que alguns vizinhos estão tendo problemas para dormir, vistas o barulho extremo que os bares causam. Olhem, sugiro que se vocês tomarem alguma atitude tomem em um grupo grande, pois certa vez tive esse problema com um determinado bar, e pensei que a melhor solução era ligar pra policia (190), e o individuo que me atendeu sugeriu eu resolver sozinho primeiro. Detalhe meu amigo fez isso e no dia seguinte foi surrado. Por isso se resolverem sozinho ou com a policia tomem essa atitude em grupo, vez que, foi assim que acabou o problema de barulho com esse determinado bar."
Outubro 20, 2004. F.B.R. queixa-se do "APARECIMENTO DE ESCORPIÕES DENTRO DE CASA(Rua Iriri Mirim, Jardim Santa Terezinha), POIS NA FRENTE DE CASA É MATO, E NAS ÉPOCAS DE CHUVA ELES SEMPRE SE MANIFESTAM, E NÃO É A PRIMEIRA VEZ, E O PIOR DE TUDO ISSO É QUE TEM CRIANÇA DENTRO DE CASA,POIS ESTE É UM BICHO MUITO PERIGOSO, POR FAVOR PEÇO QUE TOMEM ALGUMA PROVIDÊNCIA, GOSTARIA DE OBTER ALGUMA RESPOSTA SOBRE O MEU PROBLEMA. MUITO OBRIGADO, FABIANA"
Nota da redação: A vizinha foi orientada via e-mail.
Outubro 18, 2004. L.M. "Gostaria de ajuda com relação ao que fazer com meus vizinhos que insistem em conversar em alta voz e bater janelas,ligar chuveiro,cantar,tudo isso de madrugada.estou ficando doente,pois toda a madrugada eu acordo assustada com a barulheira,coração acelerado,e já reclamei com a sindica do prédio,mas o casal diz não ser a causa do barulho e ameaçou meu marido de processo,por termos reclamado,mas temos certeza serem eles os autores do barulho excessivo.Meu marido teme por nossa segurança.O que fazer?"
Nota da redação: A vizinha foi orientada via e-mail.
Outubro 16, 2004. W.T. queixa-se de estar "Estou acordado às 2:00h da madrugada, exausto por não conseguir dormir devido aos ruídos produzidos por um boteco sem nome em frente ao prédio em que moro. Eu tenho plena consciência que eu sou apenas um entre centenas de milhares de paulistanos que sofrem do mesmo problema e sei também que estou dando apenas o primeiro passo para tentar resolver o meu problema. Ficarei imensamente grato pelas orientações que puder receber sobre os caminhos a trilhar e também sobre histórias de sucessos em problemas deste gênero."
Nota da redação: O vizinho foi orientada via e-mail.
Outubro 14, 2004. Luis Salvino queixa-se de "uma casa noturna gótica (rua serra da bocaina 302) está infernizando todos nos aqui do bairro muita briga e gritaria todas as sextas e sábados. o lugar esta fechado a anos lugar sem segurança alguma. São dois andares não tem estrutura nenhuma para funcionar a luz elétrica é fraude..um absurdo ajudem-nos por favor..."
Nota da redação: O vizinho foi orientada via e-mail.
Outubro 14, 2004. Neide Said Vidoi pede "socorro, não agüento mais, minha casa virou uma calamidade.Do lado da minha casa há um restaurante (rua platina 558) com maquina de karaokê, que funciona o dia todo e a noite ate à 24:00,com os proprietários super mal educados que não respeitam ninguém, meu marido trabalha a noite e dormia durante o dia,mas agora parece um zumbi,porque não consegue dormir e além do mais, no fundo deste estabelecimento há um grupo de jovens que ensaiam a sua banda durante 3 horas por dia,agora imagine com uma maquina de karaokê e esta banda todos os dias,a minha casa virou um inferno e não sei mais a quem recorrer peça a ajuda ou alguma orientação,senão terei que acabar vendendo a minha casa por causa dos vizinhos,isto é justo?"
Nota da redação: O vizinho foi orientada via e-mail.
Outubro 14, 2004. N.S.V. diz que "como moradora há vinte seis anos deste bairro (Brooklin) em que eu cresci e adoro, fico muito triste por diversos motivos e quero mostrar aqui a minha indignação. Nunca o bairro esteve tão maltratado, nem sei por onde começar : é a Av. Água Espraiada que virou lugar para descarregar todo tipo de entulho e lixo nas poucas praças que ainda nos restam, é vendedor de tudo quanto é tipo instalado nesta avenida (de coco, de cofre, de tranqueira, e até CRIAÇÃO DE PORCO!!!!!!! em frente à favela da Berrini ),trazendo sujeira e poluição visual, e ninguém faz absolutamente nada !!!!! Isto porque se trata de um bairro central na zona sul, imagine se estivéssemos localizados na periferia ! Outra coisa muito séria, não sei se os moradores do Brooklin repararam, mas o nosso bairro esta absurdamente perigoso, há mais ou menos uns 6 meses atrás houve uma onda de ataques nas casas, que eram arrombadas e assaltadas por carroceiros ( minha casa foi uma delas). É muito triste que nós moradores de classe média do Brooklin, pessoas honestas e trabalhadoras que trabalham para pagar em dia as suas contas tenham que conviver com esse tipos de situações muitas vezes ocasionadas por indivíduos que nem sequer pagam uma conta na vida e vivem estragando e e desonrando nosso querido bairro."
Nota da redação: A queixa foi retransmitida a Beatriz Pardi, subprefeita de Pinheiros, ao Prof. Bejnamin, subprefeito de Santo Amaro, e a Luis Durães, presidente do Conselho Comunitário de Segurança (CONSEG) do Brooklin.
Outubro 12, 2004. Uma vizinha queixa-se que seu "Olá!!! Meu vizinho do prédio ao lado do meu (na Rua Oscar Freire), ou seja, a varanda dele fica em frente a minha, possui dois enfeites pendurados na varanda que com o vento fazem barulhos estridentes o dia e a noite inteira, ninguém consegue mais dormir. Já passei no prédio dele e falei com o porteiro, mas o zelador e o síndico nunca estão presentes. Outras pessoas do meu prédio já reclamaram sem êxito. Ele viaja sempre, nunca está em casa e os outros sofrem com os barulhos, não agüento mais. O que fazer? Já entrei em contato com o Psiu, mas disseram que não podem fazer nada. Obrigada!!"
O Dr. Roberto Pavanelli (www.pavanelli.adv.br), presidente da OAB Santo Amaro, responde que a vizinha "pode procurar o Juizado de Pequenas Causas propondo uma ação visando compelir ao proprietário do equipamento sonoro que o mesmo seja retirado. No entanto poderá também ajuizar em conjunto um pedido de indenização por dados morais pelos aborrecimentos causados por conta do referido barulho. Neste caso é aconselhável ter como testemunhas outros vizinhos, que pelo mesmo motivo foram importunados, para melhor garantir o sucesso do pleito judicial."
Outubro 04, 2004. T.C.D. reclama que "Há mais de 4 anos tento junto ao PSIU, resolver o problema que tenho tido com esse estabelimento(Democrata Bar Rua Itapura 1056). Que nos fins de semana toca alto e bom som músicas ao vivo, não deixando a vizinhança dormir. O mais engraçado , que tanto tempo de reclamação, o único resultado que vejo é o som mais alto ainda.A minha reclamção é que, com o Democrata Bar nada acontece, a falta de respeito continua, e o PSIU nada resolve. Então pergunto:até que ponto a polulação tem respeito pelos órgãos públicos, que deveriam depois tanto tempo ter resolvido esse e tantos outros problemas nessa cidade."
Outubro 03, 2004. C.R.V quer deixar meus protestos contra o Bar Todos Los Santos localizado na Av. Nova Independência 12 (Brooklin), trata-se de um local de péssima freqüência, onde tanto os proprietários Sr Liu e o Sr Luiz (ambos pessoas sem nenhuma educação) e os poucos clientes que o freqüentam, fazem uma gritaria generalizada, com a ajuda de musica ao vivo e musica eletrônica, até altas horas da madrugada. Este estabelecimento não tem alvará de funcionamento nem isolamento acústico adequado. Os moradores de diversas residências e prédios residenciais já fizeram diversas denúncia contra entre "boteco" no psiu, mas nada adiantou. Outra denúncia que foi feita foi com relação aos carros que param em qualquer lugar em locais onde não é permitido parar ou estacionar. Toda a vez que se chamam o DSV eles aparecem mas não fazem nada, ficam conversando com os proprietários não multando ou retirando os veículos, o que uma boa cervejinha não faz né!!! O bairro do Brooklin agradeceria tanto a Prefeitura como o DSV se ambos cumprissem suas obrigações e tomassem providências contra tal estabelecimento. Afinal nós que trabalhamos o dia todo de forma honesta temos direito a pelo menos uma noite de bom sono!!!!!!!!!!!!!!!
Outubro 02, 2004. Um vizinho de Menino Deus (Porto Alegre, RS) queixa-se do "Barulho do som da vizinha, o mesmo é muito alto, tirando a paz dos vizinhos, inclusive a minha DO AP.217, Bl. 5 do condomínio Padre Cacique, no.220. Cidade Porto Alegre, Rio Grande DO sul."
Setembro 28, 2004. Uma vizinha questiona "Quem foi o inconseqüente que planejou e instalou um ponto final de ônibus (Linha 6110 - Palmares/Aeroporto) em uma rua preferencialmente residencial (Rua Visconde de Aguiar Toledo, altura do 7000 da Av Washington Luis) e por onde são proibidos até caminhões? Nenhuma rua do bairro tem ponto final de ônibus e agora somos obrigados a conviver em um só quarteirão com uma série de taxistas que se acham donos da rua, com toda sorte de camelôs (inclusive uma mal-cheirosa e anti-higiênica barraca de pastel) e com ônibus e mais ônibus!?!?! Os ônibus ocupam todo um quarteirão, tumultuam o trânsito, passeiam pela rua antes de tentar posicionar-se no "ponto final" e trazem todo o tipo de pessoas para "observar" as casas da redondeza. REVISÃO DE TRAJETO E ELIMINAÇÃO DOS ÔNIBUS DO LOCAL JÁ!
Setembro 28, 2004. Lucia diz que "Temos sofrido muito no Bairro do Brooklin por conta da invasão de PERNILONGOS. Eu gostaria de solicitar que a Prefeitura encaminhe a nós o CARRO FUMAÇINHA para que possamos dormir mais tranquilos. Hoje temos que manter portas e janelas da minha casa constantemente fechadas e mesmo assim fiquei indignada com uma parede infestada dos tais PERNILONGOS. Por favor minha solicitação é urgente. Não agüentamos mais. Lucia "
Setembro 28, 2004. Katia A. solicita que "a prefeitura ou o órgão responsável envie arvores para uma pequena área verde que existe no bairro do Jardim satélite na Rua Plinio Schimidt mais ou menos em frente ao número 288, gostaria também que em virtude do excesso de calor passasse um caminhão esborrifando inseticida na rua ja que tem aparecido muitos pernilongos."
Setembro 28, 2004. Katia A. diz que "Antes que seja sugerido que eu ligue na Sptransporte, desde logo, aviso que aquilo não funciona de nada, a não ser para fazer a gente passar raiva. Diante disto vou logo a minha reclamação mais do que isso solicitação, desde a segunda quinzena de agosto a linha de ônibus 6117 metro StCruz/Jd Satelite esta parcialmente desativada, sendo que atualmente existem menos de 4 carros na linha causando um transtorno para os moradores, as outras linhas de ônibus que passam no local no período da manha é impossível entrar os motoristas nem param os moradores que precisam ir trabalhar tem que andar até avenida Interlagos para pegar uma condução mais ou menos 15 minutos andando, isto é um absurdo. Parece uma brincadeira com os moradores pois nenhuma linha de ônibus permanece naquele bairro,sou moradora há 17 anos e sempre foi assim é deste jeito "que nunca se fez tanto pelo transporte em SP". Se a única resposta que vocês tem para me dar for ligar na SPtrasporte, esqueça é melhor não responder porque os moradores precisam de uma solução e não apenas fazer um desabafo e esperar por 20 dias uteis em vão para conseguir uma resposta e ainda por cima ser mal atendido."
Setembro 26, 2004. Antônio C.S. pergunta "Cadê a Prefeitura que não controla o enxame de pernilongos que assola nossa região? Estou escrevendo isso em desespero, rodeado por um monte deles. Será que não sobrou dinheiro pra isso? Foi tudo na campanha? Socorroooooooooo."
Setembro 20, 2004. M.A. queixa-se que "Há mais de 03 anos ambulantes, vendedores de móveis de madeira tomaram a Praça Dr.Décio Cinelli, na esquina da Av.Roberto Marinho (ex-Água Espraiada) com a Rua Princesa Isabel, Brooklin) devagarinho, no começo era um pequeno canteiro junto á Avenida, agora já é meia praça. Ali têm utensílios tais como vassouras, carrinho de madeira, armário para guardar comida, água , etc. É mais uma área pública tomada de assalto, invadida e transformada em lixo: caçambas clandestinas; ponto clandestino de táxis; banheiro de cachorros e até ALTAR DE MACUMBARIA!!! Nota: A praça está ainda preservada em um terço por que que é cuidada por mim, ás minhas expensas, MENSALMENTE. É TEMPO DE ELEIÇÃO ALGUÉM ADOTA ESTA PRAÇA???
Nota da redação: À esquerda, a venda (ilegal) de móveis na Av. Jornalista Roberto Marinho (ex-Água Espraiada), a poucos metros do vendedor de cofres (já famoso, após ser flagrado pela Vejinha), perto do vendedor de Cocos, de ventiladores e de várias dezenas de comerciantes ilegais. O interessante que quando registramos a cena, um fiscal da CET estava na esquina da Av. Santo Amaro  com a Av. Jornalista Roberto Marinho, multando indiscriminadamente, e quando perguntamos sobre o caminhão de cofres, estacionado em um recuo que é um ponto de ônibus, respondeu: "Esse ponto não está desativado?". No Governo Pitta era compreensível; no Governo Marta Suplicy inexplicável.
Setembro 26, 2004. A.A. diz que na Serra da Bocaína "existe uma casa noturna chamada de after dark góticos que vivem berrando e gritando e brigando a noite inteira, não tem alvará, e pedaços da casa caem todos os dias,trata se de uma casa muito antiga que não passa por reformas há muitos anos, sendo que o proprietário não paga nem aluguel,água,luz etc... Seu funcionamento acontece de sexta e sábado... em pleno bairro residencial.. Tomem alguma providencia por favor eu já fiz de tudo,e como se não bastasse o proprietário tem amizade com a maioria dos policiais do 8 batalhão e também do 11,que por sua vez ficam bebendo lá dentro,e paquerando góticas vagabundas mundanas de cemitério...obs: as pessoas que lá freqüentam a maioria são menores de idade mal educadas,sem contar as brigas freqüentes de carecas do abc, com góticos punks, e todo povo nojento da madrugada.
Setembro 25, 2004. Uma vizinha queixa-se que "A cidade de São Paulo tem a lei do silêncio urbano, mas, infelizmente, não pode ser cumprida devido à precariedade do equipamento do PSIU. Segundo os técnicos que já visitaram meu apartamento para verificar o nível de ruído proocado pela cervejaria e danceteria Grupo Haapy News na R dos Pinheiros 1275, o tipo de ruído que está vazando e causando incômodos não pode ser medido pelo aparelho deles, que somente capta os sons agudos e não os graves. Os sons graves são responsáveis pela vibração (que consta na lei do silêncio urbano). Minhas janelas trepidam, o som reverbera em todas as paredes e, mesmo assim, não podem multar o tal estabelecimento. Estes, por sua vez, também estiveram aqui verificando o nível de ruído e eles mesmos haviam me informado, antes que eu chamasse a prefeitura, que esta não conseguiria captar o som grave. Até eles já sabem deste macete... Enquanto isso, a gente não dorme..."
Setembro 24, 2004. Um vizinho acha " inacreditável que não se possa fazer nada contra os travestis que ficam na rua Joaquim Nabuco (Brooklin). Essas figuras ficam fazendo ponto de prostituição em pleno bairro estritamente residencial. Além do mais, falam alto, gritam e brigam altas horas da madrugada; ficam se embriagando a noite toda e quebram as garrafas na calçada. Será que alguém acredita que no meio disso também não haja consumo e até tráfico de drogas? Bem, pelo que li na reclamação de um internauta sobre barulho, é claro que a polícia também não pode fazer nada porque senão será acusada de abuso de poder. Aliás, existe um bingo, creio que ao ar livre, nas redondezas porque toda noite de sexta, sábado e domingo fico ouvindo do meu quarto irritantes "37, 22, 15, 45 e por ai vai a noite toda. Quem é o o vereador pelo nosso bairro a quem poderíamos procurar para tentar alguma solução para esses problemas? Será que conseguiríamos criar uma lei ou mudar alguma já existente para que a polícia tenha autoridade para cuidar de casos como esses e outros, como o de barulho, que tanto infernizam a vida de quem trabalha e paga impostos?"
Setembro 24, 2004. Rosane de Melo Cortez queixa-se que "em 24 de Setembro 24 de 2003 foi encaminhada minha reclamação so sub-prefeito de Santo Amaro sobre o córrego da rua Henri Dunant e até agora nada foi feito. Moro nessa rua há oito anos e ninguém resolve esse problema. Parece que a prefeitura só se preocupa com as grandes obras que trazem mais votos".
Setembro 22, 2004. L.L. diz que na Rua Peixoto Gomide, 145 "há um bar que contrariando a legislação coloca mesas na calçada o que nos obriga a andar pela rua. Estacionados em frente ao bar ficam automóveis com potentíssimos alto falantes no porta-malas tocando "pagode" no último volume, o que nos impede, até, de atender ao telefone,ver televisão, estudar e trabalhar (trabalho em casa, no computador) tamanho o barulho que fazem. Inúmeras vezes fiz reclamação junto ao PSIU e nada foi feito. Outras tantas vezes chamei a polícia. Quando chega, o som é abaixado. Depois que a polícia vai embora, tudo de novo. Já fui à Delegacia do bairro e fui dissuadida de prestar queixa, porque disseram que iriam buscar o dono do bar para acareação. Como já fui ameaçada, tive medo. Curioso é que em dia de semana, quando não há tanto barulho e não há carros estacionados (porque é zona azul), a polícia pára na frente do bar e o dono é por ela cumprimentado como se velhos amigos fossem. Outras vezes, a própria polícia está dentro do bar, bebendo e comendo. Curioso também é que na porta do bar há uma banca de jogo do bicho que funciona livremente e no interior, máquinas caça níquel, também funcionando com a polícia dentro do bar. Como resolver???"
Setembro 22, 2004. J.C.V.M. queixa-se da situação da Rua Relva Velha: "Rua sem asfalto, perigosa, nós os moradores não podemos sair e chegar sossegados. Inúmeros assaltos a mão armada. Praticamente 1 por semana com roubo de carros etc. Esperamos maior segurança, já que todos os políticos do bairro acham este endereço para fazerem propaganda política, mas não p/ oferecer melhores condições de segurança. Revoltante!!!!!!!!!!"
Setembro 21, 2004. Rosana que registrar que "a Adestradora Loren de Andrade me deu um calote. Ela diz morar no Morumbi, mas trabalha também em Moema. A mesma pediu pagamento adiantado, pois era a forma que trabalhava. Ela só cumpriu com 4 aulas ficando me devendo 8 aulas. Há mais de 1 mês não consigo contato. Divulguem, pois trata-se de uma pessoa desonesta."
Setembro 21, 2004. R.S.S "Gostaria de fazer uma reclamação sobre um motorista mal humorado, de mal com a vida,nem olha na sua cara, faz pouco caso. Tenho até medo as vezes de pegar ônibus com ele pois posso nao descer no ponto desejado, esse mal humorado infelizmente esta tomando lugar de outra pessoa, ele é funcionário da Viação Campo Belo Ltda, faz a linha 795P-Paraíso - Pq. do Engenho carro nº 72773. Ontem dia 20/09 eu pedi por favor o próximo e ele nem sequer olhou para o lado pelo menos para ver que eu trabalho em empresa de ônibus assim como ele, e sei o que os motoristas passam no seu dia a dia. E hoje dia 20/09 infelizmente sou obrigada a pegar ônibus com esse ignorante, uma outra passageira com um bebe no colo tinha pago a passagem deu sinal para descer pela frente, e simplesmente ele ignorou e não abriu a porta então todos os passageiros gritaram, e como de costume nos ignorou e só abriu depois, pedi por favor para descer e ele com aquela cara ou melhor mascara fez que não me ouviu. Esse mal elemento não deveria esta trabalhando. Quem será que contratou, esse funcionário, e também quem o treinou na manobra."
Setembro 21, 2004 Wagner Luiz Giannotti Junior reclama sobre o " bilhete único pois tinha comprado um e acabei perdendo e fui na lotérica dar uma RECLAMAÇÃO P/ CANCELAR MEU CARTÃO POIS EU O PERDI E TINHA APROXIMADAMENTE O VALOR DE UNS 48 REAIS E A MOÇA QUE ME ATENDEU FALOU QUE NÃO TINHA COMO EU TA CANCELANDO MEU CARTÃO E RETIRANDO OUTRO E PASSANDO NELE O VALOR QUE JÁ TINHA COLOCADO QUERO SABER QUAIS PROVIDENCIAS PODEM SER TOMADAS A RESPEITO "
Setembro 18, 2004. Um vizinho da Vila Gustavo queixa-se que "TODO FIM DE SEMANA É IGUAL !!! Rádio do carro no último volume, gritaria e muita cerveja. Esse é um problemas para quem, como eu, mora numa rua sem saída. Pessoas que não se importam com os vizinhos e muito menos o horário para realizarem a "bagunça". O pior é que mesmo pedindo para baixarem o volume, após 5 minutos voltam a aumentar. E quando chamamos a polícia ??? Cadê ??? Será que a função deles não é servir e proteger ??? Será o meu caso menos importante ??? Será que podemos dizer que eles estão no direito de fazer o que quiserem e a qualquer hora do dia, da noite ou até mesmo da madrugada??? Mas acontece que o direito deles termina quando o meu começa...O meu direito de poder ter uma noite de sono tranqüila, o direito de assistir à televisão com o volume normal, o meu direito ao silêncio...Eu pergunto: Até quando teremos que suportar tamanha falta de desrespeito ??? Se para estabelecimentos que fazem muito barulho foi criado o PSIU, que por sua vez encontra dificuldades em solucionar os problemas, o que diria de quem tem problemas com vizinhos barulhentos ??? Por acaso existe alguma autoridade que nos ajude ??? "
Resposta da redação: Como assuntos similares foram reiteradamente discutidos em reuniões de Conselhos Comunitários de Segurança, permita-me lhe responder. Veja a resposta de um comandante da PM, o Capitão Pincelli, sobre uma situação similar: "a polícia tem um limitador que é a Lei. Se fizer qualquer coisa a mais do que está previsto é crime de abuso de autoridade. A perturbação de sossego está prevista no Código Penal mas há necessidade de representação, isto é, da queixa formal de quem está se sentindo perturbado. A partir daí vai é instaurado um inquérito que vai para o Ministério Público e se o promotor está convencido que é um crime oferece denuncia ao Judiciário, que vai decidir”. Portanto a única alternativa é o senhor registrar um Boletim de Ocorrência na delegacia do seu bairro. Pelas Leis vigentes, a polícia não pode -por contra própria- pedir a ninguém que abaixe o som; poderia ser processada por abuso de autoridade.
Setembro 17, 2004. Eric Lopes da Silva, que é "morador do bairro Jd. São Bernardo (Zona Sul)" tem uma "séria reclamação: Venho, reclamar da precária iluminação na Rua Doutor Antonio Simões de Carvalho. Os pedestres ficam na escuridão, expostos a assaltos e outros tipos de violência. Já foi solicitada pelo 156 (atendimento da prefeitura), substituição das luminárias, pois as mesmas atende parcialmente a iluminação da rua. É uma rua de muito movimento tanto de automóveis quanto de pedestres, pois esta, da acesso a outro bairro (Vila Natal). Tenho ligado para a prefeitura constantemente e nada é feito. Gostaria de um posicionamento da prefeitura ou da ILUME o mais rápido possível. Eu sou trabalhador e universitário, e chego todos os dias às 00:30 hs. Já fui assaltado na porta da minha casa duas vezes devido à precária iluminação. Não gostaria o que aconteceu comigo, acontecesse com outros.
Setembro 15, 2004. André Machado solicita "à Subprefeitura de Santo Amaro que refaça a valeta do início da rua Tamiko Fuzioka esquina com a rua João Vitorino de Souza (Vila Cruzeiro), pois quando chove forte , a água que desce da rua João Vitorino de Souza acaba invadindo minha propriedade pois o terreno é em desnível , causando assim desconforto dos moradores do local , e prejuízos as partes interiores da casa , Sendo que o mesmo poderia se resolver , caso refizessem a valeta no inicio da rua mais funda , impossibilitando a saída da água da mesma ao fim de não " Invadir" mais minha Propriedade. Muito Obrigado."
Nota da redação: O e-mail foi retransmitido ao Prof. Benjamin, subprefeito de Santo Amaro.
Setembro 13, 2004. Nelson diz que na Rua Clodomiro Amazonas esquina com a Rua Com. Miguel Calfat (Itaim Bibi / Vila Olímpia) "Há um grupo de pedintes (+/- 8 mulheres e 12 crianças) que vivem fazendo sujeira nas calçadas, abrem os sacos de lixos espalhando tudo na rua e nas calçadas. Se você está dando esmola para esse povo, mude o seu conceito, porque eles pegam táxi e gastam em torno de 40,00 e possuem casa própria, segundo os taxistas.
Nota da redação: A queixa foi entregue, em mãos, ao Sr. Martinelli, assessor de Beatriz Pardi, subprefeita de Pinheiros, e ao Classe Especial Rezende, representante do Inspetor Wilson, comandante da GCM Pinheiros, no Conselho de Segurança.
Setembro 13, 2004. Uma vizinha reclama que na Rua Dr. Vicente Giacaglini, 100 esq. com a Rua Costa Barros (Vila Alpina) uma "fabrica de rações para pássaros está contribuindo para a reprodução de ratos por toda vizinhança, podendo causar até mortes por causa da urina dos ratos que passeiam pelos telhados e quintais das residências"
Setembro 13, 2004. Jorge Marmion reclama: "Como alguém disse nestas broncas, o Banco Itaú é mesmo uma porcaria. Hoje por volta das 17h fui consultar o saldo no site do Itaú e após digitar senha/conta obteve várias vezes como como resultado: "Sua sessão foi encerrada por falta de utilização". Liguei para o atendimento, e durante 12 minutos só fiquei ouvindo "sua ligação é muito importante etc. etc." durante doze minutos. Desliguei e decidi, então, acessar o fale conosco do site: "A página não pode ser encontrada". Pode um negócio desses?"
Setembro 10, 2004. Uma vizinha deseja "receber uma orientação sobre um problema pois não sei mais como resolvê-lo. Moro em uma vila com 8 casas onde o espaço comum a todos é pequeno, fechado, só tem condições de passagem de um veículo por vez e não há nenhuma segurança para os moradores. Ninguém se interessa de colocar um portão eletrônico, ninguém se habilita a juntar as pessoas e fazer uma limpeza semanal na área de uso comum, que vive suja e tem até algumas manchas de urina que as pessoas que passam na rua entram e usam como banheiro e até algumas crianças da vizinhança urinam pois os pais nem se preocupam de educar (Aliás , nunca se vê pai e mãe por lá , só quando a gente sai para falar alguma coisa aí aparece até o tataravô da criança prá defender). Depois de muitos anos morando aqui e ver inúmeros absurdos acontecerem sem que ninguém tome uma providência, resolvi escrever (Não sei se sou eu a pessoa errada, mas eu acho muito abuso usar esse espaço comum como motel, campo de futebol e estacionamento de carros de visitas). Nessa vila há uma área de uso comum que os moradores insistem em fazer o que bem entendem e reclamam quando é o outro morador que usa como bem entende, fui clara?? Pois é, lá virou terra de ninguém, onde todo mundo acha que tem direito de tudo e quem sai para falar alguma coisa é tachado de mal amado, recalcado, invejoso, encrenqueiro e muito mais. Usam esse espaço como sala de visitas, espalham os amigos na porta de todo mundo prá jogar uma bolinha (que mal há nisso , não é mesmo? só gente recalcada não gosta de jogar bola com a turma...), estacionam os carros das visitas e até os seus próprios na porta das nossas garagens, o que nos impede o direito de entrar e sair de casa na hora em que der vontade e nos obriga a ficar tocando as campainhas para avisar que estamos chegando ou que alguém de nossa casa vai chegar e precisa entrar na nossa própria garagem, ou seja, temos que deixar a agenda pregada no portão e quando se reclama que quer a porta livre, escutamos: Põe uma placa então !! Como se resolvesse, pois povo sem educação igual a esse dessa vila eu estou prá conhecer. A última foi uma engraçadinha que está fazendo e acontecendo porque os pais dela acham que ela tem direito pois afinal ela foi uma criança mimada que precisava brincar de chutar bola ns carros dos outros, falando com desdém que o carro era lixo e achando que o que é dela é melhor do que o dos outros e agora ela é uma adolescente que quer ver a rua inteira querendo ser o primeiro a chegar (se é que me entendem) e precisa da turminha pois ela é uma garota saudável e moderna e não uma velha que gosta de se enfurnar em casa. Daí ficamos nós que queremos ficar em casa descansando ouvindo barulho da bagunça da turma da bonequinha, boladas no portão, gente dando risada da nossa cara, ou seja, ficamos constrangidos de sermos pessoas mais calmas e de levar nossa vida normal, que para nós é sair para trabalhar e curtir o sossego da nossa casa quando voltamos. Sei que existe uma lei sobre barulho e me parece que agora tem uma até para quem tem cachorro que late muito, é verdade?? Essa semana minha casa foi invadida pela turminha pois eles queriam algo que estava no telhado da casa dela e que eles podiam muito bem usar uma escada na casa dela para pegar mas preferiram uma adrenalina e usaram a minha varanda na surdina,escalando uma parede alta e se pendurando pelo portão como só ladrões fariam, para pegar o objeto por pura preguiça de arranjar a escada, afinal usar as coisas dos outros sem a permissão do dono da casa é muito mais divertido... se eu não abrisse a porta do nosso quarto que dá para essa varanda e pegasse todos com a boca na botija, hoje estariam rindo e muito da nossa cara por terem conseguido o que queriam sem me pedir permissão. Prá todo mundo que eu conto isso me dizem que isso é invasão de domicílio e eu acho também afinal o que eles queriam não estava comigo e não dependia da minha casa para eles conseguirem, poderiam muito bem ter usado outro lugar mas fizeram de propósito. Infelizmente lá não existem regras escritas, do tipo das que vigoram em prédios de apartamentos, nem uma pessoa denominada síndico do lugar, entende?? Os moradores acham que lá é livre : que mal há em pedir pro fulano tirar o carro da frente um pouco pro outro entrar em casa?? São tutti buona gente, gente amiga que não precisa de formalidades, enfim, se não quisermos ficar tachados como chatos e metidos,somos obrigados a agir como eles... Que mal há jogar bola com a turma da rua?? Que mal há ouvir seu CD preferido no último volume mesmo sabendo que nem todo mundo tem o mesmo gosto que o seu?? Que mal há em usar o quintal dos outros para fazer o que der na telha sem ser obrigado a pedir permissão pro dono da casa?? Isso é coisa de gente recalcada... Quer sossego? vai morar no interior, vai pro asilo... è isso que a gente é obrigada a escutar do pessoal, que vira e mexe vem em casa prá reclamar de alguma coisa e não tem coragem de dar a cara prá bater e exigir seus direitos... Não sei mais como fazer para manter minha casa e meus hábitos íntegros sem que ninguém venha se fazer de dono do que não é dele, as vezes sinto que seria mais fácil fazer cópias da chave de casa e distribuir pros vizinhos, assim quem sabe eles me achariam legal, não é mesmo?? Sei que ninguém paga as minhas contas, mas também toda vez que vou procurar os meus direitos acabo sempre descobrindo que não tenho como fazer valer a minha vontade dentro da minha própria casa. Não quero mandar nos outros, apenas gostaria que eles respeitassem os nossos direitos também. Existe alguma forma de fazer valer os nossos direitos, alguma lei que nos ampare mesmo que aqui não exista um síndico e ninguém esteja interessado em eleger um (afinal quem quer ter sua vida patrulhada quando é tão gostoso abusar à vontade da orelha dos outros??). Mudar de casa não está em nossos planos pois a casa é confortável e própria. O que devemos fazer?? Obrigado e desculpe o desabafo."
Nota: Nosso leitor Alex, estudante de direito, ofereceu-se para orientar a vizinha
Setembro 10, 2004. Um vizinho diz que "A partir do último dia 4 de setembro o acesso à Avenida Washington Luís a partir da Rua Dr. Gentil Leite Martins foi bloqueado. Pouquíssimos dias antes desta data, algumas faixas em ruas adjacentes (e nas mesmas ruas) já informavam sobre este fechamento. Pois bem, examinando melhor estas mesmas faixas, apesar delas conterem referências à CET, também contem outras "propagandas" como: Colégio São Sabas, Padaria Shangri-lá, etc... Bem, não me é do conhecimento que a CET esteja sendo "patrocinada" por qualquer empresa privada (posso estar enganado) para avisar sobre mudanças de itinerários em qualquer rua da cidade. Fui perguntar ao funcionário da CET que lá esteve no último dia 8 sobre a razão do fechamento deste acesso. Como resposta obtive a informação que foi uma solicitação das mesmas empresas a que me referi no parágrafo anterior. Estas mesmas empresas teriam feito a solicitação ao vereador Goulart e ao deputado Ítalo Cardoso. Ato contínuo, a dita padaria, durante o último fim-de-semana, já instalou um serviço de "valet-parking" e, parece, vai explorar o espaço (pelo que me consta, ainda público) para este serviço já tão polêmico: é o fim da picada ter que pagar para deixar o carro estacionado na rua: é a institucionalização do "flanelinha". Bem, se o que o fiscal da CET disse está correto, é evidente que o apadrinhamento político foi determinante nesta mudança esdrúxula e sem sentido. Como morador do bairro à pouco menos de 40 anos, acho que tal acesso foi uma das poucas coisas decentes em matéria de trânsito feita nos últimos anos por esta região. Portanto pessoal: vamos boicotar a dita padaria e a dita escola, que por sinal, já dispõe da rua onde moro como bem entende, principalmente durante as festas juninas, quando simplesmente a bloqueiam e, parodiando o Faustão, "fazem na coisa pública o que fazem na privada". É isto."
Resposta da Coordenadoria de Comunicação da CET: "Em atenção à reclamação do leitor, sobre o fechamento da Rua Dr. Gentil Leite Martins, informamos que aquele trecho foi fechado atendendo pedido da comunidade do local. Lembramos que a passagem citada pela leitora era provisória. O caminho indicado para acessar o Viaduto Washington Luiz é pelas ruas das Carpas, Takeo Yoshimura, e Avenida Washington Luis. Ressaltamos que o caminho está orientando com faixas de pano e placas indicativas."
Comentário do vizinho: "É a tal história: a "comunidade local", ao que parece, se resume àquelas empresas, cujos nomes constam nas referidas faixas, bem relacionadas com os citados políticos. Comunidade, no meu ponto de vista, tambem inclui os moradores da região e não somente aqueles que ali tiram seu sustento. Em nenhum instante os munícipes moradores das ruas afetadas foram perguntados a respeito. O argumento de ser uma passagem provisória é risível, pois nunca vi algo "provisório" tão bem-feito por estas bandas: ilha de separação das duas vias em alvenaria, com guias e tudo o mais, semáforo bem programado para todas as direções, etc..., não me parece algo provisório. Repito: a mudança foi pedido político e tem como causa e resultado uma "mini-privatização" de um espaço público, só não vê quem não quer. Enfim, esta resposta "vaselina" ilustra muito bem o porque de nosso atraso social. Desculpem o desabafo, mas seriedade com a coisa pública ainda é virtude bastante escassa por estas bandas. Obrigado ao sampaonline pelo espaço. Saudações de um desiludido.
Mais um comentário do vizinho: "A passagem não servia somente para acessar a Av. Washington Luís (o que dali era bem complicado, dada a quantidade de semáforos para tal), mas tambem para atravessar o viaduto para acessar a Rua Guilherme Ashbar Neto, tornando desnecessário dar a volta citada. Aliás, este trajeto "sugerido" para a Av. Washington Luís já era usado há décadas e só servia para acessar o viaduto. Enfim, o nome "provisório" é uma piada de mau gosto e uma ofensa à inteligência de quem mora na região. Por que então não se reverteu a mudança de mão de direção na Rua das Flexas ? (seria "desinteressante" para a Escola citada ? (dados os ônibus escolares que lá tomam conta da rua...)). E o que dizer das guias, ilhas e sarjetas construídas (provisoriamente...), não somente no cruzamento citado, mas tambem na bifurcação entre as Ruas Dr. Gentil Leite Martins e a Rua das Flexas ? Enfim, a própria CET se embanana e praticamente nos chama de burros ou idiotas ao se explicar: afinal de contas, fechou porque era provisório ou por solicitação da "comunidade" local ? Francamente... Quem te viu e quem te vê, CET. Coitado do assessor (índio) que teve que escrever esta "pérola". Sinal claro que tem "caciques" envolvidos.
Setembro 09, 2004. S.P.L diz que "Na verdade a minha reclamação é pelo bairro todo ((Vila Portela- Pedreira), que não tem nenhum comércio bom ,porque tudo que abre os ladrões roubam, é muita violência, roubo de carros é todas a noites, falta de iluminação, de policiamento,falta de algum administrador olhar por aquele bairro que foi esquecido completamente."
Setembro 03, 2004. C.P. reclama que "Tive uma loja virtual na BPG e há vários meses (mais de um ano) cancelei o contrato. A BPG guardou meus dados durante todo esse tempo e em julho fui surpreendida com um débito de R$ 19,90 em minha conta corrente. Ao entrar em contato com o banco fui informada de que eles têm um convênio e que somente a BPG podia suspender a cobrança. Transferi meu saldo para outra conta para não ter mais prejuízos até resolver essa situação. Já mandei vários e-mails e até agora ninguém me retornou. No telefone apenas a secretária eletrônica atende!! Fui roubada e quero meu dinheiro de volta. Mas o banco também errou. Será que basta ter um convênio com o Banco do Brasil para fazer débitos nas contas do cliente? Não é necessário provar que o cliente autorizou o débito??"
Setembro 07, 2004. Lilian reclama que "No condomínio onde moro (Diadema), atualmente uma das moradoras adquiriu um pitt bull, que não usa focinheira, e quando eu demonstrei meu desagrado, já que tenho uma filha de 7 anos e aqui moram muitas crianças, ela simplesmente disse que o cachorro é manso, e que a mordida dela (A DONA) é pior do que a do cachorro!!!Pode!!!!"
Agosto 22, 2004. Uma vizinha reclama que na Rua nossa senhora da encarnação esquina com a Av. padre Arlindo Vieira "SOM SUPER ALTO, O BAR FICA ABERTO DE SEXTA,SABADO E DOMINDO, ATE AS 4;00 DA MANHÃ O SOM ALTO DAS MUSICAS NÃO DEIXA NINGUEM DORMIR MESMO, COM TODAS AS JANELAS FECHADAS, FORA AS PESSOAS QUE SAEM BEBADAS,GRITANDO,FALANDO PALAVROES, NÃO DEIXANDO NINGUEM DORMIR NOS FINAIS DE SEMANA, COMO HOJE, QUE SÃO 22;45 DA NOITE QUE O PAGODE JA COMEÇOU. ACREDITO QUE ESSE BAR NÃO TENHA ALVARÁ."
Setembro 03, 2004. M.T. diz que "Como se não bastassem os problemas cada vez mais caóticos deste cidade, agora nem dormir é possível. Desde que começaram a porcaria da construção em frente ao meu prédio (Rua Tabapuã, 222, Itaim Bibi) que não sei mais o que é dormir. Como se não bastasse o desrespeito dos funcionários que gritam quando trabalham, que todos começam a trabalhar (inclusive aos sábados) as 06h30 da manhã, agora toda madrugada pára um caminhão para descarregar materiais. Sei que não existe lei que proíba este tipo de evento, mas podia existir pelo menos um pouco de respeito por parte da construtora. Se eles tem que trabalhar, eu também, e sou obrigado a levantar todos os dias de madrugada e quando não, as 6h da manhã com o barulho dos operários e das máquinas. Não adianta reclamar com os trabalhadores nem com a construtora, pois como tem que entregar a porcaria do prédio, estão se lixando para nós. Será que não tenho outra alternativa ??"
Setembro 02, 2004. A.P.S. diz que mora "na Rua Duque Costa (Vila Sofia, Jardim Marajoara) há quatro anos e até esta data o vi o DSV ter a iniciativa de proibir carros de estacionarem em um dos lados da Rua pois, o trânsito se torna caótico (para variar) no horário que os moradores estão retornando às suas residências. Apenas para ilustrar, quando o caminhão de lixo sobe a rua ou qualquer outro tipo de caminhão, imaginem o que acontece com os veículos que estão atrás. Peço que a minha sugestão seja levada ao DSV pois, espero que tomem alguma iniciativa. A propósito, eu estou cobrando uma iniciativa pois, o DSV trabalha para o governo que trabalha para nós pobres pagadores de salários do funcionalismo público. "
Setembro 02, 2004. A.P.S. diz que em 12/02/2004 reclamou "do lixo depositado pelo Condomínio Casa Grande na Rua Duque Costa e hoje verifiquei outras reclamações. Insisto que a subprefeitura persista tome as providências cabíveis contra este condomínio porque não é de hoje que isto acontece. A Rua Duque Costa cheira a lixo, além de estar mal iluminada, carros estacionados dos dois lados causando tumulto e para completar sem policiamento uma vez, que vários veiculos já foram furtados em frente ao condomínio que resido. Isto é uma enorme falta de fiscalização por parte das pessoas que trabalham para o governo e consequentemente para nós pobres pagadores de impostos, benefícios e salários elevados. O que peço aqui é simplesmente para que façam seu trabalho bem feito.".
Setembro 02, 2004. João Fernandes, que mora na Rua Bartolomeu farias, diz que seu vizinho "está construindo um sobrado porém a sua obra está invadindo em mais de 1/2 metro o meu terreno e colocando em risco a segurança de minha familia que para entrar em casa é preciso passar por um corredor ao lado da obra que já se encontra comais de 3 metros de altura onde as vigas são colocadas sem nenhuma proteção de rede, tapume ou sei lá o quê. Corremos o risco de receber a qualquer momento uma viga, ferros, caibros em nossas cabeças. Que direito eu tenho nessa situação? Tirei fotos da obra e como faço para mostrar?"
Agosto 31, 2004. Uma vizinha diz que "Em frente ao prédio onde moro (Alameda dos Nhambiquaras, Moema) funciona um bar (na verdade um boteco no sentido pejorativo da palavra) onde todas as sextas feiras um conjunto de pagode toca ao vivo.Este bar não tem qualquer isolamento acústico, chegando inclusive a colocar mesas na calçada nos dias de pagode.Como se não bastasse o incomodo, o bar é mal frequentado.Os moradores de vários prédios da regiao já acionaram o Psiu e a prefeitura, em algumas noites chegamos inclusive a chamar a polícia, mas nenhuma providencia foi tomada.O bar continua a funcionar normalmente.Toda sexta-feira a noite é um inferno, chego em casa cansada do trabalho e não tenho o direito sequer de descansar pois o pagode vai até a madrugada.É pedir muito que alguma providencia seja tomada??"
Nota da redação: A reclamação foi entregue, em mãos, ao Sr. Josué, assessor do subprefeito de Vila Mariana, que a leu em nossa frente e prometeu repassar ao departamento competente.
Agosto 23, 2004. Gilmara M. Ricarte reclama que "Estão fazendo a limpeza do rio, que fica paralelo à Rua Antonio Aranha, ótimo! Mas tem um problema, os entulhos foram jogados em frentes às casas e ainda não foram tirados. Fica difícil até de entrar com o carro na garagem de casa. Aqui fica o meu protesto, espero que seja solucionado o nosso problema! agradeço desde já!
Agosto 24, 2004. Alex "Queria que todos soubessem e que espalhassem aos seus respectivos amigos (as) e a todos que a churrascaria PICANHA GRILL ((com endereço na rua: Padre Leonardo 419 x Washiton Luis ao lado do Extra Aeroporto)) não presta!!!!! Fui jantar lá nesta segunda feira (23/8/04). Muito bem, quando fui me servir no buffet de saladas e pratos quentes, percebi que o buffet era composto de poucas coisas: como 2 tipos de queijos, alface, tomate e um resto de sushi, e tudo aquilo que comemos em casa. E em casa sai bem mais gostoso. E na parte dos pratos quentes só havia arroz, um feijão sem caldo, todo mal feito. As carnes só tinha uns seis tipos, que por sua vez estavam secas e duras. É PESSOAL DEIXO MINHA RECLAMAÇÃO E SUGIRO A TODOS A NUNCA IREM LÁ!!!!... pois além de tudo os garçons são mal treinados e o gerente é um estupido, grosso, mal educado que não aceitou ouvir a crítica que imputei a churrascaria. Vocês acreditam que ele até tirou o crachá, pois deveria saber que estava errado. Fiquei insatisfeito. E quando fui pagar o mesmo teve a cara de pau de checar o meu cheque, como se eu fosse ladrão. É esse cara é um grosso, queimou mais ainda a imagem daquilo que eles chamam de churrascaria!!!!! Isso é uma vergonha!!!!! É amigos eu disse que nunca mais ia lá, como fiz e farei. E dou a sugestão a todos à nãop irem nesta churrascaria PICANHA GRILL ((com endereço na rua: Padre Leonardo 419 x Washiton Luis ao lado do Extra Aeroporto)) e o alerta a todos."
Agosto 18, 2004. Viviane Anawate quer "fazer um protesto de mal-atendimento de uma assistência técnica no Bairro Campo Belo/Brooklin, acho que o respeito ao indíviduo deve estar acima de tudo. Fazem 5 meses a minha família levou um som para consertar e além de quebrarem o som (mexeram tanto que não conserta mais) até o momento não fizeram nada, ligou quase todos os dias e sempre tenho uma desculpa do atendimento e quero registrar o meu protesto contra o atendimento da empresa : Company Assistência Técnica."
Agosto 18, 2004. Um vizinho diz que a Rua Felix de Sousa "está cada dia pior...CUIDADO quem mora por aí e quem tem o habito de deixar carros. Uma quadrilha está assaltando casas na região. Há quem suspeite de uma certa rapaziada que mora no local (os 3 irmãos). Cuidado!"
Agosto 16, 2004. André Alves diz: "Venho até este site de prestígio reclamar sobre os enormes buracos que estão se abrindo no asfalto da avenida Cupecê localizada na zona sul de São Paulo, onde é comum presenciar muitos carros tendo suas rodas e pneus sendo destruídos. Inclusive tive a infelicidade de 'perder' duas rodas e dois pneus do meu veículo esta semana, totalizando um prejuízo de R$ 800,00. Infelizmente tenho que passar por esta avenida todos os dias para ir trabalhar. Quem sabe se até o fim do ano eu já tenha perdido o resto do carro também por causa dessas crateras. Como este ano vai ter eleição, vamos ver quais serão as idiotices que os políticos do bairro vão prometer..."
Nota da redação: Todas as grandes avenidas de São Paulo estão destruídas. O outro dia um vereador perguntava: "Quando dona Marta assumiu a dívida era de 18 bilhões, agora é de 30 bilhões. Onde foi parar esse dinheiro?" Quanto às promessas, as de sempre: saúde, educação, emprego e por aí vai.
Agosto 16, 2004. Roberto D.C. reclama que "A Rua Duque Costa (Vila Sofia) desde a saída de serviços do Cond. Casa Grande até a Av. Washington Luis está uma imundicie. O Cond. Casa Grande deixa sua enorme quantidade de lixo no chão da rua que se espalha com o vento e a chuva por todo o resto da rua. Sem falar que não há calçadas para os pedestres. É triste que em um bairro tão bonito, em um pedaço sob responsabilidade de um condomínio tão elitizado, esteja neste nivel de sujeira e descaso. Peço que enviem à administração regional da prefeitura, por favor."
Nota da redação: O e-mail foi retransmitido ao Prof. Benjamin, subprefeito de Santo Amaro.
Agosto 13, 104. L.F.B. queixa-se do estado da Rua Marechal Bina Machado (Jardim Marajoara), que "rua é uma vergonha. Somente tem buracos e calombos dos remendos dos remendos dos remendos do asfalto. Um recapeamento total deve ser feito com urgência. Também devem ser eliminados os 4 obstáculos existentes que foram construídos ilegalmente e fora dos padrões de lombadas em outros bairros. Esta na hora de a prefeitura agir e atender as nossas reclamações.
Agosto 11, 2004. C.F.C. queixa-se que "existe um templo evangélico na RUA ROSARIO SCAMARDI,34 CEP 05883000 IGREJA ASSEMBLÉIA DE DEUS QUE NÃO RESPEITA SE OS VIZINHOS QUEREM OUVIR OU NÃO SEUS CANTOS, SUAS GRITARIAS, QUANDO TÃO TIRANDO O DEMÔNIO DE ALGUÉM. NA REALIDADE É UM INFERNO. O PSIU ALEGA QUE É DIFICIL PEGA-LOS E A SUB PREFEITURA DO CAMPO LIMPO SABE QUE O IMÓVEL DEVE SER IRREGULAR, SE NÃO TERIA JÁ MULTADO O MESMO, ESSES FIEIS ESTACIONAM SEUS CARROS SOB A CALCADA, E ASSIM VAI. A NOSSA PREFEITURA, SERÁ QUE NÃO VAI TOMAR PROVIDENCIA, ESTE É MEU CASO, MAIS APOSTO QUE EXISTE MILHARES DENTRO DA CIDADE. NÃO É JUSTO, VC IR PARA SUA CASA, E NÃO TER DIREITO A FICAR EM SILENCIO? DENTRO DE SUA CASA?TEM DE OUVIR O SOM QUE VEM DO LADO DE FORA, DESSES TEMPLOS QUE NÃO QUEREM SABER SE VC QUER TER A PERCEPÇÃO AUDITIVA DE SUA PRESENÇA?"
Agosto 10, 2004. A.A. queixa-se que "Este endereço (Rua da Consolação, 3407, entre a Al Lorena e R Oscar Freire) é de uma rua sem saída ( tipo VILA)...minha revolta é que colocaram 15 caçambas desde Maio/04 que nunca foram trocadas, fazendo com que além de ficar horrível, É UM DEPÓSITO DE LIXO E ÓTIMO CRIADOR DE MOSQUITO DA DENGUE! A Defesa Civil esteve aqui há mais ou menos 1 mês atrás , e o Sr Cláudio me informou que denunciou o fato ao EMURB...e que no dia seguinte as caçambas seriam retiradas...NUNCA FORAM RETIRADAS...no site da prefeitura descobri que o órgão responsável é o LIMPURB ...não tem como mandar e-mail p/ eles...amanhã vou tentar ligar no alô limpeza... quanto a subprefeitura de pinheiros...já fiz a denúncia, mas por incrível que pareça a fiscal veio até aqui, falou que multaria uma casa que estava sendo demolida e que não tinha alvará de demolição , e no dia seguinte a casa foi totalmente demolida . O Sr. Harutiun Tchalian comprou várias casas nesta "vila" e para pressionar os outros prop. a vender p/ ele as casas que faltam , ele colocou todas estas caçambas ; Quanto ás demolições ,estão "paradas" pois uma das casas desmoronou em cima do pedreiro e a defesa civil interditou a obra. Conclusão: ELE NÃO PRECISA DE CAÇAMBA , POIS NÃO ESTA UTILIZANDO P/ NADA.
Agosto 09, 2004. R.M.S. queixa-se que "Foi inaugurado no último sábado (07/08/2004) o corredor de ônibus Guarapiranga. Infelizmente a prefeitura, com pressa na inauguração da obra, não se preocupou em concluí-la decentemente no que se refere à preparação dos veículos, pois os ônibus não estão preparados para trafegar na pista esquerda, logo, alguns ônibus estão no corredor, outros ônibus e lotações na pista da direita, ficando assim apenas uma pista para os carros, o trânsito hoje (09/08/2004) ficou infernal e muitas pessoas desciam dos ônibus e faziam o trajeto a pé. O que não foi esquecido foram os guardas da CET que estavam a postos e multando os motoristas que se aventuravam pelas pistas do corredor ! Um trajeto feito normalmente em 30 minutos foi feito em mais de uma hora ! Além disso algumas linhas de ônibus foram modificadas atrapalhando a vida da população. Será que a prefeitura não se envergonha de tal descaso e desrespeito com o povo ? Primeiro sofremos com uma obra sem nenhuma planejamento, agora sofremos com o resultado !
Agosto 09, 2004. Daniel Afonso queixa-se que o Passa Rápido, na Estrada do M´Boi Mirim, sentido Jd. Ângela até Socorro, "travou completamente o trânsito"
Agosto 05, 2004. Arlete Maria Guedes Chrispim reclama que "No dia dia 20 de julho de 2004, levei um tombo na av Ibirapuera esquina da rua Jamaris, por imprudência da prefeitura e da construtora e me machuquei e rasguei o conjunto que estava usando.Neste local referido após o tombo a qual fui acudida por outros transeuntes que ficaram preocupados e não ser atropelada pelos carros que estavam virando para entrar na avenida a esquerda. O acidente ocorreu pois havia um ferro de construção que estava concretado junto com o meio fio e saia para fora o qual enganchei o pé e cai, este ferro estava justamente na faixa de pedestre. O responsável pela obra não colocou aviso perigo ou mesmo interditou a área. No dia seguinte fui ao local para ver a situação e percebi que ainda não havia sido consertado. Indignada tirei umas foto para provar a gravidade da situação e provar que o ferro estava na faixa de pedestre. Só que dias depois comecei a sentir dores nas costa e fui ao medico, que constatou lombalgia aguda causada pelo tombo. Próximo ao local do acidente pago um IPTU de altíssimo valor e as ruas dessa região deveriam estar impecáveis e não ter que sofrer acidente por imprudência e descaso das autoridades.
Agosto 05, 2004. Francisco Sanchez diz que "è ridiculo e desonesto o titulo da materia "Propaganda de Marta emporcalha São Paulo. Existe já propaganda de forma indiscriminada por toda São Paulo inclusive na Joaquim Nabuco. Tragam suas maquinas para cá. Verão muistos ns. 15 "
Resposta da redação:Sim, há propaganda em toda a cidade, mas são POUCOS os que desrespeitam a Lei. Veja, por exemplo, o Milton Leite, que colocou milhares  de peças publicitárias enormes em toda a zona sul. Nenhuma está em desacordo com a Lei. Mário Dias é outro que divulga pesado mas com respeito. A Prefeita, entretanto, que deveria dar o exemplo, colocou sua propaganda em semáforos, sinais de trânsito e onde bem entendesse sem qualquer respeito pela legislação. Até o momento, só um vereador do PRONA (Juarez Távora, um velho conhecido desta cidade) teve o mesmo desrespeito, mas ainda não conseguimos fotografar. E há outro que nos avisaram pendurou uma placa em uma árvore na marginal. Amanhã passaremos pela Joaquim Nabuco, e se houver propaganda ilegal do 15 ou qualquer outro partido/candidato será fotografada.
Agosto 03, 2004. L.G. diz que sabe que "Sei que não resolve muito esse tipo de reclamação, mas para alguém isso deve ser exposto, nem que seja para precaução dos moradores do bairro. Fato é que não é a primeira vez que faço uma reclamação do tipo aqui, dizendo que a ronda do bairro não serve para nada. (Jardim Marajoara) Mais uma vez, ontem (02/08/2004), uma moça foi assaltada na Av. Min. Álvaro de Souza Lima, próximo à junção com a Manoel dos Reis Araújo e Scyllas Leite Sampaio, tendo sido encurralada na última rua e foi até machucada! É um absurdo que com essa ronda paga, isso ainda é fato recorrente no bairro! Se pagando esses mercenários a situação é essa, como será então se não pagarem??? Moro há praticamente 30 anos neste bairro e nunca me senti tão vulnerável, tão impotente! Imagino, depois de ter visto uma matéria na tv sobre essas rondas particulares, que sejam até os próprios que cometam esses crimes, pois na hora em que são necessários, nunca estão por perto. E outra vez repito o que já disse antes: para falar obscenidades para mulheres na rua, insultar deficientes que tentam atravessar uma rua e dar uma de autoridade pra cima de gente honesta, eles prestam muito, mas para proteger, ih... isso está muito longe de acontecer! Isto serve para provar que não precisamos de defesa externa, uma vez que temos de nos defender sozinhos. Isto é, além de um alerta aos moradores do Jardim Marajoara, também um aviso aos bandidos que o estão querendo tomar. Tenham todos muito cuidado, moradores, e bandidos, a vez de vcs está chegando! Bandido bom é bandido preso, ou morto... como preferirem.
Agosto 02, 2004. Um vizinho reclama que "A LINHA 7545 - PCA. RAMOS - JD. JOÃO XXIII SENTIDO CENTRO ESTA MUITO DEMORADA. MAIS DE 40 MINUTOS. ACREDITO QUE TENHAM TIRADO ÔNIBUS DE CIRCULAÇÃO."
Agosto 02, 2004. M.T. "Gostaria de avisar os moradores do bairro Itaim Bibi, que tomem muito cuidado ao levarem seus veículos na oficina NICO, localizada na Rua Renato Paes de Barros, próximo ao posto Shell. Além de não entregarem nota fiscal, trocam as peças do carro, por outras que já foram usadas em outros veículos, ou são piratas. O atendimento é terrível, os mecânicos são despreparados e não assumem nada posteriormente. Portanto, caso precisem de uma oficina, não façam como eu que procurei uma mais barata, procurem uma que ofereça um bom serviço."
Agosto 01, 2004. A.C. fala para a "Excelentíssima Senhora Prefeita Marta Suplicy: Fui sua eleitora na ultima eleição, mas já estou repensando o meu voto. Sou professora e todos os dias utilizo os ônibus metropolitanos de São Paulo. Sinto-me indignada com a forma que é tratado o cidadão paulistano. Nas horas de maior movimento, de manhã e à tarde, poucos ônibus e poucas linhas atendem a demanda. A população fica horas à espera de uma condução e, quando surge uma, esta se encontra superlotada. Crianças e idosos sendo espremidos pelo excesso de pessoas dentro do coletivo. Mesmo com a utilização do bilhete único, que acredito eu, foi implantado para facilitar a deslocação da população de um lugar a outro, este bilhete , a meu ver, uma ótima idéia de sua prefeitura, não tem surtido o efeito desejado, pois os cidadãos paulistanos sofrem pelo fato de ainda terem poucos ônibus nos horários de maior movimentação de pessoas ao trabalho e à escola. Outro dia as pessoas que utilizavam a linha Pedreira-Parque Ibirapuera, inclusive eu, ficaram indignadas com a mudança de itinerário que o ônibus fez, sem avisar aos passageiros, devido à uma manifestação de moradores contra o CET que acabou por interromper a circulação habitual do mesmo nas vias , causando o atraso no itinerário, fazendo com que muitos trabalhadores e estudantes chegassem atrasados em seus compromissos. Acredito que, sendo a prefeita uma mulher que denota complacência aos problemas sociais, e neste momento preocupada com a reeleição, após ter conhecimento deste meu protesto, tomará alguma providência necessária, pensando não só nos problemas dos bairros de maior poder aquisitivo, mas também nos bairros da periferia de São Paulo. Gostaria muito de continuar sendo sua eleitora, desde que meu apelo fosse atendido em nome de todos os cidadãos paulistanos e, principalmente, dos passageiros da linha de ônibus já citada acima. Não sei se este meu manifesto chegará ao conhecimento da Ilustríssima Senhora Prefeita, mas a quem importar esta minha indignação, peço, por gentileza, mais uma vez, aumentem as linhas e ônibus, principalmente nas periferias da Capital. Atenciosamente, Cidadã Paulistana"
Agosto 01, 2004. M.H.M. diz que "Infelizmente cansados de reclamar, resolvemos apelar para meios de comunicação de grande alcance com é o caso do Sampa On Line. Na esquina da R. Cardoso de Almeida com a R. Dr. Cândido Espinheira existe uma padaria de nome "Americana". O proprietário desta, Sr. Júnior, resolveu colocar um gerador de energia movido a óleo diesel, pois parece que tive problemas com a Eletropaulo e sua energia foi cortada. Este gerador à principio ficou numa área externa, na parte superior da padaria bem ao lado de 4 botijões de gás (industriais)com grande quantidade de óleo diesel vazando, fazendo um barulho ensurdecedor e soltando grande quantidade de fumaça. Após diversas reclamações de todos os vizinhos da padaria, pois os riscos de incêndio eram notórios e se tornara impossível dormir com tal barulho, a máquina foi transferida para um "quartinho" fechado logo abaixo do anterior, de frente para a Rua Dr. Cândido Espinheira. Porém a máquina continua com o vazamento de óleo diesel, agora escorrendo para toda a calçada ( bem ao lado de nosso prédio) e bem abaixo do botijões de Gás. Obviamente todos os vizinhos da padaria ( inclusive os motoristas de táxi do ponto em frente a esta) foram solicitar que medidas urgentes fossem tomadas pelo proprietário ( Sr. Júnior) pois o risco de incêndio é iminente. Este, por sua vez, informa apenas que está tomando providências, porém isto já se arrasta por mais de 2 meses. O que nos amedronta é que todos ao redor deste estabelecimento correm grandes riscos de morte, pois sabemos que um toco de cigarro displicentemente jogado no óleo diesel ( extremamente inflamável) que escorre abundantemente pela via pública pode provocar fogo e conseqüentemente uma explosão em conjunto com os botijões de gás !!! Ou seja, todos nós, vizinhos deste estabelecimento, vivemos ao lado de uma "bomba relógio" sem data certa para explodir e nas mãos de uma pessoa sem a menor idéia do que vem a ser "cidadania" e respeito pela vida humana. Gostaríamos de informar também que ja foram registradas inúmeras queixas pelo telefone 156 da prefeitura, porém nenhum resultado até este momento. Bem, espero poder contar com a ajuda e a força deste importante veículo, pois é impossível pensar que ao lado de lugares tão tradicionais no Bairro de Perdizes como o Parque da água Branca e a Puc, vivem pessoas com tão pouco respeito pela vida. Gratos, Moradores do Edifício Ruth Gaspar Antunes,Edifício Maria José e lojistas."
Julho 29, 2004. Uma vizinha reclama dos moradores da "Travessa da rua Pascoal Paes e Roque Petrella (Brooklin): O bairro é residencial, e desde que se mudaram para essa casa, os tais moradores fazem festas até altas horas da madrugada, com som altíssimo, e durante a semana.Já liguei para polícia, mas no caso teria que acompanhar uma viatura até a delegacia no momento para fazer uma queixa.
Julho 27, 2004. Um vizinho reclama que "Já fazem mais de 2 meses que rasparam o asfalto para recapear (Estrada do Campo Limpo, Horto do Ipê), porém até hoje pararam a obra, e deixaram o asfalto todo danificado e cheio de buracos, causando assim transtornos no trânsito e alto volume de manutenção nos veículos da região, onde acredito que daqui alguns dias terei que encontrar meu carro OK para manutenção."
Julho 22, 2004. Um vizinho reclama de "Estacionamento e permanência irregular durante o dia e a noite de dezenas de táxis fora do ponto, nas proximidades das ruas Otávio Tarquinio de Souza e R. Barão do Rego Barros, praticando todo tipo de irregularidade, a exemplo de: invasão e estacionamento em rua de lazer, rotatória, esquinas, guias rebaixadas etc. Tal reclamação já foi encaminhada a sub prefeitura de Santo Amaro, e até ao gabinete da Prefeita. Porém nenhuma providência foi tomada. A alegação da Sob Prefeitura é de que a competência e as providências quanto a irregularidades cometidas por taxistas, bem como sua fiscalização é de responsabilidade da Sptrans. Contudo, foram enviadas várias cartas para a Sptrans, durante o ano de 2003, sem que qualquer providência fosse tomada.Diante da postura de inércia, e do jogo de empurra entre os diversos órgão citados, não resta aos moradores outra alternativa senão a de conviver e sofrer com os abusos cometidos. Não fosse este o maior dos abusos, que um cidadão que paga seus impostos sofre, diariamente, uma viatura do CET, que recolhe informações sobre o trânsito na Av. dos Bandeirantes pela manhã e no fim da tarde, assiste a todo este espetáculo de desordem, sob a a mesma alegação. Que a competência de fiscalizar taxistas é da Sptrans.Conto com a colaboração deste inestimável veículo de comunicação, para que pelo menos, por seu intermédio, sejam encontradas as competentes autoridades, e problema seja resolvido da melhor maneira possível. Sempre lembrando que, os moradores são sempre os maiores prejudicados quando se trata de taxistas. A exemplo do que já aconteceu e acontece na Av. da Invernada, com os mesmos taxistas."
Nota da redação: A queixa foi retransmitida ao representante de Santo Amaro no Conselho Municipal de Trânsito e Transporte. 
Julho 21, 2004. M.T. reclama que "nesta segunda, um motorista de ônibus, perdeu o controle da direção e acabou derrubando um poste de energia (Rua Tabapua e Rua Renato Paes de Barros, Itaim Bibi), o que acarretou na falta de energia durante horas. Pois bem, após o conserto feito pela Eletropaulo, podemos constatar a porcaria de serviço do qual dependemos. Todos os cabos estão pendurados e muitos jogados no chão. Além disso, todos os postes de luz do último quarteirão da Tabapuã e do quarteirão da Renato Paes de Barros, estão queimados.  Ou seja, a Eletropaulo vem, arruma de qualquer jeito e vai embora. Cobrar todo mundo sabe, prestar no mínimo um bom serviço, já é pedir demais. O pior, é que não adianta ligar e reclamar, pois nada é resolvido".
Julho 21, 2004. R.V.G. reclama que "no dia 08/04/2004 fui pessoalmente até a lavanderia LAVORO-LAVANDERIA TRI S/C LTDA - Rua Vieira de Moraes, 227 - Campo Belo a fim de obter o serviço de lavanderia (lavagem e secagem) de 11 peças de roupas. 
Perguntei qual era o procedimento e me deram 2 cestas, 3 potes com sabão em pó e amaciante e me indicaram quais máquinas deveria utilizar. Como nunca usei este serviço desta forma e nunca mexi neste tipo de máquina pedi que a funcionária colocasse para mim as roupas nas lavadoras e assim o fez.Em seguida perguntei quanto tempo levaria para que ficassem prontas. Como demoraria mais de 1 hora fiquei de buscá-las mais tarde e pedi à funcionária se poderia transferir as roupas da lavadora para a secadora e ela afirmou que não haveria problema , que ela o faria por mim. 
Para minha surpresa quando retornei horas depois, elas se encontravam danificadas, encolhidas e descoloradas. Reclamei imediatamente, mas afirmaram que os responsáveis não estavam presentes naquele dia por ser véspera de feriado.
Posteriormente falei com a responsável, Sra Bernadete que alega ser o valor pago (R$ 15,00) referente ao que eles denominam " auto-serviço" , ou seja, o serviço onde o cliente, por si só vai até as máquinas (lavadoras e secadoras) e realiza sozinho o trabalho. Quando assim ocorre, eles afirmam não ter a menor culpa por eventuais problemas que venham a ocorrer e não quiseram de maneira alguma me indenizar pelas roupas estragadas
Porém, no dia em questão, não foi assim exatamente que ocorreu, pois deixei minhas roupas sob a responsabilidade de uma funcionária deles para que as secasse e que eu viria buscar mais tarde. 
Escrevo para expressar a minha indignação e decepção com este estabelecimento comercial que não exerce a sua responsabilidade técnica como lavanderia ( foi um serviço mal prestado por eles o que ocasionou os danos das roupas!) e o pior não admitirem a culpa por isso, não respeitando os direitos dos clientes. Se eu cometi algum erro foi o de ter escolhido a lavanderia LAVORO para realizar estes serviços. Não fui eu que pus na secadora que provavelmente mal regulada, trabalhando a altas temperaturas causou o encolhimento das peças.
Deixo aqui o alerta para eventuais futuros clientes sobre a conduta deste estabelecimento."
Julho 17, 2004. Alex faz um "Um alerta a todos os moradores do Campo Belo. Roubaram o som do meu carro, forçando a porta do passageiro na rua Constantino de Sousa x Moraes de Barros. Na semana passada em frente a empresa de mudanças Bruno, na mesma rua Demostenes, na rua da delegacia, roubaram o extintor do meu carro, usando o mesmo procedimento anterior. Na rua Constantino de Sousa x Demostenes, roubaram um som de um morador. Olha, isso ja ta ficando palhaçada, até porque há roubos de carro na área. Sugiro a quem de dever desse bairro encaminhe esta mensagem ao 27 DP, na figura do delegado. Ah valendo lembrar que a mesma 27 tinha um carcereiro que libertou presos. Mais uma sugestão ao sr delegado, que pegue cada um dos presos desta delegacia, e leve a caçamba de lixo, e lá eles vão ver pessoas comendo resto de comida, aquela que não é boa, segundo os presos. Se voces nao encaminharem, eu mesmo me encarrego. Ah quero uma resposta, é o mínimo."
Julho 18, 2004. Claudio Orlandi Junior diz que "No dia 11/07/2004 comprei algumas barras de Chocolate Batom Branco da Garoto na Loja Americanas do Shopping Central Plaza na Vila Prudente, e quando um dos meus filhos começou a comer o chocolate entrou uma LARVA saindo do seu interior, informei o ocorrido via email para as Lojas Americanas, para a Garoto e para a VISA - Secretária de Vigilância Sanitária, pois guardei na geladeira o chocolate na embalagem, onde pode-se ver claramente a deterioração do produto, as Lojas Americanas não se pronunciou, a Garoto quer o material para analise e a VISA também o quer, mas por enquanto ninguém se comprometeu a averiguar se todo o Lote deste produto vendido na Loja esta comprometido ou não".
Julho 16, 2004. Janete Camargo Hita diz que "após ter conversado amigavelmente com um dos motoristas da entregadora de gás "Ultragás", avisando que o som da música deles está muito alto, e que está incomodando. Até mesmo as minhas cachorrinhas de estimação, uivam de dor nos ouvidos. E têm dias que passam em média de cinco vezes em frente à minha residência, num intervalo de uma hora e meia. Por favor me ajudem! Já não agüento mais..., estou à beira de um stress profundo... " 
Julho 16, 2004. Rodrigo Roriz queixa-se: Pelo amor de Deus... o transporte público é um direito do cidadão e um dever do estado, pois bem, o que fazer quando os veículos colocados na linha são insuficientes? Por volta das 06:00am até as 09:00am é impossível utilizar as seguintes linhas em frente ao nº 586 da av Guarapiranga: 677k/10 Jd. Nakamura/Santa Cruz; 5391/42 Jd. Santa Lucia/Praça da Sé; 637c/10 Jd. Jacira/Pinheiros; 5341/10 Jd. São Francisco/Praça da Sé; 6021/10 Jd. Guavirutuba/Terminal Santo Amaro; 695k/10 Jd. Kagohara/Jabaquara. Todas as linhas citadas acima passam com lotação máxima e quase sempre com passageiros na porta de embarque dos veículos (óbvio que os motoristas nem se dão o trabalho de parar), para quem mora na região é necessário uma caminhada de 0:20 ou 0:30 minutos até a estrada do M´Boi Mirim onde se tem a opção de ir pendurado também nas portas dos carros, pelo menos param. Não é justo com Ônibus direto para essas regiões ter que se enfiar em terminais de transferência, aliás no horário citado são mais que insuportáveis na região. Eu por conta disso, mudei meu horário de trabalho para a madrugada, fica mais fácil ir e vir.
Nota da redação: a queixa foi retransmitida ao Representante de Santo Amaro no Conselho Municipal de Trânsito e Transporte
Julho 13, 2004. Uma vizinha queixa-se de um bar, na Rua Jaceguai, 616, "que nunca foi bar. Desde 1980 moro nesta rua Jaceguai e vizinho tinha um açougue,no ano de 2003 foi alugado e o inquilino reformou e abriu as portas para um bar. Virou um inferno este bar, o mesmo não tem registro na prefeitura é totalmente irregular. Alem de tudo colocam mesas na calçadas, fazem churrasco também na calçadas e infernizam a vida dos moradores.Não sabemos a quem denunciar esta irregularidade. Agradeço pelo desabafo." 
Nota da redação: Todo estabelecimento tem de ter o que se chama Licença de Funcionamento, concedida pela subprefeitura para um fim específico (neste caso, comércio de alimentos e bebidas). O primeiro passo seria solicitar uma vistoria, que pode ser feito através da internet (http://sac.prefeitura.sp.gov.br/ , onde diz "Escolha o assunto" selecione Vistoria - o último item). Depois de 2 semanas ligue para a subprefeitura e solicite dados sobre o processo (guarde o número de protocolo que o sistema vai lhe apresentar). Caso nada aconteça, entre em contato com a Ouvidoria. O recebimento de denúncias e reclamações é feito pelo telefone 0800-175717 das 9h às 17h ou pessoalmente, das 8h às 17h, na Avenida São João, 473, 17º andar, Centro. É bom ter o número de protocolo de sua reclamação.
Julho 13, 2004. José A. queixa-se: "Boa tarde. ABSURDO!!! Na esquina Av Sabia x Arapanés está sendo iniciada a construção de um prédio. Até aí sem problemas. O grande problema é que esta incorporadora ignorante está realizando as demolições no Sábado e Domingo de manhã....8:00hs da manhã tem caminhão descarregando vigas de aço, tratores demolindo, cavando......numa total falta de respeito com os vizinhos. Minha janela fica a menos de 5 metros dos caminhões.... Essa cidade não tem lei. Nada aqui funciona. Qualquer um faz o que acha certo sem se importar com os demais. E ninguém toma uma atitude a respeito de nada. Pelo que eu sei não se pode fazer esse tipo de trabalho nos finais de semana.....que ABSURDO É ESSE?????? Nem mais descansar, em nossa casa podemos? Realmente São Paulo é uma cidade nojenta para se viver......ainda tenho esperanças de fugir deste inferno!!!"
Julho 13, 2004. Flávio Santarelli diz que "Tive meu carro danificado hoje por causa de um buraco que encontra-se nesta avenida (Estrada de Itapecerica, próximo ao terminal João Dias, sentido centro) há mais de 1 mês e até agora ninguém tomou providência!!! Passando esta manhã pelo local, tive minha visão encoberta por um outro carro na minha frente, minha roda dianteira direita passou bem em cima do buraco! Resultado; tive a roda totalmente amassada e o pneu furado, me causando imenso transtorno e fazendo com que eu chegasse atrasado no meu serviço!!! Gostaria de saber como eu faço para a prefeitura me ressarcir dos prejuízos?" 
Julho 13, 2004. Marcelo R.S.diz que mora na "Água Branca, onde é denominado zona 2. Sofro horrores com as casas noturnas Villa Country e Porto Alcobaça que ficam na Av Francisco Matarazzo. moro a aproximadamente 500 metros do local e o barulho destes estabelecimentos não permite qualquer descanso. Já liguei para o disk psiu um sem número de vezes.. mandei cartas para o depto de fiscalização da subprefeitura e nada... nada... infelizmente o poder público aqui só não se faz omisso na hora de cobrar taxas e impostos (taxas e impostos mais elevados, devido à suposta valorização da região). Na hora de pagar impostos e taxas temos status de zona nobre, mas na hora de se aplicar a lei somos tratados como qualquer favela..."
Leia também as queixas do do primeiro e do segundo trimestre de 2004, e do segundo e primeiro semestre de 2.003, e as queixas do ano 2.002

Portal Sampa Online (http://www.sampaonline.com.br): o maior e melhor portal dos bairros da cidade de São Paulo