As broncas dos vizinhos
Ano: 2002
Um vizinho queixa-se: "Há 60 dias atrás efetuei a troca do meu veículo táxi, por um novo, durante o processo de substituição perguntei ao atendente da São Paulo transportes do pari, se haveria necessidade de obter o crachá de identificação, fui informado pelo mesmo, que não, posteriormente o sindicato dos taxistas expôs que a partir de 01/10 o mesmo deverá ser de porte obrigatório, tudo bem mesmo com essa controvérsia telefone a sp trans, pedindo informação do período de tempo para obtenção deste cartão, o funcionário informou-me que no mesmo dia da entrada eu o retiraria, após uma espera de 1 hora para o pagamento da taxa, diga-se de passagem um valor absurdo, em uma prefeitura que tinha como base de campanha o tudo pelo povo, mas voltando ao caso, quando entreguei o comprovante de pagamento fui informado, que somente após 4 dias, quando expus o caso ao atendente ele me informou que a regra foi mudada naquele dia, tudo bem então são praticamente dois dias de trabalho perdidos parcialmente.
Não obstante o fato acima recentemente fiz um operação de correção oftalmológica, que obrigatoriamente tive que tirar outra carteira de habilitação pois a antiga constava a observação de lentes corretoras obrigatórias, com a substituição da carteira por uma nova, o número da mesma teve que ser substituído, quando me dirigi a sp trans, para solicitar a alteração do numero da carteira em meu alvará de estacionamento fui informado que deveria pagar a importância de R$ 60,00, apenas para a troca de um número, pergunto a ilustre prefeita ou aos responsáveis pela sp trans, se para eles é fácil ganhar esta importância para o taxista, não é, como se não bastasse a concorrência com os perueiros e os táxis frios
Deixo aqui a minha indignação
PS os atendentes da sp trans pensam que estão em uma creche pois as brincadeiras são constantes entre um funcionário e outro, não dando a atenção necessária ao contribuinte"

Marcello de Lima Tardio queixa-se: "Sou morador do Bairro desde que nasci, e de uns tempos para cá estou indignado com as cenas que vejo diariamente. Na Rua Brasilia, além dos motoboys que se esparramam pelo chão, dificultando a passagem dos pedestres, taxistas criaram um ponto clandestino, impossibilitando outras de pessoas de utilizarem a via. É notório, que por todo bairro, os taxistas estão criando pontos ilegais, seja na Jesuíno com a João Cachoeira, ou na Brasília, além de utilizarem mais vagas do que permitido. Outro ponto que gostaria de destacar é a inúmera proliferação destes bares por nosso bairro, que acarretam em bêbados e assaltos. Na Renato Paes de Barros com a Virgilio Várzea, dois destes estabelecimentos colocaram suas mesas na calçada obrigando os pedestres a caminharem pela rua. Gostaria de saber se a Associação do Bairro não irá tomar nenhuma providência. Estão aos poucos acabando com nosso querido itaim Bibi".

E.F.F.B queixa-se: A "pseudo" pracinha que existe na Rua Joaquim José de Moura Andrade (continuação da Juscelino em direção à Av. Republica do Líbano) é uma desova de entulhos, que aliás permanecem lá por dias, semanas até serem retirados. Deve haver alguma coisa a fazer, pois essa prática é tão reiterada que não será difícil descobrir os infratores. Ressalte-se que os entulhos são deixados na calçada obrigando os pedestres a transitarem pela avenida, correndo o risco de serem atropelados".

Ruth Corallo, que reside na Avenida Horácio Lafer, pergunta: " Não é uma queixa, ou será? Gostaria de saber se existe o Bairro Itaim Bibi.Isso porque toda correspondência que recebo vem como bairro Vila Nova Conceição, mesmo tendo eu sempre dado como bairro aonde resido Itaim Bibi".
Resposta dos Correios: "Informamos que estaremos providenciando a devida regularização em nosso cadastro interno, porém ressaltamos que somente estará disponível para consulta no site dos Correios, após a liberação da nova base de CEP, que no momento não tem data prevista. Aproveitamos a oportunidade para agradecermos seu contato, pois através de seu questionamento melhoramos nossa qualidade." 

Jorge Henrique Grassmann: "Esta têm por objetivo mobilizar os moradores do Jardim Promissão em Santo Amaro, no combate ao pernilongo comum (culix), que está em franco desenvolvimento de sua população. Infelizmente nosso bairro foi tomado pela presença indesejável deste inseto que reconhecidamente é vetor de doenças e pode, além do desconforto, causar uma epidemia na região. Apesar de reclamar na regional de Santo Amaro, por três vezes, as medidas tomadas pelo poder públicas, provaram-se inócuas. Solicito ajuda de Vsas, no sentido de orientar-me ou indicar-me maneiras de obter maior deferência do poder público na questão".

E.F.F.B queixa-se que "O Itaim Bibi está se deteriorando rápido demais, isso é um fato. Camelos começam a invadir as nossas ruas com a conivência da fiscalização e por aí vai. Agora temos motoboys invadindo espaços. Na Rua Brasília, quase esquina com Joaquim Floriano ficam vários motoboys que se esparramam pela calçada, fazem da árvore cabide para suas pesadas e enormes mochilas, jogam baralho, fazem refeições, espalham papelões pela calçada para a hora do cochilo e, é claro, bloqueiam a mesma. Além disso, segurança não existe há muito, na semana passada enquanto passeava com meu bebe fui assaltada na Rua Brasília por dois motoboys que levaram meu celular. Liguei para 190 e fui ignorada. Fiz Boletim de Ocorrência e a Escrivã me informou que serviria apenas para estatística, eles nada fariam para localizar os bandidos, mesmo após ter me referido aos motoboys que infestam a rua Brasilia. Disse também que poderiam ser os motoboys que estavam estacionados no prédio ao lado do Pão de Açúcar, na Joaquim Floriano, mas isso sequer constou do BO. Senti me completamente desprotegida, seja pela policia militar, seja pela civil. Estamos entregues a própria sorte, no nosso bairro. Eu que tinha medo de andar de carro e raramente faço uso dele, agora também me sinto impedida de levar meu bebe para passear, porque a violência é tamanha, a covardia desses marginais maior ainda, que ninguém é respeitado ou poupado. Parece que para receber atenção e não passar de mera estatística é preciso sofrer uma lesão muito grave, dessas que saem no Jornal Nacional. Providências precisam ser tomadas com urgência, senão para salvar nosso bairro e acabar com  a violência, pelo menos com o abuso de motoboys e camelos. Obs. já vi diversas vezes caixas do Galetos com esses motoboys que deterioram a Rua Brasilia enquanto que em frente ao tal restaurante tudo é limpo e organizado".
O Dr. Alexandre Sayão, delegado titular do 15DP, responde: "No dia 07 de agosto, ela lavrou um Boletim de Ocorrência neste Distrito versando sobre o roubo de que ela foi vítima de dois motoqueiros que levaram seu aparelho celular. No e-mail ela faz uma série de reclamações falando da criminalidade, falando das estatísticas, falando que não foi atendida pela polícia militar, falando que a escrivã teria dito para ela que a ocorrência se prestaria ao aumentar das estatísticas, então eu quero mostrar e comprovar que é uma inverdade o que essa senhora colocou no site. Os boletins são despachados e encaminhados para as equipes de investigação. A equipe que recebeu esse boletim em distribuição dia 12 foi ao local apontado (Rua Brasília) e checou vários desses motoqueiros que lá se encontravam. Abordaram todos eles e nenhum possuía antecedência criminal. A vizinha foi encaminhada ao DEIC para poder verificar os álbuns fotográficos na tentativa de um reconhecimento do possível autor desse fato, mas até o momento -segundo checamos com o DEIC- ela não compareceu. Posteriormente a equipe de investigação fez contato com a Dona E. através do telefone que ela deixou no B.O  e foram deixados inúmeros recados para que ela aqui comparecesse para prestar um eventual reconhecimento em motociclistas que foram trazidos a este Distrito com a específica missão de que ela verificasse se seriam ou não os autores desse fato cometido contra ela, mas ela não compareceu e nem ao menos deu retorno aos investigadores para que fosse agendada uma nova data para efetuar esse reconhecimento. Então se a própria vítima não está interessada em colaborar com o trabalho policial, fica um pouco difícil até por que a polícia não tem efetivamente bola de cristal. Mas vamos deixar  comprovar que tiveram o dia e o horário aprazado aqui na delegacia, seis pessoas como pode ser constatado aqui com as fotos, documentos e  terminais (antecedentes criminais) dessas pessoas e que depois de devidamente checadas foram dispensadas nas quais essas pessoas iriam ser submetidas a reconhecimento por Dona E. A polícia cumpriu o seu papel, mobilizou o corpo de investigação, trouxe pessoas que poderiam ser suspeitas, ela não compareceu e essas pessoas foram checadas e dispensadas. A Delegacia continua a disposição para que ela agende e  venha prestar reconhecimento nesse sentido e se encaminhe as DEIC na tentativa de  também conseguir o reconhecimento dos meliantes dos álbuns fotográficos daquele órgão especializado. É bom também a gente enfatizar que nós temos aqui uma sala apropriada para serem realizados os reconhecimentos pessoais, é uma sala com vidro espelhado onde as pessoas que irão ser reconhecidas não vêem em hipótese nenhuma a pessoa que vai reconhecê-las, não há o menor contato pessoal, tudo é feito através de espelhos e a pessoas não tem contato algum, total segurança nos moldes dos que se vê nos filmes americanos.
E.F.F.B responde ao dr.Sayao: "Dr. Sayao, quero lhe informar que estava fora quando o investigador me telefonou em razão de ter ficado muito chocada com a violência que sofri, entretanto lhe informo que deixei inúmeros recados para o citado investigador, tendo mesmo ido pessoalmente no 15 DP na tentativa de encontra-lo e em todas as vezes, ele não estava. Saliento que deixei recado sempre, inclusive em uma das ocasiões informando o numero do BO. Sua resposta não espelha exatamente a verdade, eu não menti sobre a informação da escrivã, ela realmente me disse que serviria apenas pra estatística, talvez se eu tivesse o modelo, marca, placa etc da moto e a descrição completa e detalhada dos agressores etc etc, ora, o Sr. há de concordar que isso é quase impossível, esse ato é muito rápido, nossas ruas são muito escuras, a placa estava coberta por um papelão cinza e o stress gerado por tamanha violência, impede, na maioria das vezes, a reconstituição com tamanha clareza, é como se ficássemos cegos e repito a ação, nesses casos, dura poucos segundos. Infelizmente esse aparelho já deve estar sendo utilizado e não tenho nenhuma esperança de reencontra-lo, se fosse capaz de afirmar com 100% de certeza qual o motoboy que praticou esse crime, essa Delegacia já teria sido informada para que o prendesse e tentasse reaver o meu bem material, porque a coragem de sair livremente às ruas, sem sentir o pânico que sinto, essa eu não vou recuperar jamais".

Uma vizinha queixa-se: "construção em andamento com grua passando por cima de minha casa. Por favor, preciso de uma orientação para recorrer a quem?
O Eng. Carlos Nunes, nosso colaborador da seção Legislação, responde: "A legislação municipal é omissa quanto ao fato da grua passar por cima seja do lote vizinho seja pela via pública. Por Norma da ABNT, que tem efeito como norma federal, a grua pode passar por cima do lote mas NÃO A CARGA. Se a carga está passando é um problema para ser resolvido no tribunal de pequenas causas ou por arbitragem" .
A vizinha responde: "Agradeço sua informação e por ter conseguido um esclarecimento. Embora n tenha ficado satisfeita com a informação, pq pela minha lógica, uma grua q passa por sobre uma rua e casas vizinhas, representa um risco. Além tb te ter sido informada de q este equipamento n deve transportar cargas para fora da obra....Acho q vou continuar fotografando e a qualquer hora envio as fotos para alguma redação....esperando, é claro, q n ocorram acidentes com este equipamento, sobre minha casa e as dos vizinhos....De qualquer forma, retorno a agradecer seu pronto atendimento!!!!"

NRC queixa-se "Não consigo andar na calçada (Rua James Joule esquina com a Berrini, Brooklin), e todo dia quase sofro atropelamento. A calçada está tomada por 5 estabelecimentos (não são ambulantes). Têm luz elétrica, água, bancos na rua, MAS ESTÃO NA CALCADA!!. Solicito a AR Sto. Amaro a retirada imediata desses estabelecimentos."
Resposta ao vizinho: "Estamos fritos. Na própria PORTA da Regional de Santo Amaro há uma barraca de venda de camisetas falsificadas, ao lado, uma de meias falsificadas e ao lado uma de tênis falsificados. Isso sem contar outras 4 mil barracas nas redondezas. Se isso acontece na própria porta da regional, imagina na Berrini. Para piorar, agora o Brooklin não é mais administrado por Santo Amaro mas sim por Pinheiros (devido a recente aprovação da Lei das Subprefeituras). Observa o caos na Teodoro Sampaio e vá pensando o que vai acontecer no Brooklin".

Fernanda Lopes queixa-se que as luzes nessa altura na Rua praticamente não existem, vários postes estão com as lâmpadas queimadas e simplesmente de noite não dá pra enxergar nada, só nos 2 últimos meses ocorreram 7 assaltos devido a essa penumbra que fica na Rua e as autoridades competentes pelo nosso Bairro não fazem absolutamente nada, exigimos segurança, é nosso direito reclamar por ela, e creio ser um absurdo que pagando nossos impostos em dia não possamos chegar em casa sem ficarmos apavorados. Isso é uma vergonha, por favor se alguém ler essa mensagem e puder ajudar nós agradecemos.
R. Joaquim Nabuco, 600 esquina com a R. Antônio de Macedo Soares
Resposta à vizinha: "O problema foi passado ao Sr. Carlos Martins, presidente do Conselho Comunitário de Segurança ( CONSEG) do Campo Belo.Assim que tenhamos uma resposta lhe avisamos".

Uma vizinha que deseja manter o anonimato queixa-se: "Moro no 23º andar de um edifício na R. Guararapes. Pelo que me consta, trata-se de uma zona residencial onde o comércio é proibido. No entando, a 150m do meu prédio tem um lava rápido o qual abre aos sábados e domingos. O problema é que eles fazem uso de uma máquina que, para dar pressão à água para lavar os carros e, produz um barulho insuportável e nos acorda cedo nos únicos dois dias que podemos descansar um pouco mais. Minha saúde está comprometida por este motivo, pois estou com horas de sono acumuladas. (as vezes viro as noites no trabalho e preciso muito descansar). Gostaria de saber o que pode ser feito para que este comércio (em área ilegal) possa substituir esta máquina de pressão por outra menos barulhenta ou que passe a utilizá-la somente após as 12h. FICO NO AGUARDO DE UMA PROVIDÊNCIA".

Lizardo A.F. queixa-se: "Recentemente, em razão do grande número de reclamações, inclusive a minha, foi feita uma matéria em relação ao verdadeiro caos que encontra-se a Rua Urussuí, na altura do n. 372, esquina com a Rua Leopoldo C.Magalhães. Apesar de a reportagem constatar que o Terminal de Ônibus da viação Pirajura está prejudicando moradores da região, a SPTRANS limita-se a dizer que está estudando o assunto. Recentemente foi instalado mais um ponto de taxi na Rua Leopoldo Couto esquina com a Clodomiro Amazonas. Vejam bem, a questão é simples, a região que circula o Hipermercado Extra está abandonada, e a Prefeitura, SPTRANS E A CET estão acabando com a mesma. A questão da zona azul é tão grave e vergonhosa que na Rua Urussuí os Ônibus da viação Pirajuçara ocupam o espaço da zona azul e da faixa de pedestres, tendo em vista a total falta de estrutura local que comporte o terminal. Nesse caso onde está a CET? Os moradores que pagam impostos e, diga-se de passagem, caros impostos, não têm mais condição de transitar pela calçada da Rua Urussuí, pois a mesma foi transformada em Terminal de Ônibus de um lado e venda de churrasquinho e bebidas alcoólicas do outro. Na Rua Leopoldo Couto a via ao lado da calçada é marcada e remarcada para pontos de táxi que mudam e surgem do dia para noite. O nome disso? - Incompetência absoluta do Estado.
Estou lutando pela mudança do terminal da Urussuí e pelo direito de andar pela calçada e dormir tranqüilo, pelo direito de andar na Rua Leopoldo Couto Magalhães também com tranqüilidade e de utilizarme dos espaços da zona azul que sou impedido face aos Ônibus da viação Pirajuçara ali estacionarem. 
Lamentável que a região da Rua Urussuí, Leopoldo Couto e Clodomiro Amazonas esteja sendo penalizada pela incompetência dos administradores do Estado. Contra isso vou lutar, pois, como já disse, pago, como outros, imposto e quero minha calçada de volta e o direito de dormir que já não mais tenho há meses. Conto com esse espaço.
Nota da redação: O problema não é competência do Estado mas da Prefeitura (Governo Marta Suplicy)

Walter Furlan queixa-se: "Há cerca de um mês começo a diminuir a pressão da água nas 20 casas que compõem nossa Vila. Na terça feira passada a água sumiu em definitivo durante o dia. E desde de ontem não chega à caixa d'água dos sobrados. Reclamamos há uma semana, conforme números SABESP 953.954.798, 953.954.798, e 29.985 (da ouvidoria). Só apareceu uma equipe na segunda-feira, e como o problema era geral, disseram que levariam à equipe de manobra. Desde então não apareceu mais ninguém. A situação está insuportável".
Questionado pela redação do site quanto ao problema já que vizinhos da vila não tinham queixas sabre  ao assunto,o vizinho Walter respondeu: "Tivemos um problema seríssimo com a SABESP, pois se tratava de uma perda de pressão não localizada. Fizeram a medida aqui na quarta-feira da semana passada e nossa rua que deveria estar com uma coluna de 22 m de água de pressão só tinha 12 m. Como a Vila fica num nível mais elevado, até chegar às nossas caixas, a pressão era insuficiente para abastecimento. O problema durou quase um mês e foi finalmente consertado na última sexta-feira com a troca de válvula de pressão na rua Pensilvânia. Como se tratava de um mal funcionamento, eles não conseguiam a identificação do ponto exato da perda de pressão. Fizeram pelos menos 5 reparos na área. Eu pessoalmente fiz 5 reclamações, sendo 2 na ouvidoria. E sempre nos davam essa resposta, não consta nenhum problema, mas chegamos a ficar por 36 horas sem uma gota d'água. Agora está jorrando à vontade. Obrigado novamente pela atenção!"

Maria, que nunca vai dizer seu endereço, nem seu e-mail, queixa-se: "Tentei falar com o disk psiu e não consegui, como pode existir esta coisa, fiquei sem dormir, a festa na rua foi das 16:00h até as 3:00h da manhã, e com a lei da Policia vai na sua porta fazer você assinar a denuncia os Brasileiros Não faz denuncia mais, esta lei poderia der mudada vc não acha?"
Nota da redação: Achamos que é o PSIU que deveria funcionar corretamente.

Carlos Antonio Lourençani envia cópia de um e-mail enviado a Anatel, com relação a duvidas com relação cobranças efetuadas pela Telefônica. "Sou assinante da empresa Telefônica de telefonia fixa, e a vários meses estranho o fato de a quantidade de pulsos cobrado em minha conta, ter aumentado consideravelmente. Após ter recebido via Email denúncia de que as empresas estão cobrando valores normais mesmo em finais de semana e feriados (para quem utiliza a rede para acessar a internet) quando que o correto seria cobrar um pulso por ligação, dia 12/06/2002, liguei para a telefônica a fim de solicitar informações e/ou documento comprovando a real utilização dos 289 pulsos que constam de minha conta no mês de Junho/2002. Porém qual não foi minha surpresa ao saber que a telefônica não dispõe de meios para comprovar que eu realmente utilizei esses pulsos, e que os pulsos são monitorados por equipamentos eletrônicos. Questionei sobre o fato de que os equipamentos podem ser programados de forma errada podendo conter erros ou serem programados para cobrar mais ou para cobrar menos, dependendo de quem os programa, e fui informado de que eles são fiscalizados pela Anatel.Quando pago minha conta de água ou de luz, tenho medidores instalados em minha residência que me dão a possibilidade de conferir meu gasto, porém no caso de telefone não tenho como confirmar.Sou obrigado a acreditar que a empresa tem equipamentos e programas perfeitos ? Outro assunto, diz respeito aos serviços de transferência e Atendimento simultâneo.Fiz a opção de atendimento simultâneo e transferência de chamadas quando a empresa ainda era a saudosa Telesp, e pago por cada um dos serviços R$ 1,10, ou seja pago por esses serviços R$ 2,20. A Telefonica está fazendo propaganda na TV, no site e no Call Center sobre o serviço "Kit to aqui da telefônica", em que o usuário paga pelos serviços de atendimento simultâneo e Transferência o valor de R$ 4,90.Por que para a telesp era um valor e para telefônica é outro ? Acho que existe algo errado nessa história.Gostaria de um posicionamento a respeito".

Uma vizinha diz que "é ABSURDO A QUANTIDADE DE VEÍCULOS ROUBADOS NESSA RUA !! SE NAUM SAO OS VEÍCULOS, SAO APARELHOS DE SOM E ASSALTOS. VALE A PENA LEMBRAR QUE O FATO VEM OCORRENDO A UNS 3 MESES, ANTES DESSA EPOCA A RUA ERA TRANQUILA E NAUM SE OUVIA FALAR DE ASSLTOS OU FURTOS.O 190, SERVIÇO POLICIAL JA FOI CONTATADO MUITAS VEZES, O PROBLEMA E QUE NAO VEM SENDO RESOLVIDO, ESPERAMOS ATITUDE".

C.A está "NOVAMENTE ARGUMENTANDO SOBRE AS FAVELAS DA ESPRAIADA. SE JÁ APROVADA A RESPEITO DE OBRAS DE CONTINUAÇÃO DA Av. Luiz Carlos Berrini e Chucri Zaidan até a Av. João Dias, QUANDO ESTÁ PREVISTA, AS FAVELAS SERÃO TOTALMENTE DESAPROPRIADAS? E QUANTO AOS IMÓVEIS PRÓXIMOS RECEBERÃO O DEVIDO VALOR EQUIVALENTE DO IMÓVEL E QUE ZONA MAIS OU MENOS SERÃO DESAPROPRIADAS, POIS MORO EM UMA RUA PARALELA A ESPRAIADA E ESTA INFORMAÇÃO NÃO ESTÁ SENDO DIVULGADA. COMO SABEREMOS?
AGRADEÇO ANTECIPADAMENTE".

José R. queixa-se que "A RUA URUSSUI ESTA UM LIXO. A PREFEITURA COLOCOU O PONTO FINAL DO ONIBUS PIRAJUCARA E ESTA CAUSANDO SERIOS PREJUIZOS AOS MORADORES. ALEM DO MAIS AMBULANTES ESTAO NO LOCAL. NAO CONSEGUIMOS MAIS DORMIR FACE AO BARULHO INSUPORTAVEL DOS ONIBUS BEM EM FRENTE A NOSSA JANELA. GOSTARIA DE PROVIDENCIAS PARA TIRAR O PONTO DO LOCAL, POIS EXISTEM OUTRAS ALTERNATIVAS". 
Nota da redação: a queixa foi retransmitida à Sra. Shirley, do GARTT da AR/Pi, que comprometeu-se a apresenta-la formalmente perante o SPTrans.

LIZARDO A.F. queixa-se do "PONTO DE ÔNIBUS - PARADA FINAL - VIAÇÃO PIRAJUÇARA - RUA URUSSÚI ESQUINA COM LEOPOLDO COUTO MAGALHÃES (Itaim Bibi). Eu e muitos moradores da Rua Uussuí, não suportamos mais o ponto de ônibus - final. da viação Pirajuçara que ali foi colocado de forma irresponsável pela Prefeitura. Os ônibus ocupam 50% da via dupla, além do barulho a menos de 20 metros de nossas janelas dutrante toda madrugada até às 24:00 horas. Tem hora que existem mais de 4 ônibus parados e todo ligados. Não conseguimos mais dormir. Além disso foram para o local vendedores âmbulantes e churrasco. Esse pedaço está um inferno. POR FAVOR, NOS AJUDEM. CONFIRAM PARA VER QUE A SITUAÇÃO É INSUPORTÁVEL.
SOCORROOOOOOOOOOOOOOOOO!
Nota da redação: a queixa foi retransmitida à Sra. Shirley, do GARTT da AR/Pi, que comprometeu-se a apresenta-la formalmente perante o SPTrans. O Dr. Lizardo foi convidado pela produção do site a participar na reunião mensal do conselho comunitário de segurança (CONSEG) do Itaim, em 19 de setembro de 2002, onde pôde expor pessoalmente sua queixa à Subprefeita de Pinheiros e as mais altas autoridades policiais da região.
M.R.V. queixa-se da "INTOLERÁVEL poluição sonora diária, inclusive (e principalmente) aos sábados, domingos e feriados, causada pela manutenção de turbinas das aeronaves nas oficinas do aeroporto de Congonhas.  É impossível descansar nos finais de semana e feriados, pois somos acordados violentamente a partir das 6 horas da manhã, ao som das turbinas que invadem nossos sonhos, e que fazem tremular nossas janelas. Já aguentamos o trânsito e os riscos causados pela presença do aeroporto nesta zona de alta concentração populacional. Mas aguentar MANUTENÇÃO DE TURBINAS no quintal de nossas casas, cujo barulho infernal assusta nossas crianças, aumenta nosso estresse, roubando de nós o direito de ter sossego e descanso, e nos levando à SURDEZ, JÁ É DEMAIS. Estas manutenções devem ser feitas em CUMBICA, ou outra área de baixa concentração populacional, e não DENTRO DE NOSSAS CASAS. Uma turbina de avião emite vibração sonora de 125 decibéis. O máximo de vibração sonora externa permitido nesta zona é 55 decibéis. Se medirmos os decibéis dentro de nossas casas durante esta manutenção, ficará evidente A TORTURA SONORA que todos nós estamos sofrendo, 7 dias por semana, desde as 6:00hs da manhã. O que está sendo feito pela nossa comunidade e autoridades, para DAR UM BASTA FINAL a este abuso? Isto é caso de saúde pública e bem estar social. Não podemos ficar em nossas casas. Nossa capacidade auditiva está sendo afetada. Cadê a nossa Prefeita e o nosso Governador? Será que devemos alojá-los por um final de semana neste bairro, para que eles entendam o problema? Por favor, entrem em contato, pois esta TORTURA necessita ter um fim urgente."

Luciano da Veiga Nunes queixa-se que "há uns meses atrás surgiu um enorme buraco na esquina de minha casa (R Texas, 1199). Depois de demorar mais de 3 meses para vir arrumar , a Prefeitura veio e consertou o buraco. Mas esqueceu-se de asfaltar um trecho bem próximo à esquina, que agora começa a se transformar num novo buraco. Enquanto esta esquina está sem asfalto, a vaga de um comerciante que tem seu comercio logo mais à frente foi asfaltada com o nosso dinheiro, deixando seu estabelecimento mais bonito e nossas ruas com mais buracos.  Parabens à Prefeitura que mandou resolverem os problemas e parabéns tbem aos funcionários da Regional que levaram uma graninha para fazer esse servi$$inho extra com o nosso dinheiro...

Yvone Gelape Bambirra nos envia cópia de um e-mail enviado ao jornal O Estado de São Paulo, cujo título é "A Ameaça das antenas": Enquanto os munícipes reclamam em geral contra o lixo e outros problemas mais visíveis algo ameaçador se instala no silêncio dos domingos e feriados. Quando menos se espera, na surdina e à revelia de todos...eis que surgem, adjacentes às nossas casas, torres de transmissão/recepção celular/microondas de firmas multinacionais (TIM me parece) condenadas em vários países da Europa como difusoras de radiações prejudiciais aos seres humanos.
No meu caso a antena surgiu em pleno domingo de Páscoa na altura do número 258 da Rua Diogo de Quadros, bem no meio de um quintal e tornou-se nossa nova "vizinha" sem maiores perguntas ou explicações. De uma hora para outra vimos o horizonte dos quintais adjacentes mudarem com a introdução do novo "trambolho". Se "faz" bem ou se "faz" mal parece que ninguém se atreve a dizer, mas que polui pelo menos visualmente...polui! A empresa responsável pelo menos poderia tentar me convencer e não impor a sua vontade com tanta arrogância.
Por isso apelo ao ESTADÃO, a voz e a vez dos que se sentem sufocados por esses verdadeiros ultrajes à nossa soberania - que algo seja feito antes que seja tarde contra a instalação desses aparatos. Afinal, o direito de uns termina onde começa o dos outros.

Com relação à queixa da srta Katia, publicada na seção BRONCA deste site,  ref. crescimento de  roubos e assaltos na  Rua Indiana, entre as ruas Conde de Monte Alegre e Guaraiúva, Luis Duraes, presidente do Conselho Comunitário Comunitário (CONSEG) Moncoes, informa "que já tomamos ciência do fato e encaminhamos ao comandante da 4a.Cia uma mensagem solicitando uma atenção especial para aquele local. Iremos acompanhar as ações da Policia na região e registraremos ,via este site, os resultados obtidos. Agradecemos `a srta.Katia pela informação prestada pois a participação da comunidade e´ fundamental para vencermos esta guerra contra o crime. Lembramos ainda que a população pode efetuar suas denuncias, de forma anônima e com garantia de sigilo absoluto, através do telefone 0800-156315 (DISQUE-DENUNCIA)."

Júnior está "desanimando em morar no Campo Belo (Constantino de Souza esquina Vieira de Moraes) pois tive o azar de estar na frete de um Bar bem simples (Norman) que quase o dia inteiro no karaokê, num volume alto com aquele monte de vagabundos que gritam sem parar. Para quem aproveita sua residência, como eu, para efetuar tarefas de Desenvolvimento/Customização de programas SGBD Progress e Linguagem C/C++, fica numa situação constrangedora, pois nada adianta tentar entrar em contato com os responsáveis do Bar, sempre a mesma desculpa imbecil. Vocês tem alguma sugestão?"

Ivani V.S. queixa-se: "Moro em Rua extritamente residencial há 43 anos. Em frente ã Rua onde moro ( Analândia)- Alto da Mooca, instalou-se uma dessas Igrejas de Crentes, onde o barulho das musicas que mais parece escola de samba do que recolhimento, reza ou oraçoes, atravessa o escritório onde trabalhamos meu marido e eu.Não adianta fechar portas e janelas ( ESTOU PRISIONEIRA DENTRO DA MINHA PRÓPRIA CASA!!!!!!!) Necessito de SILÊNCIO para o trabalho, como meu marido tambem.Eu também pratico meus atos religiosos mas não perturbo ninguém.Respeito as outras religiões, porem o que não agüento é palhaçada, barulho, estou extremamente nervosa, com essas cantorias e palmas. Desejo que esta igreja saia deste local, urgente ou a prefeitura, ou sei lá quem tome as devidas providências.Aguardo retorno. Grata, Ivani."
Resposta da redação: Seu e-mail foi retransmitido (preservando sua identidade) ao Ver. Carlos Apolinário,  autor do nefasto projeto de Lei, aprovado por Dona Marta, que incentiva este tipo de abusos. Leia a reportagem que publicamos em 19 de setembro de 2001:
http://www.sampaonline.com.br/noticias/votacao2001set18apolinario.htm
Veremos se o digníssimo vereador responde. Acreditamos que a única alternativa seja entrar na Justiça contra danos morais e materiais; neste caso, sugerimos contatar um advogado.

FavelaFritz M. diz: "Sou morador do Brooklin e gostaria de saber a quem devo me dirigir no intuito de informar as autoridades competentes sobre uma nova comunidade (favela) que está se formando na Av. Água Espraiada, sentido W. Luis para Marginal, logo após o viaduto sob a Vereador José Diniz. Já tem uns 3 ou 4 barracos de madeira e se não fizerem algo rapidamente, em breve teremos mais uma favela por aqui".
Nota da redação: aconselhamos o vizinho foi a entrar em contato com a Regional de Santo Amaro.

Um vizinho queixa-se que "No dia 11/04 circulei por essa região (Rua Flórida Esquina com Avenida das Nações Unidas (marginal)) e encontrei um pessoal fazendo a limpeza da área. Perguntei se haviam sido contratados pela prefeitura, mas responderam que a Basf, dona do terreno ao lado da BCP, que havia ordenado a limpeza da área. Disse-lhe que estava querendo descobrir quem jogava o entulho por lá. Para minha surpresa, eles me mostraram vários cartazes da empresa BCP (cartazes para venda de aparelhos celulares). Levantaram ainda a suspeita de que a empresa que realizava toda aquela sujeira. Perguntei, uma vez, ao funcionário externo da BCP (há uma guarita voltada para a marginal) se ele saberia quem estava jogando aquela sujeira por lá, mas ele respondeu que não havia visto. Estranhei essa situação e acabei ficando desconfiado da empresa, pela sujeira da via pública. Espero que isso não seja confirmado, e que logo seja construído um prédio naquele terreno, para que evite-se futuras sujeiradas. Vou ficar de olho nesse local".
Nota da redação: A responsabilidade pela limpeza é do dono do terreno; a Prefeitura, sem mandado judicial, não pode entrar. Entretanto, cabe à Prefeitura fiscalizar a limpeza do local e intimar o dono a manter as condições apropriadas de higiene.
Terreno Florida x Marginal Terreno Florida x Marginal

Kátia A. queixa-se que " Na Rua Indiana, entre as ruas Conde de Monte Alegre e Guaraiúva tem crescido assustadoramente o número de roubos e assaltos aos veículos dos moradores. Como somos duas pessoas cada uma com 1 carro e o prédio só dispõe de 1 vaga por apartamento, um carro sempre tem que "dormir" na rua, aumentando a possibilidade de alguma ocorrência.
O que agrava essa situação é que há pouco menos de 1 ano, uma das casas da rua abaixo do nº 1153 que se transformou em algum tipo de curso, digo algum tipo pois não existe placa, nem faixa nem nenhuma identificação de estabelecimento neste local. Pois bem de 3ªs a 5ªs muitos carros chegam para este "curso" estacionando em toda a área que anteriormente era utilizada pelos moradores que agora tem que estacionar muito longe dos prédios, fora do alcance dos porteiros.
Numa tentativa de entender o que era aquilo, um rapaz que sempre está na porta, me encarou e me afastou do local.
O que pode ser feito? Alguém tem conhecimento deste local?"
Resposta da redação: Retransmitimos a queixa da vizinha ao Sr. Luis Durães, presidente do Conselho Comunitário de Segurança (CONSEG) do Brooklin, que efetue a reivindicação perante o Cap. Madia, comandante da Polícia Militar na Região.

O vizinho Pasquale queixa-se: "Bom dia,,,  Peço encarecidamente um contato c/ alguma pessoa que faça parte da associação amigos do bairro do jardim marajoara, ou mesmo p/ vocês que possam comparecer a minha rua e ver o estado em que se encontra a mesma, existe uma série de problemas que precisam ser solucionados...se eu tiver que relaciona-los é muito extenso, então a principio a melhor solução seria ir alguém p/ verificar o que se passa na rua...meu endereço é RUA PROFESSOR DJALMA BENTO ,319 PROXIMO AO EXTRA DA AVENIDA INTERLAGOS...pois a prefeitura precisa tapar os buracos,,, carros estacionados em local proibido  e os onibus escolares (magister, costa braga, adventista, são sabas)não consegue passar na rua e sobem a calçada quebrando o piso das residência em virtude da colocação de uma guarita de pedestre na minha rua do condominio portal do brooklin,, desde já obrigado, fico no aguardo para maiores esclarecimentos....."
Resposta da redação: O e-mail do vizinho foi transmitido ao Presidente e ao Secretário da SAJM (Sociedade Amigos do Jardim Marajoara).

Praça Mario Rossini Um vizinho queixa-se: "Solicitei através do PRODAM a limpeza da praça Mario Rossini (localizada na rua Sao Nazario). Os garis passam durante a semana, mas lixo "nao natural" - caixas, pratos plásticos - permanecem intocados. A solicitação foi INDEFERIDA. Verifiquem: site http://sac.prodam.sp.gov.br/SolicitacaoConsultaSolNum2.asp  numero da solicitação: 1367003"
Resposta da redação: conversamos con o Eng. Rapiu, da SSP/AR-SA, que nos informou que o que foi indeferido foi o SAC, não o serviço, devido à solicitação ter sido efetuada previamente via fax talvez por outro vizinho. Comentando o caso, o Eng. Rapiu comprometeu-se a incluir a limpeza da praça dentro da programação da AR-SA.
Resposta da vizinha: OBRIGADA!! Hoje ao sair de casa às 7h da manhã já havia um caminhão com equipe de limpeza em frente à praça! Voltei para casa, eu e outro vizinho acompanhamos por uns minutos o trabalho deles e, a que parece, teremos nossa praça limpa até o horário do almoço!!
Aliás, eles aproveitaram e estão agitando a região. Vi um pessoal também limpando o mato horroroso de um terreno (que pertence a quem??) próximo às
esquinas das ruas Vigário João de Pontes e visconde de Porto Seguro. O mato está altíssimo, e invadindo a rua. (Este trecho, aliás, possui terrenos vazios em ambos os lados, um deles ao que consta está virando um condomínio horizontal - e cheguei a ler no site algo sobre vcs serem contrários a implantação deste condomínio, pois o terreno possui espécies variadas).
Meu vizinho questionou sobre qual era o procedimento da Prefeitura sobre limpeza de praças (se havia programações, etc)e a resposta foi. "Não há procedimento. É na base da bronca mesmo". Vcs não poderiam ter escolhido melhor nome para a seção...
Obrigada pela praça. Em meu nome e dos vizinhos... Obrigada, obrigada. Aguarde mais mensagens, ok? Parabéns pelo trabalho!! Vou ver como posso colaborar com o site, ok?
Resposta da redação: "cheguei a ler no site algo sobre vcs serem contrários a implantação deste condomínio". O que a vizinha deve ter lido é a reportagem que divulga a posição da SABABV (Sociedade dos Amigos do Bairro do Alto da Boa Vista), que não é necessariamente a posição do site.

Uma vizinha queixa-se que "No final da rua Lindolfo Gomes há uma praça, onde a qualquer hora do dia ou da noite há pessoas fumando maconha como se fosse um cigarro comum, sem se incomodarem em serem vistas. Além do mais, durante a noite não há iluminação o que torna o local ainda mais perigoso. Gostaria que se possível a mesma fosse iluminada e que aumentasse o policiamento no local, pois não podemos continuar com mais esse incômodo na porta de nossas casas".
Resposta da redação: Retransmitiremos sua solicitação ao Conselho Comunitário de Segurança (CONSEG) de Santo Amaro para que efetue a reivindicação perante o Cap. Djalma, comandante da Polícia Militar na Região.

Uma vizinha queixa-se que na rua Duarte Coelho Pereira há "uma praça, onde o mato está alto e ninguém da Regional de Campo Limpo toma providências nós moradores já ligamos solicitando várias vezes a possibilidade deles irem cortar aquele mato, mas até agora nada. O pior que o Colégio que fica em frente o Deputado João Sussumu Hirata, vira e mexe jogam lixo nesta praça o que achamos um absurdo. Em tempos de epidemia de Dengue temos que se ver com este descaso da Prefeitura, fora a proliferação de ratos que está entrando em nossas casas. No aguardo de uma resposta. Obrigada."

PBL diz que a Rua Visconde de Castro "possui mão única em sentido contrário à R. Conde de Porto Alegre, só que muitos carros fazem a contramão para cortar caminho e atravessar a Av. dos Bandeirantes mais rápido. De vez em quando ( Beeeem de vez em quando! ) fica um guarda na esquina mandando os motoristas fazerem a volta. O pessoal da rua a um tempo atrás tentou fechar a rua, fechar de um lado, do lado da Conde de Porto Alegre, só que a Prefeitura no momento não concordou, pois era uma área de escape caso ocorra problemas na Bandeirantes. Mas como vocês tem influência com a Prefeitura e tal, gostaria de saber, se poderia fechar a rua, com aqueles negócios tipo cones, que desse para ser removidos, e quem quisesse entrar na rua ( os moradores dela ) entrassem pela contramão ( que não seria mais contramão ) evitando assim mais carros na Conde de Porto Alegre!"

Pedro reclama: "É um absurdo isto! Eu reclamei a um tempo sobre o entulho que enchia esta rua! A prefeitura limpou e dois dias depois já tem entulho de novo! O que adianta reclamar? Essa Prefeitura uma porcaria!"
Comentário da redação: Não é a Prefeitura que joga lixo no local. Mas se a Prefeitura exercesse seu papel fiscalizador, com certeza o problema não existiria nestas proporções.

PBL queixa-se "tanto na R. Conde de Porto Alegre quanto na Al. dos Nhambiquaras ( já em Moema ), que são dois cruzamentos da Av. dos Bandeirantes, não possuem faixas para os carros, então muitos ficam no meio da faixa, ocupando o espaço de 2 carros em vez de um, mas até aí tudo bem. Só que em horário de trânsito fica um inferno! Se pintassem as faixas ajudaria, e muito, na rapidez do trânsito!"
Comentário da redação: Fomos informados que a Av. dos Bandeirantes será recapeada, motivo pelo qual não está sendo efetuada a manutenção da pintura do solo. 

PBL queixa-se que no cruzamento das ruas Antônio de Macedo Soares e Domingo Lopes "há um horrível buraco que a Prefeitura conserta de vez em quando, mas faz daquele jeito que com uma chuvinha qualquer abre novamente um buraco! É só fazer como em muitos locais, concretizar e fazer a valeta direitinho, mas parece que a Prefeitura prefere fazer várias vezes do jeito mais esculachado".

Antônio Comparato PBL queixa-se que a rua Antônio Comparato "está totalmente cheia de entulhos ( pedras, vidro quebrado, comida estragada, ropa rasgada e muito lixo)! É um horror, pois não tem nenhuma colaboração por parte de niguém, tanto da Prefeitura que deveria fazer a limpeza sempre quanto das pessoas que jogam o lixo lá! Esses dias eu vi um homem parar o carro e despejar sacos e sacos de entulho de construção! Isso é uma vergonha! Queria saber o que a Prefeitura poderia fazer para reverter esta situação!"

Uma vizinha queixa-se que na Av. Dona Belmira Marin 2147 "foi aberta uma pizzaria que funciona de segunda-feira à quinta-feira das 8:00 às 2:00 horas e de sexta-feira à domingo das 8:00 às 04:00 horas da manhã com música ao vivo. O local não foi adaptado para ter música nem ao vivo nem disco, todo som vaza para as nossas residências, fazendo com que se possa dormir apenas após o fechamento da "pizzaria". Já foi conversado com o proprietário do local que não conseguimos dormir por causa do barulho, porém ele não demonstrou nenhum interesse em resolver o problema. É impossível ir dormir as 02:30 ou 04:30 da manhã e levantar as cinco para trabalhar. Meu marido é o maior prejudicado, pois trabalha também aos sábados e domingos. Gostaria, (pelo amor de Deus) que nos ajudassem, também estou fazendo tratramento de uma inflamação no cérebro e não posso ficar nervosa, pois começo a ter novamente dores de cabeça que me levam ao hospital. Eles não respeitaram nem a sexta-feira santa. Por favor precisamos de ajuda o mais rápido possível. A "pizzaria"fica no Grajaú, em frente à um posto policial, porém isto não ajuda em nada".

A.R. queixa-se dos perueiros na Rua Darwin: "Gostaria de frisar a queixa de uma vizinha sobre: se é permitido perueiros trafegarem pelas ruas Darwin, Padre José de Anchieta, Conde de Itu e imediações. Isso tem sido cada vez mais freqüente, além dos mesmos não respeitarem o limite de velocidade ainda causam verdadeiro tumulto quando decidem estacionar na rua Darwin, próximo a padaria Santa Clara. Sem contar nos dias de trânsito, onde os mesmos, na tentativa de cortar caminho, entram pelas travessas da rua Darwin na maior velocidade e atormentam os moradores com buzinas. Vale ressaltar que o bairro é residencial, onde crianças brincam pelas ruas. Gostaria de saber a quem compete a fiscalização, já que o telefone 158 é impossível de se ligar".
Resposta da redação: a resposta do SPTRans está na reportagem publicada em http://www.sampaonline.com.br/reportagens/sptrans2002mar20sababv.htm

Rosana Rosa de Oliveira queixa-se de "Excesso de trânsito na região de Interlagos até chegar à Nações Unidas: O trânsito piorou nos últimos meses, estamos levando cerca de 30 minutos no mínimo da Cid. Dutra /Av. Jangadeiro ou Teotônio Vilela até a Ponte de Interlagos, mesmo depois as alterações feitas na Av. Interlagos (perto do autódromo). Imagino que mais alguma coisa deve ser feita em relação ao transporte público na região, mesmo porque o trem na linha Jurubatuba/Varginha não está mais funcionando e isso contribui para aumentar o nº de carros e ônibus nas ruas, pois ao invés do trem, agora existe mais uma nova linha de ônibus atendendo num padrão ruim. Gostaria que alguma atenção fosse dada para melhorar o transito na região".
Resposta da redação: Leia http://www.sampaonline.com.br/reportagens/cet2002mar26robertkennedy.htm

Meu nome é Sheila Vieira e trabalho em uma empresa do bairro Cushman & Wakefield Semco. Já fiz algumas pequenas compras na Print Center aqui do Jardim Marajoara através de meu moto-boy. Hoje, 20/03/2002 liguei para saber sobre o preço de um caderno e fui muito mal atendida. Ouvi da pessoa três coisas que não deveria fazer parte de um atendimento a cliente. 1º que não sabia o preço 2º que estava lá na frente da loja e que não dava para pegar. 3º estava em atendimento e bateu
 o telefone. Espero que vocês entrem em contato com o estabelecimento pois a indicação foi péssima
Resposta da redação: Lamentamos profundamente o ocorrido. Mas note que a referência a estabelecimentos na seção Comércios e Serviços é, essencialmente, um serviço de utilidade pública, informando à comunidade onde encontrar aquilo que procura, e não uma recomendação da produção do site quanto à qualidade dos serviços prestados. Mas há um mecanismo, no site, para relatar insatisfações: a seção Bronca. Caso a senhora autorize, publicaremos sua queixa naquela seção, além de envia-la ao estabelecimento para seu conhecimento e possível defesa.
Resposta da vizinha: Muito Obrigada pela  atenção. Autorizo a publicação na seção,  para que outros clientes não sejam tão mal atendidos, afinal quando alguém se propõem abrir um estabelecimento deve se identificar e saber que as pessoas que o procuram necessitam de um atendimento adequado.

Um vizinho queixa-se: "O Campo Belo está totalmente largado pela Administração Regional de Santo Amaro. Há faixas e banner, já denunciados há mais de um mês, que continuam no mesmo lugar, confirmando a esses anunciante que vale a pena se utilizar de propaganda irregular. Os postes estão forrados de cima a baixo com placas de "vendo apto.". Todos os dias, pode se ver rapazes com escadas colocando mais. Pergunto: onde está a Operação Belezura, carro chefe da campanha da Prefeita? Gostaria de ver um mutirão da prefeitura no bairro fazendo uma limpeza nisso e autuando essas pessoas."
Comentário da redação: Seguem registros fotográficos que comprovam a queixa do vizinho.

Marcia A. repassa "o e-mail enviado a CET no dia 14-12-2001 sobre as condições de transito nos bairros Capela do Socorro e Veleiros, após a implantação da faixa exclusiva para ônibus e a resposta evasiva enviada pelo Sr.Olimpio Mendes de Barros.
Sugiro que as modificações feitas nos bairros de Socorro e Veleiros sejam reavaliadas, pois, após a implantação da via exclusiva para ônibus na av.R.Kennedy, inversão das mãos das ruas dos bairros e fechamento de alguns acessos, o transito da manhã e da tarde está simplesmente CAÓTICO.
O trajeto de Veleiros a Socorro que era feito em cinco minutos, atualmente leva mais de VINTE  e o mais revoltante é estar em um congestionamento monstruoso, que ocupa as DUAS pistas da Av. Robert Kennedy, destinadas aos automóveis, e ver a pista exclusiva de ônibus completamente vazia com guardas nervosos e despreparados tentando controlar a revolta dos motoristas.
As ruas ficaram mal sinalizadas em termos de placas e os milhares de guardas em cada esquina para orientar os motoristas, estão mais perdidos que nós. As placas indicam que você vai de nenhum lugar para lugar nenhum. Simplesmente acabaram com nosso bairro. Espero que a situação possa ser revista, pois se não podemos melhorar,não devemos piorar.
Resposta da CET: Informamos que, visando a melhoria do transporte coletivo da região sul do município, em 12/12/01 foi inaugurada faixa exclusiva de ônibus na Av.Robert Kennedy, a qual funciona nas faixas da direita da referida avenida somente durante os horários de pico do transporte coletivo: das 05h00 às 08h00 no sentido B/C e das 16h00 as 20h00 no sentido contrário. Especificamos no tocante à quantidade de ônibus  salientamos que a SPTRans duplicou o número de ônibus que utilizam a via, através do remanejamento de linhas, possibilitando uma melhor distribuição dos ônibus na região, trazendo melhorias também à Av. Senador Teotônio Vilela em seu trecho mais estreito.Por fim esclarecemos que o projeto encontra-se em fase de avaliação e ajustes necessários devidos às alterações físicas e de circulação e aos novos equipamentos semafóricos implantados nessa fase.
Novo e-mail enviado à CET em 1414-02-2002 (dois meses depois) sem resposta
Grata pelas informações fornecidas. Já se passaram mais de dois meses da implantação da faixa exclusiva de ônibus e o congestionamento nas imediações da Av. Robert Kennedy continua muito pior do que antes desta  implantação. A impressão que temos é que a faixa é mais utilizada por peruas de lotação do que por ônibus, que mesmo após a duplicação feita pela SPTRANS não têm ocupação significativa para a via enquanto os automóveis, em número muito maior ficam confinados em 2 faixas, acarretando congestionamentos cada vez pior. Com o final do período de  férias, a situação piorou muito e mesmo saindo cada vez mais cedo de casa, estou chegando atrasada no trabalho todos os dias. Sabedores de que toda inovação requer um período de experiência e ajustes posteriores, gostaríamos de saber quais medidas estão sendo programadas para solucionar a situação. Pode ser que tenha trazido melhorias para o transporte coletivo da Av. Teotonio Vilela, porém, para os motoristas que utilizam a Av. Robert Kennedy e imediações, a situação continua  cada vez mais crítica.
Novo e-mail enviado ao Sr. Olimpio em 15-02 sem resposta
Não sei se o Sr. recebe diariamente informações das condições do transito na região  em questão (travessia entre os bairros Veleiros e Socorro), mas gostaria de comunicar-lhe que hoje demoramos mais de 30 minutos para chegar da Rua Juan Esper (Veleiros)  até o bairro Capela do Socorro.  Este trajeto era feito em 10 minutos antes das modificações implantadas.
A situação foi tão caótica que os guardas começaram a mandar os automóveis seguirem pela faixa de ônibus.
Acontece que ontem, no mesmo horário, havia um guarda na Av. Robert Kennedy próximo a Rua Mar del Plata, multando os carros que seguiam pela faixa exclusiva de ônibus e hoje os guardas mandavam seguir. Isto causa ainda mais confusão para os motoristas, pois um dia não podemos ir pela faixa de ônibus para não sermos multados e outro dia podemos.
A regra tem que ser uma só.
Apelo para seu bom senso, pois a situação de nosso bairro no horário de pico  está desesperadora.
HOJE, 22-03-2002, AS CONDIÇÕES DE TRANSITO NOS HORÁRIOS DE PICOS ESTÃO CADA VEZ PIOR, E ALÉM DE TUDO, AS SEXTAS-FEIRAS, EXISTE UMA FEIRA LIVRE NA RUA DOS INOCENTES, QUE É UM DOS ÚNICOS ACESSOS DE VELEIROS PARA CAPELA DO SOCORRO.
Resposta da redação: Leia http://www.sampaonline.com.br/reportagens/cet2002mar26robertkennedy.htm

Adriana G.D.L. queixa-se que "Na Rua Viterbo existe um buraco vertical, de lado a lado da Rua com profundidade capaz de acabar com a suspensão de qualquer veículo, sendo possível ainda ocorrer acidentes com pedestres e ciclistas. Há muito tempo que o buraco encontra-se neste local e nunca as pessoas responsáveis apareceram para cobri-lo, não sei se outras pessoas já registraram essa queixa mas quero que fique bem claro que as taxas pagas para ao Município se não me engano servem para estes serviços, ou não? Que por sua vez não são realizados. Vale salientar, que não só na Rua Viterbo tem buraco, pois na Rua que segue (Rua José Francisco de Freitas) existem buracos em círculo e vertical, parece-me que a Administração Pública não está nem um pouco preocupada com os problemas que ocorrem nos bairros, mas quando chega o momento de cobrar taxas, impostos, contribuições, etc. é a primeira a chegar, Ah! e se houver atrasos também é a primeira a cobrar, portanto o mínimo que se pode fazer é cobrir os buracos das ruas citadas acima. Ressalto, ainda que há uma árvore enorme entrando na casa da minha vizinha (na Rua Viterbo, esquina com Rua José Francisco de Freitas altura do nº 14) que deveria ser podada antes que o pior aconteça, qual seja os galhos se envolvam nos fios elétricos. Outro problema na minha Rua é que ela nunca foi varrida...em todos os anos que resido nesta Rua além de buracos e lixo, nunca vi um Gari limpando-a, os cantos das guias vivem cheios de folhas, matos, lixos etc.
Enfim, acredito que estes sejam problemas fáceis e rápido de se resolver, portanto aguardo retorno de V.Sas., ressaltando que este mesmo e-mail estará sendo enviado com cópia para a Prefeitura Municipal, a fim de que eles também fiquem sabendo dos absurdos que acontecem nos bairros (não que eles nunca souberam e sempre ficaram silentes sobre o assunto in tela).
Sem mais, no aguardo de um breve posicionamento, agradeço desde já a atenção dispensada".

Guillermo Cesar La Gatto queixa-se que rua Américo Brasiliense, defronte a SABESP, "múltiplas auto escolas treinam seus alunos neste trecho numa rua de grande movimento em determinados horários. Nos arredores á infinitos locais de pouca circulação onde poderiam se-dirigir, será que a prefeitura não poderia incidir neste caso??? Abraços,  e muito grato pelo espaço!!!"

Uma vizinha queixa-se do barulho dos caminhões de gás na Rua Faustino Rodrigues  (CEP 04829-250): "Está havendo um abuso por parte dos vendedores de gás,que transitam nesta rua o dia inteiro,inclusive sábados e domingos, sem dar sossego,com as suas musicas ensurdecedoras.Por haver concentração de moradias fazem verdadeiras disputas prá ver quem permanece mais na rua. Já reclamei no SAC,me retornaram dizendo que encaminharam para a Regional Capela do Socorro,órgão que deveria tomar providencias.E a lei que proibia este barulho da musica das companhias de gás? Agora qualquer cidadão que tem um caminhão velho, coloca botijões de gás e sai por aí com a musica a todo o volume. Estou me sentindo lesada como contribuinte e gostaria de saber se tem solução. Estou prestes a chamar a televisão.Se isto for mostrado,todos vão achar um absurdo o que acontece aquí.Será que a única solução vai ser fazer a trouxa e se mudar para lugar onde a administração trabalha em favor da população?"

Um vizinho do Brooklin queixa-se: "A princípio gostaria de agradecer o site por apresentar os problemas que acontecem em nosso bairro. Infelizmente nem todos os problemas são solucionados prontamente. Andei observando o veículo que estava abandonado na rua Guararapes, que por sinal já foi até recolhido. Infelizmente havia uma família morando nesse veículo, e me preocupo o final que tenha tido para eles. Andei observando também o gramado da esquina da rua Flórida com Sansão Alves: tudo foi cortado e está limpo. Porém, há um canteiro na esquina da rua Flórida com Avenida das Nações Unidas (marginal pinheiros) em que há muito entulho jogado. Preocupo-me com isso pois havia um pequeno volume que aumenta a cada dia, e incrível é que os funcionários externos da BCP não tem nenhuma informação a respeito de quem joga lixo lá. Isso pode tornar-se um canteiro real como aconteceu ha algum tempo no primeiro quarteirão da Avenida Água Espraida (contando da Chucri Zaidan). Há também um posto de gasolina em frente à estação de trem que funciona como estacionamento: gostaria de saber se o posto tem alvará para funcionar dessa maneira já que atrapalha o movimento naquela região. Já encontrei também guardadores de carro ali perto: policiais, que fazem tão bem seu serviço, por favor não deixem isso acontecer. Muito obrigado pela atenção que o site tenha dado a esses assuntos".

Uma vizinha queixa-se "contra um jornaleiro, chamado (omitido), que tem uma banca de jornais situada à rua ((omitido). O mesmo vende bebidas alcoólicas a menores de idade, a qualquer hora do dia".

Uma vizinha queixa-se "Gostaria de saber se é permitido perueiros trafegarem pelas ruas Darwin, Padre José de Anchieta, Conde de Itu e imediações. Isso tem sido cada vez mais frequente, além dos mesmos não respeitarem o limite de velocidade ainda causam verdadeiro tumulto quando decidem estacionar na rua Darwin, próximo a padaria Santa Clara. Sem contar nos dias de trânsito, onde os mesmos, na tentativa de cortar caminho, entram pelas travessas da rua Darwin na maior velocidade e atormentam os moradores com buzinas. Vale ressaltar que o bairro é residencial, onde crianças brincam pelas ruas. Gostaria de saber a quem compete a fiscalização, já que o telefone 158 é impossível de se ligar".

Wellington Rocha queixa-se de um poste da Eletropaulo  na Rua Frei Canisio  "com fissuras de 3,0 cm no sentido longitudial(+ ou - 4,0 m)  onde pode-se notar os ferros da estrutura interna já totalmente corroídos e com grandes possibilidades de "desabar" visto que ele sustenta 02(dois) pesados transformadores . Já encaminhamos solicitação de troca porém não fomos atendidos até esta data!!"

Luiz Ricardi queixa-se de sujeira na Av Nova Faria Lima esq. com a Rua Chilon: "Mata muito grande com garrafas e copos plasticos jogados em seu interior,criando mosquitos prejudiciais a saude publica,principalmente nesta epoca de DENGUE".

Um vizinho queixa-se: "A pergunta que não quer calar: O que significa uma faixa com os dizeres "Eu(coração)Campo Belo", ou seja "Eu Amo o Campo Belo", afixada em alguns pontos do bairro referenciado? Existem duas delas, uma na rua República do Iraque, esquina com a rua Gabriele D´Anunzio e outra na Otávio Tarqüínio, 908, esquina com a rua Conde de Porto Alegre.
Elas estão assinadas pela empresa Guaicurus armários e cozinhas, que fica na rua Antônio de Macedo Soares,1793 (tel.5042-2322). O mais estranho, é que a faixa diz que tem o apoio da Adm. Regional de Santo Amaro. Pergunto: A ARSA está apoiando o que? Que utilidade pública tem uma faixa escrita "Eu amo o Campo Belo"? Alíás, eu acho que quem ama o Campo Belo não coloca faixas, ajudando a poluir visualmente o bairro que já está tão cheio de faixas, banners e plaquinhas de corretores nos postes. Uma demonstração de amor ao Campo Belo seria ajudar a limpar essa imundice ou cuidar de uma praça, uma jardim e fazer uma projeto para acabar com as pixações".
Comentário da redação: Nem a Administração Regional de Santo Amaro, que concedeu a autorização, conseguiu nos explicar o objetivo do projeto.

faixa


Rodrigo F. M. queixa-se da poluição Visual: "Em varias oportunidades a Prefeitura tem enviado equipes de limpeza ao local que retiram faixas, pintam os postes, cortam a grama, etc. Sempre apos a limpeza retorna um sujeito portanto cartazes para cola-los nos postes, sujando tudo de novo. Nessa ultima quarta-feira, 06.03.02, por volta das 21:30, quando eu  me dirigia ao supermercado Pao de Açúcar na esquina da Joaquim Floriano com a São Gabriel, esse mesmo sujeito, acompanhado de um outro rapaz, estava colocando faixas de propaganda de um supletivo. Eu protestei contra aquele ato, já que eles não tinham autorização para espalhar aquela propaganda, dizendo que "iria chamar a policia". Em seguida, continuei me dirigindo ao Pão de Açúcar. Um dos sujeito me segui ate o supermercado me agredindo verbalmente, desfiando uma serie de palavrões e me ameaçando. Quando eu ja estava dentro do supermercado, apos ter respondido aos seus ataques verbais, o sujeito partiu para cima de mim e me agrediu fisicamente - e somente apos a agressão ter se consumado é que o segurança de plantão resolveu tomar uma atitude e retirar o sujeito do local. Já estou cansado de ver o pouco de limpeza que a Prefeitura promove ser prontamente destruído por essas propagandas irregulares. Chamar a policia não adianta, pois a alegação é sempre de que não é de competência deles. À noite, a Prefeitura também nunca faz nada, pois não ha quem acionar. E, ainda por cima, fui vitima de agressão física por ter reclamado. Acho que esta na hora de tomar uma atitude contra essa verdadeira industria de utilização indevida do espaço publico para propaganda de negócios de idoneidade duvidosa como compra de ouro e supletivos. Denunciei o caso à Prefeitura, queixa n. 1317435. Gostaria de contar com a ajuda dos demais moradores".

J. R. queixa-se que uma instituição bancária "tirou, por conta própria, R$70,00 da minha conta corrente e alegam que fui eu.No mesmo dia (31/01/02) que eles sacaram no cx. rápido ag.1595 eu estava no Shopping Ilha Plaza acessando minha conta e meu saldo era de R$10,01. Como tiraram esse dinheiro sem o meu cartão, já que o mesmo estava comigo sendo utilizado para acessar a conta e com saldo de R$10,01? E eu estava verificando a conta em outra cx.rápido!!. Como isso foi possível? Fiz essas perguntas. Estive por três vezes, pessoalmente, no banco expliquei o ocorrido, aguardava as respostas do banco, telefonava e eles diziam que estava no relatório então é porque fui eu. E que se fosse clonagem de cartão quem tirou teria zerado a conta.Estou desesperada e gostaria que me ajudassem ou melhor me orientassem em como devo proceder para reaver o meu dinheiro. Inclusive mandei e-mail para o Itaú e até 06/03 não me responderam".

Uma vizinha do Campo Belo queixa-se: " Temos observado a abertura de diversos barzinhos em área anteriormente só ocupada por residências, são eles o bar "Lasqueira" (R. Vicente LeporacexR Gabriele "D'Annunzio), Leporaces (Rua Vicente Leporace x Rua Edson) e "Cristovão" (Rua Cristovão Pereira x Rua Edson). Estes bares não oferecem estacionamento para os clientes, os mesmos param em lugares irregulares, atrapalhando a circulação na rotatória, e entrada nas garagens. Sem falar na ocupação das mesas em calçadas e o barulho, que atravessa a madrugada. Não há respeito algum pela lei do silêncio. Moramos em uma região nobre de SP, em geral temos um imóvel de valor alto, o qual trabalhamos muito para adquirí-lo, condomínio alto, e IPTU exorbitante, no entanto estamos sem sossego. O que podemos fazer para acionar a justiça, pois acho que eles estão irregulares. Não podemos deixar o nosso bairro se transformar em uma Moema. Abaixo aos barzinhos. Fora. Não os freqüentem, moradores do Campo Belo".

Arthur Farias queixa-se da casa da Av. Manoel dos Reis Araujo No 100: "Na casa do endereço acima existe uma piscina abandonada cheia de água parada e sem tratamento podendo funcionar como lugar para reprodução de mosquitos da dengue. Já tentei ligar inúmeras vezes para o Disque Dengue mas está sempre ocupado. Talvez a associação do bairro possa ajudar a resolver esse problema que certamente afeta a todos".

Um vizinho do Brooklin queixa-se: "Gostaria de informar que a Escola Anhembi Morumbi, utiliza do espaço público da Rua Nova York, através de cones, para "guardar" lugar de estacionamento das peruas escolares. Fato é que a Rua já é apertada e com os cones torna-se mais apertada ainda, dificultando o trânsito. Já reclamei à direção da escola que os retirou no ano passado, mas este ano voltaram os cones".

Um vizinho queixa-se: "O Campo Belo está totalmente largado pela Administração Regional de Santo Amaro. Há faixas e banner, já denunciados há mais de um mês, que continuam no mesmo lugar, confirmando a esses anunciante que vale a pena se utilizar de propaganda irregular. Os postes estão forrados de cima a baixo com placas de "vendo apto.". Todos os dias, pode se ver rapazes com escadas colocando mais. Pergunto: onde está a Operação Belezura, carro chefe da campanha da Prefeita? Gostaria de ver um mutirão da prefeitura no bairro fazendo uma limpeza nisso e autuando essas pessoas".

Mônica Vasquez queixa-se: "Já tem uma semana que estamos sem  a luz da rua (Av. Jurubatua esq. Roque Petrella), fica muito escuro, reclamamos com a Eletropaulo, que diz que este assunto é com a prefeitura, em fim, já estamos um tempos s/ luz, e isto prejudica à noite, que ficam alguns pessoas fazendo (xixi) nos portões e outras coisas, agradeceria uma pronta atenção".
Nota da redação: Luis Durães, presidente do Conselho Comunitário de Segurança (CONSEG) do Brooklin, prontificou-se a efetuar os trâmites necessários para resolver o problema.

Wilson Antônio Da Silva ( DJ Branca ) queixa-se: "Bom dia, sou morador do bairro Chacara Sto. Antônnio e entrei no site de vocês porque pesquisei na internet pois queria mais informações a respeito de obras de continuação da Av. Luiz Carlos Berrini e Chucri Zaidan até a Av. João Dias. Pois só hoje segunda-feira 25/02/2002 tomei conhecimento por intermédio de um amigo que é também proprietário de um ponto comercial(onde o imóvel alugado para esse ponto e mais vários imóveis comerciais e residênciais seriam desapropriados pela prefeitura e o pior no valor de venda basedo no IPU) na Rua Antônio das Chagas esquina com a Rua José Guera. Como informado por esse meu amigo Sergio Donwer, houve uma reunião no Centro de Exposições da Amcham(Camara Americana do Comércio), à Rua da Paz 1431 as 19:30 hrs. do dia 21/02/2002 Quinta-feira esta reunião foi promovida pela Ação Comunitária da Chacara Santo Antônio com o Sr. Horácio Calligaris Galvanese, Diretor de Desenvolvimento da EMURB - Empresa Municipal de Urbanização e Sr. Márcio Luiz Da Costa, Chefe de Gabinete do Adm. Regional de Santo Amaro - AR/SA para discutir esta continuação e também a Operação Urbana Água Espraida - Aprovada na Câmara Municipal de São Paulo no dia 28/12/2001. O meu problema é que resido na Rua Americo Brasiliense nº2.252 quase esquina com a Rua José Guerra, sou  vizinho do posto BR(parede germinada) e que pelo informado deverá sair pois as desapropriações seriam para todos os imóveis que estivessem dentro do perimetro de 10m a 12m ao lado esquerdo e direito da Rua josé Guerra isto contando a partir do meio fio(Guia da calçada). Bem cresci aqui, meu Pai ja recusou propostas muito boas para vender nossa casa e recusou e agoro pergunto somos obrigados a vender para prefeitura caso minha residência se enquadre no perimetro de desapropriações? O terreno de nossa residência mede 10mx25m e pelo valor do IPTU daria R$ 50.000,00 o que nossa familia faria com tal quantia ou seja temos um razoavel padrão de vida e moramos num excelente bairro e depois de todo o imposto pago, melhorias no imóvel e melhorias no bairro pois quando minha avó, meu pai e minha tia comprarão este terreno ele era uma lagoa e a maioria se não todas as ruas do bairro erão de terra e agora como ficamos vamos ter que morar de aluguel, piada isso"
Nosso colaborador, O Eng. CARLOS NUNES, responde: "Caro Wilson: Se o seu imóvel será atingido ou não somente a EMURB é quem pode informar pois somente ela (incrível mas é verdade) tem as plantas e não as repassou ainda para as AR/SA e AR/JA. Aconselharia visitar a EMURB para consulta. Quanto a desapropriação é um ato unilateral da Administração Municipal que o faz em nome da coletividade e assim, ache o Sr., justo ou não, se é necessário, sempre em benefício da comunidade, ela se dará. Quanto ao valor do imóvel, a base para que a Prefeitura se imita na posse (por ação de desapropriação direta e quem dá essa imissão é o Juiz de Vara da Fazenda Municipal) é o valor venal mas o Sr. receberá o correto valor (apurado em perícias de Engenheiro nomeado pelo Juiz) porém em alguns anos. Pode ser, e assim espero, que a EMURB realize as desapropriações pelo valor real, avaliado por peritos e neste caso, que é o justo, o Sr. receberá bem mais rápido. Quanto ao valor sentimental, esse nenhum critério matemático consegue avaliar e, tenho certeza, é ENORME.

Camila R.M. queixa-se do abandona do terreno na Rua Professor João Batista de Castro com a Av. Vicente Rao: 

1. Viemos, por meio de um abaixo assinado, solicitar a Adm. Regional de Santo Amaro providências para a limpeza do terreno de propriedade vizinha às casas situadas no lado par (140 a 250) da Rua Professor João Batista de Castro, no Bairro do Brooklin Paulista.

2. Os moradores da rua citada estão convivendo com sério problema de lixo acumulado, proliferação de roedores e de insetos, resultante das péssimas condições de higiene da propriedade vizinha.

3. A propriedade citada ocupa uma área de 6.100 m2, fazendo frente para a Av. Vicente Rao, para a Av. Washington Luiz, e para a Rua Prof. João Batista de Castro (a mais exposta, pela proximidade das moradias).

4. A solicitação foi protocolada no dia 21 de fevereiro de 2002 com o número 1280100, junto à Adm. Regional de Santo Amaro(NAP).

5. Em conseqüência dos fatos acima citados, os moradores pedem um apoio dessa Adm. Regional para debelar esse foco de doenças transmissíveis por roedores e insetos, para que não tenhamos que lamentar aos casos graves de saúde entre os mora dores da Rua Prof. João Batista de Castro.

Solicitamos o apoio de vocês para que possamos solucionar esse problema o mais rápido possível.

Uma vizinha queixa-se que na  Av.Da.Belmira Marim esquina com a Rua Rua São Caetano do Sul "Começou uma obra de Canalização de um Córrego, como sempre acontece a obra PAROU. Moro no Jardim Eliana e para passar esse trecho da obra fico aproximadamente 20 minutos. O transito no local está CAÓTICO. Antes ainda tinha guardas do DSV, para tentar controlar o engarrafamento, mas desde terça dia 19/02/02 que ninguém aparece. Espero receber uma resposta em breve sobre este caso, pois a milhares de pessoas como eu correndo o risco de ser demitido, pois chegamos atrasados todos os dias, isso porque já antecipamos nossas saidas para o trabalho e mesmo assim é cada dia pior".
Nota da redação: Devido à complexidade do problema, achamos melhor solicitar a intermediação de um Vereador. Foram oferecidas à vizinha três possibilidades, sendo que a vizinha preferiu a intermediação do Ver. Caruso (PMDB) que mora na região. A queixa foi retransmitida a um dos seus assessores, o Dr. Ricardo Reis.

BuracoUma vizinha queixa-se que na esquina das ruas Rafael Correia Sampaio e R Luis Bueno de Miranda "Existe um BURACO enorme na esquina e, nesta rua tem um movimento de carro muito grande, pois há uma escola bem próximo. Por favor me ajude".
Nota da redação: A queixa, junto com o registro fotográfico do problema, foi entregue à Dra. Julieta, presidente do Conselho Comunitário de Segurança de Campo Grande, na última reunião do órgão, no dia 28 de Fevereiro, na qual também encontrava-se um dos assessores da Administradora Regional.
No dia 21 de Março, quase um mês depois, ante a falta de resposta da Regional, entregamos a queixa e o SAC em mãos à Sra. Administradora Regional da Cidade Ademar. Também não adiantou.
Procuramos apoio, então, na Câmara Municipal, prévia autorização da vizinha.
Um vizinho do Brooklin queixa-se que "No final da Antonio Abrantes, prox.esp Bartolomeu Feio, nos fundos de uma lava-rapido todos os dias os carroceiros da região estão jogando lixo,entulho e pneus. Este programa era crônico na Rua Araçaiba e parece estar migrando para este local.Sera que a Regional Santo Amaro poderia auxiliar neste caso pois nossa preocupação com a epidemia de dengue e´ real e este pneus podem vir a ser um grande criadouro de mosquitos transmissores da doença. Grato pela ajuda deste site !"
Nota da redação: A queixa foi entregue ao Eng. Mauro, da Administração Regional de Santo Amaro.

Alex queixa-se dos taxistas do Campo Belo: "Acho um absurdo os taxistas lotarem nossas ruas, e principalmente próximo ao Aeroporto de Congonhas. Eles dirigem feitos loucos, param em fila dupla e estacionam fora do ponto, e ainda o cidadão paga zona azul, onde os cidadões vão colocar os carros, na cabeça da Marta do PT.
É amigos agora esses senhores estão traficando drogas, conforme foi vinculado na imprensa, que mostrou todo o esquema dessas pessoas, para não dizer outro adjetivo. Taxista folgado tem de sobra, agora tem taxista traficante.
Esse relatório foi feito com base na matéria publicada no Jornal do SBT do dia 20/02/2002, na emissora SBT.
Senhores policiais e guardas de trânsito, esses babacas tem que sofrer punição.
a-) E se um taxista traficante entrega essa droga para um parente e ou amigo seu?
b-) Se um taxista desse bate no seu carro, ou provoca um acidente, além do transtorno, você vai discutir com um cara drogado? Que vergonha, vamos puní-lo para que tenhamos pelo menos esse tipo de crime abolido ou diminuido, não vamos deixar este delito crescer como o seqüestro."

Uma vizinha queixa-se que "Na Rua Rafael Correia Sampaio esquina com a Rua José de Athayde Marcondes existe um pedaço da Rua com PARALEPIPEDO. Este paralepipedo é perigoso demais nos dias de chuva, pois há uma CRECHE bem próximo. OBRIGADA"
Nota da redação: Devido à complexidade do problema (recapeamento envolve liberação de verbas), achamos melhor solicitar a intermediação de um Vereador. Foram oferecidas à vizinha três possibilidades, de três partidos diferentes, sendo que a vizinha preferiu a intermediação do Ver. Caruso (PMDB) que mora na região. A queixa foi retransmitida a um dos seus assessores, o Dr. Ricardo Reis.

Daniela B queixa-se do estado das calçadas no Jardins: "Ha quatro anos  moradora dos Jardins e andando pelo bairro e principalmente pelo Avenida Paulista estou horrorizada que a situação para os pedestres piora ha medida que os anos passam e cada vez mais se torna inviável que nos pedestres caminhemos pelo bairro, tamanho o numero de buracos abertos e mal remendados.  Em dezembro tomei o maior tombo na Alameda Jau que me deixou prostrada ate hoje inclusive amanha vou ao fisioterapeuta novamente, mas seguramente nao sou a única pois todos com quem converso tem alguma historia para comentar a este respeito.  Acho um desaforo pois pagamos uma fabula de IPTU e o mínimo que poderia ser feito seria uma manutenção. O governo também não ajuda licitando A COMGAS e permitindo que ela faca barulho a noite toda e recapeie as ruas como ela bem entender (sem contar quando a  SABESP tem que vir, ai eh outra buracada so.) Em vez de fazer pontos de ônibus na Paulista porque nao se preocupam com pessoas da comunidade também que sao pedestres principalmente idosos e trabalhadores".
Nota da redação: A queixa foi entregue, em mãos, à assessoria de D. Beatriz Pardi, Administradora Regional de Pinheiros, na última reunião do Espaço Democrático.

Ricardo L.F. queixa-se da churrascaria Dinho's Place: "O restaurante está em reformas, e desde a madrugada de domingo para segunda os pedreiros estão utilizando uma máquina (creio que uma talhadeira) na calçada, enfrente ao restaurante, no horário entre a 01:00 hs á 07:00 hs.
Na madrugada de segunda para terça, às 01:30 fui até o local para pedir que o barulho fosse cessado, no qual fui prontamente atendido. Mas já as 07:00 hs da manhã o barulho ensurdecedor começou novamente.
Telefonei para o restaurante, falei com Sr. Cabral, e este informou que a reforma não seria mais realizada no perído noturno. No entanto, hoje às 05:30hs da manhã, esta máquina foi ligada novamente.
Gostaria que V.Sas. intervissem junto ao restaurante para que o problema fosse sanado. Pois é impossível dormir com o barulho que esta máquinha emite.
O que é preciso para que a lei do silêncio venha a ser respeitada/cumprida."
Nota da redação: Confirmamos, mediante contato telefônico com o vizinho, que o problema foi resolvido.

Para Felipe Zaballa, que mora no Brooklin Novo há quatro anos, "Nosso bairro está jogado às traças: Infelizmente tenho vislumbrado visões não muito boas de nosso bairro: a praça General Gentil Falcão, por exemplo, está com um gramado que atinge a cintura de muitas pessoas, deve estar próximo de um metro de altura. Existe um carro, sem motor e rodas, abandonado em frente a uma praça na altura do número mil, aproximadamente, da rua Guararapes. Do outro lado dessa praça há um igreja presbiteriana. Existe também uma faixa, da própria associação do bairro, avisando sobre uma festa que ocorreu em outubro do ano passado. Fora as reformas e construções que acontecem na avenida Chucri Zaidan, tanto da Globo como do Centro de Convenções que estão fazendo ao lado: não existe calçada e sequer há um cercamento com faixas (da CET ou do tipo) para que os pedestres possam circular com segurança, já que existe um ponto de ônibus no meio dessas duas construções. As pessoas caminham, literalmente, entre os carros, correndo risco de serem atropeladas pelos próprios ônibus que querem pegar. É um absurdo a forma como essa administração da prefeitura está tratando nosso bairro. O brooklin novo tornou-se um grande centro comercial e valoriza-se mais a cada dia. Não tenho dúvidas que seja o bairro que mais se paga imposto (iptu, além de outros), pois existem multinacionais funcionando por aqui e temos a "futura paulista" funcionando aqui, o que é muito caro. Porém, esse dinheiro não é retornado para a manutenção do bairro, que está fica mais feio e mais difícil de se viver nele. Já enfrentamos congestionamentos mostruosos nas Avenidas Padre Antônio, Berrini, Chucri Zaidan, e mesmo assim já temos camelôs com "pontos" em nosso bairro. Circulam muitos carros e ainda continua sendo muito difícil a travessia da praça Gentil Falcão com Avenida Berrini, pois não existe tempo para o pedestre atravessar. Agora, mais ainda, na rua Sansão (acesso da Marginal ao bairro) enfrenta um trânsito terrível e nos horários de pico (das 9 as 13 horas e das 16 as 20 horas) é impossível atravessar, tanto pedestre como os próprios veículos, quase sempre fechando a circulação devido aos microônibus que trafegam nessa área. Isso tudo sem falar na Avenida nova independência, entre a Guararapes e padre Antônio (e outras ruas), nas quais os carros estacionam como quiserem: em pontos de ônibus, em curvas, em faixas de pedestre, como querem, e ficam por lá o dia inteiro. Não há fiscalização dos marrozinhos e nem da polícia militar nesse sentido, sendo que tem um posto da polícia sob o viaduto da Avenida Bandeirantes. A única coisa que funciona bem é a patrulha da própria militar, para manter a segurança do bairro, e sou muito grato a eles. Permanecem, quase sempre, na praça gentil falcão ou à sua frente, mantendo a tranqüilidade no bairro. Apesar disso, também já estão transitando pelo bairro muitos pedintes e moradores de rua. Com exceção da polícia militar, que é um serviço do governo estadual, diria à prefeita de nossa cidade: Estou realmente decepcionado em ter votado em Marta Suplicy para a prefeitura da cidade. Só isso tenho a dizer".

Norberto Pasquatti queixa-se de "buraco na pista nesse local (Av. Naçoes Unidas (Marginal), Pista Local, Em frente à GIROFLEX) causou sério dano a pneu dianteiro (aparecimento de duas bolhas)- terei agora que trocar os dois pneus dianteiros - a um custo de aprox. 600 reais!"
Resposta da redação: A pista local da Marginal, nessa altura, foi recapeada no dia seguinte (não devido a nossa intervenção).

Um vizinho queixa-se da casa situada na Av. Frederico de Renne Jagher frente ao número 34/36 esquina c/ a Rua Relva Velha: "Não seria bem uma queixa mas sim um pedido; para que uma árvore dentro de uma residência seja cortada com urgência, antes que a mesma provoque um acidente irremediável. É um  tipo de Pinheiro que está alto demais e envergado na direção das casas do outro lado da R. Relva Velha. Como a rua é super estreita, quando ela tombar vai fatalmente atinger fios de luz, casas, carros e pessoas. Em épocas de temporais como estamos agora, o vento faz com que o "Pinheiro"curve bastante, oferecendo riscos como os que já foram citados. Pedimos a remoção desta árvore ou uma orientação do que devemos fazer, já que os proprietários não estão querendo colaborar".

Edson A. F. queixa-se de excesso de velocidade na Rua Olivia Guedes Penteado, altura do número 500: " A minha queixa é que nesse ponto da referida avenida, os veículos (principalmente ônibus e lotação, trafegam em alta velocidade, (principalmente no sentido bairro/centro), colocando em risco as pessoas que por ali trafegam, pois não existe obstáculo algum que possa reduzir a velocidade dos veículo ou mesmo algum farol que que possamos cruzar a referida avenida.
Já contatei o CET do problema via e-mail e o mesmo me informou ser favorável a manutenção viária atual.
Em tempo: como não se bastasse fora retirado desta avenida, mais precisamente altura do No. 455, uma lombada, pois a mesma segundo o CET, encontrava-se fora dos padrões".

A.A.A.R. reclama dos "motoristas de ônibus, perueiros e motoristas comuns. Todos sabem q é proibido fechar cruzamento, no entanto isso nao esta sendo cumprido em horários de pico... o problema ocorre em dois pontos.... e "quase" impossível cruzar a rua Suzana Rodrigues (Santo Amaro), nos cruzamentos com a rua Gal. Roberto Alves de Carvalho Filho e Brasilio Luz. Muito raramente algum motorista cede passagem. Mesmo q essas ruas não sejam muito movimentadas atrapalha e muitas aqueles querem passar...."

Calimerio Augusto D.S.N queixa-se de poluição sonora produzida por uma empresa da Rua Dr. Abelardo Vergueiro César, 370 esquina com a Av. Santa Catarina: "ESTE EMPRESA TEM UM CERTO ALARME QUE CONSTANTEMENTE TOCA, JÁ RECLAMAMOS VARIAS VEZES E NADA FAZEM. NESTE FINAL DE SEMANA DIA 4 DE JANEIRO ELE TOCOU ATE DIA 7 AS 06:25. ESTIVE NA DELEGACIA E FIZ UM OCORRENCIA, TENTEI ENTRAR EM CONTATO COM VOCES  IMPOSSIVEL. ESTIVE NO LOCAL E PEDI PARA FAZER ALGO SOBRE O ASSUNTO DO ALARME PEÇO QUE SEJA FEITO UM VERIFICAÇÃO POIS SEMPRE PROMENTE E NÃO COMPREM. CHAMEI VARIAS VEZES A POLICIA, ESTIVERAM NO LOCAL E NÃO PODERAM AJUDAR, POR FAVOR AJUDEM PRECISO DORMIR. MINHA ESPOSA TRABALHA NO HOSPITAL E NECESSITA DORMIR".

Padaria União FialenseC.B. queixa-se da Padaria União Fialense: "O proprietário da Padaria União Fialense, no endereço mencionado, acredita ser PROPRIETÁRIO das calçadas onde tem seu estabelecimento, transformando-as em ESTACIONAMENTO para o veículo dos clientes. E os pedestres? ANDAM NA RUA, É CLARO!!!
Isso não é proibido? Existe uma maneira de denunciá-lo? Agradeço a ajuda".
Resposta da redação:Vamos fotografar o local e enviar os registros para análise do Eng. Carlos Nunes, colaborador da seção SIM (Legislação) do site.  Assim que ele responder entrarmos em contato. 

D.A.X. queixa-se da SABESP: "tive um problema com a sabesp, pois o funcionário que faz a leitura do hidrômetro no mês de nov. simplesmente invadiu a minha casa assustando a todos que estavam em casa simplesmente p/ pedir a caixinha de natal. fiz três reclamações por telefone, e-mail e protocolo na própria sabesp e ainda ate hoje não sei o que deu pois a empresa não me deu satisfação do fato. os protocolos são 949/103661/01 e 100453/01. o fato é que ate o momento não fui contemplada com nenhuma explicação. Não é o fato da caixinha que me aborreceu também é , mas a forma com que o funcionário procedeu. Estamos com receio pois não sabemos o que esperar.Não sei mais o que fazer se continuo esperando ou se dou continuidade em órgão público como Ministério Publico".
Resposta da redação: Pelo que investigamos informalmente ontem, na reunião do Fórum de Defesa de Santo Amaro, não parece haver sustentação legal para dar continuidade à queixa. O Ministério Publico atende denúncias que afetam coletivamente a comunidade, não casos particulares. Levado a outras instâncias, é sua palavra contra a palavra do funcionário; não vai dar em nada.Sugerimos entrar em contato com a ouvidoria da SABESP através do http://www2.sabesp.com.br/agencia/atendimento/form_ouvidoria.htm


Um vizinho queixa-se: Há mais ou menos 4 meses, meu telefone tem recebido inúmeros trotes, e isso nos deixa muito irritados. Eu gostaria de saber se há alguma medida legal para acabar com isso, pois isso irrita não só a mim, quanto aos meus parentes. Desde já agradeço".
Resposta da redação: Instale o serviço Detecta da Telefônica (http://online.telefonica.net.br/loja/casa.asp) e após passarem o trote ligue de volta para o número de telefone que aparece no aparelho, alertando à pessoa que efetuará a denuncia às autoridades policiais (invasão de privacidade) caso continue a ligar. Pode ter certeza que nunca mais liga novamente.

Tatiane Minéia concorda "com a moradora do Campo Belo C.A. sobre o horror da Av.Águas Espraiadas. Eu moro em uma Rua próxima a avenida no Brooklin e pude perceber que nos últimos 3 meses algumas famílias invadiram terrenos cercados incluindo 1 que está a venda e já construíram barracos. Se a prefeitura reclama que não há dinheiro para concluir a obra a  ser realizada e diz que no momento mais de 8.500 famílias teriam de ser indenizadas para saírem do local então porque permitir que novas famílias se instalem em  outros terrenos e áreas da avenida e proximidades construindo moradias até mesmo de tijolo com risco até de desabamento? Em minha rua uma casa que estava vazia foi invadida e muitas famílias estão morando no local o que ao meu ver é um absurdo já que o antigo morador foi despejado pq não estava pagando o IPTU do imóvel devido à problemas financeiros. Ele teve que sair do local porém sua residência avaliada em Rs600.000 reais agora é habitada por favelados e  está em um estado total de depredação. Pq a prefeitura não deixou o proprietário que cuidava do imóvel e tinha amor por ele ficar no local já que não iria fazer nada a respeito da situação leiloando ou colocando à venda o mesmo ?
Todos nós sabemos que estes terrenos na Avenida podem ser invadidos e construídos sem a mínima segurança pq os fiscais não receberão nada das pessoas que alí se estabeleceram pois até para pintar ou realizar uma pequena reforma na garagem de nossa residência ( à qual pagamos devidamente o IPTU) aparecem fiscais para ver se a reforma ou obra estão devidamente legalizadas , e olha que minha rua é a segunda paralela às Águas Espraiadas então imagino que o mesmo fiscal que anda por aqui com certeza deve saber da existência de obras clandestinas que colocam risco à vida dos moradores e crianças que irão residir no local ou de imóveis de alto padrão que estão sendo invadidos por famílias que não tem para onde ir. É simplesmente uma vergonha!!
É extremamente necessário criar mais casas e apartamentos populares para estas famílias e espero que com o IPTU progressivo isto realmente aconteça , apesar de que ao meu ver não tinha necessidade de aumentar os valores para investirem mais no social , era só aplicar corretamente a quantia para o devido fim e não para os bolsos dos nossos governantes!"

Uma internauta queixa-se, desde Campinas, do "barulho ensurdecedor de um lavo jato,e tambem do cheiro horrivel de produtos quimicos. Este posto ipiranga (av.princesa döeste, 1960, esq. av. moraes salles), trabalha de segunda á segunda das 7;30 da manha as 19;30 da noite lavando carro. Campinas SP.

L.F.C.L.S. queixa-se:"O Jockey Clube tem alugado o espaço de seu estacionamento para shows noturnos que acabam com o sossego e possibilidade de dormir da vizinhança.Hoje, dia 15 de dezembro, ocorrerá um show de várias bandas com início às 22:00hs, pelo ensaio do som seré um inferno. Moramos em uma zona
1, será que a prefeitura não deseja que o municipe possa dormir. O Jockey Clube tem autorização para efetuar corridas de cavalo, ao que me consta não tem autorização para esta atividade. Como clube deve gozar de isenção de IPTU !!! Porquê estes shows não são fiscalizados pela prefeitura. Porquê não realizá-los nos varios lugares que a cidade tem próprios para estes shows ?? Será que  seremos forçados a mudar da cidade que nascemos para ter uma noite silenciosa.?

X.A.S queixa-se que sua vizinha na Av. Marechal Rondon desperdiça água: "essa moradora todos os dias lava a calçada de sua casa e mais um pedaço da rua, faça sol ou chuva, já ligamos para CEDAE e alertamos sobre o desperdício que vem havendo há meses, já tentamos diversas vezes orienta-la sendo inútil pois a autora diz que a água é dela, só que ela não entende que o planeta está ficando sem água potável e também um grande problema de racionamento. Peço atenção a esse caso pois pessoas iguais a essa precisam ter um fim pois quantas e quantas pessoas morrem de sede nesse mundo? Obs: a moradora tem o costume de lavar a rua as 22:00 pois na parte da manha já houve brigas".
Nota da Redação: Supomos que o vizinho quer o fim da atitude da moradora, não da própria vizinha. É uma questão de educação. O Sampa Online está tentando fazer algo com o problema dos cachorrinhos; vamos ver se abordamos também este problema. 

Um vizinho do Brooklin queixa-se: "Como está processo de despoluição visual da cidade pela Prefeitura? Gostaria muito de saber se estabelecimentos como o curso de inglês Univercity, a Casa das Camisolas, a Só Cortinas e vários corretores de plano de saúde, principais poluidores da nossa região, já foram multados. Queria muito que o combate a esses anunciantes de poste fosse tão eficiente como o fechamento daquela quitanda de frutas, da rua Diogo Jacome (NR: no Brooklin), que foi fechada por estar em zona irregular. Aproveito para perguntar também o que aconteceu com a idéia que ouvi numa reunião do projeto Belezura sobre multar os anunciantes ilegais pelo número do telefone. O que impede que isso aconteça?"

Um vizinho da Manoel dos Reis Araújo, no Jardim Marajoara, queixa-se: "A Câmara dos Vereadores aprovou a diminuição de multa pela metade para seitas evangélicas que abusarem do barulho.Isso é um abuso, um absurdo e eu convido a todos para votar contra no fórum da Revista Veja ( http://cf5.uol.com.br/forum/thread.cfm?thread_id=2206 ) ou mesmo entrarem em contato com a Câmara dos Vereadores, apontando o nosso protesto. Estas seitas sequer pagam impostos e agora querem levar vantagem, pagando menos multa, com regalias? NÃO VAMOS DEIXAR ISSO ACONTECER! 
Nota da Redação: Qual foi a posição do seu vereador? Confira.

Isabel Solimeo queixa-se: "A Rossi entregou o condomínio San Francisco Gardens, na Duque Costa, 365, cheio de problemas de vazamentos, rachaduras, etc. e mesmo sendo solicitada a resolvê-los e tendo algumas vezes comparecido, fez um serviço de "porco", na solução dos problemas, sendo que nos últimos  três mêses que tento chamá-la a responsabilidade para solução de seus problemas, ela tem se recusado a comparecer e assumir seus erros. O meu apartamento cheira a fossa séptica e não consigo uma solução.
Fiquem longe do Noblesse, da Rua Sócrates ou do imóvel ao lado do Magister, na Nossa Senhora do Sabará, pois é da mesma empresa e portanto sujeito aos mesmos problemas e omissão da construtora na hora de assumí-los e resolvê-los. Vale observar que meu condomínio não é o único da Rossi com problemas. O vizinho Santa Clara Gardens, o Villagio de San Remo em Interlagos e o Miami Gardens na Barra Funda, também têm problemas e dificuldades de solução similares, pois tenho conhecidos em todos eles que também têm sofrido".

Marcello Fabiano de Sant´ana queixa-se: "Sou VISITANTE assíduo e tenho acompanhado diversos casos e acontecimentos que foram solucionados com a ajuda de vocês. Portanto, aprecio o trabalho que vocês vêem realizando e já presenciei alguns fatos que após reportado por esse site modificou o comportamento de algumas empresas. TENHO UM PROBLEMA SÉRIO. NÃO SEI COMO RESOLVER !! GOSTARIA QUE VOCES ME AJUDASSEM, uma vez que trata-se da SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE SAO PAULO. Tudo começou com um erro grosseiro da própria secretaria que cadastrou o meu carro DODGE DAKOTA SPORT "CABINE ESTENDIDA" como "CABINE DUPLA" ano 1998 modelo 1999, sendo que nesta ocasião não existia "CABINE DUPLA" neste tipo de veículo. Fui cobrado indevidamente como "CABINE DUPLA"  o IPVA de 1999 e 2000 como 4% sobre o valor total do carro, sendo que na realidade o devido e justo a ser cobrado pela SECRETARIA após já retificado o documento em janeiro de 2001 seria de 2% ( pois entrei com recurso no DETRAN, fiz a PERÍCIA do veiculo, apresentei documentação do FABRICANTE (CRYSLER) enfim consegui regularizar e retificar a documentação). Sendo assim, me dirigi ao DEPARTAMENTO DE RESTITUIÇÃO DA SECRETARIA DA FAZENDA  no dia 04 de maio de 2001. Recolhi TODAS AS PROVAS  conforme me foi solicitado e mais um pedido de REGULARIZAÇÃO para pagar o IPVA o valor devido que seria de R$830,00 ( oitocentos e trinta reais . Ocorre que JA ESTIVE POR INUMERAS VEZES NA SECRETARIA DA FAZENDA conversei com vários funcionários das SEÇOES RESTITUIÇÃO DE IPVA, ( senhor Anselmo, que me encaminhou para o Senhor Jeferson, o mesmo para Sonia, a mesma para Regiane da Restituição e a mesma para Lucia do Setor EJ, também para Senhor Fiscal Anselmo lá do Detran IBIRAPUERA que me mandou de volta para a OUVIDORIA dona DEOSTIA que pediu que eu fizesse uma RECLAMAÇÃO para a DIRETORIA relatando o fato e mais diversos e mails e telefonemas para a mesma SEM SOLUÇÃO. Tentei novamente. Começei um novo ciclo senhor MOZART, que me encaminhou para a DELZIMAR, novamente o SENHOR ANSELMO que disse que UMA VEZ QUE O COMPUTADOR LANÇA O IPVA ERRADO NÃO HÁ COMO CONSERTAR. Resumindo, sou CONTRIBUINTE, não consegui  RESTITUIÇÃO DE 1999 E 2000 ESTOU SENDO COBRADO 2001 INDEVIDAMENTE  conscientemente PELA SECRETARIA DA FAZENDA E NÃO ESTOU SENDO RESPEITADO pois toda a vez que me dirigo a esse ORGÃO todos atendem com MÁ VONTADE E NINGUEM SE DISPOE A RESOLVER O MEU PROBLEMA. Pedem que eu simplismente aguarde. Pergunto: se eles que trabalham no ORGÃO não sabem o que FAZER a quem devo recorrer o meu direito, uma vez que o final do ano se aproxima e já está por vir o IPVA 2002 errado outra vez, sem contar que não consigo vender o carro em função desta restrição. Gostaria de uma SOLUÇÃO URGENTE POIS NÃO AGUENTO MAIS ESTA FALTA DE RESPEITO COM O CONTRIBUINTE".
Nosso colaborador, o advogado tributarista Gilberto Marques Bruno, titular da coluna Direito, responde: "Com referência a queixa do vizinho, me parece que ele tentou todos os caminhos necessários à solução do problema, porém a burocracia da administração pública, como sempre, absorve o tempo disponível dos contribuintes, e, raramente corrige seus próprios erros. Diante do problema, tenho que duas possibilidades existem:
1.ª) procurar o Ministério Público Estadual (www.mp.sp.gov.br), na Rua Riachuelo n.º 115, 7.º andar, centro, através do Centro de Atendimento ao Consumidor (fs. 31199562 e 31199564), ou do Centro de Atendimento aos Direitos Constitucionais do Cidadão (fs. 31199554 e 31199555). Creio que vale a pena um contato telefônico, ou uma visita levando todos os documentos e explicando o descaso da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo.
2.ª) Eventualmente a contratação de um advogado, para que através de medida judicial, a Secretaria de Estado da Fazenda, seja compelida a solucionar a questão, corrigindo o lançamento do imposto sobre a propriedade de veículos automotores, com a consequente restituição ou compensação dos valores pagos a maior, no tributo do próximo exercício. Me parece que só assim, o vizinho terá condições de resolver definitivamente o problema.


J.B.M queixa-se de um vendedor de CD (NR: obviamente, piratas) na feira da Av. Adutora do Rio Claro com a Av. Sapopemba: "Nos dias de domingo temos ao lado de nosso condomínio a realização de uma feira-livre, que alias não nos incomoda em nada, mas existe um vendedor de CDs que aproveitando o grande número de pessoas que por ali circulam, divulga seus produtos tocando-os num volume altíssimo, começando cerca de 8:00 hs. até cerca de 14:00hs. O problema é que o domingo é o único dia que temos para relaxar dos dias estressantes da semana e também incomoda nossa filha de 5 anos. Gostaríamos de saber qual atitude tomar, pois não queremos que o cidadão em questão pare de trabalhar, mas que encontre outro meio de divulgar seu produto".
Nosso colaborador, o  Eng. CARLOS NUNES, titular da coluna Legislação, responde: "Tem lei municipal que "regulamenta a venda de CDs clandestinos na Cidade" (sim, é deste jeito que está o "caput" da lei, proposta pelo nobre ex vereador Brasil Vita). Quem fiscaliza, como sempre, é o Ag. Vistor da AR, o de SUOS. Basta ela telefonar para a ARSM e registrar a queixa e, depois, cobrar. Ou entrar no site da prefeitura, que agora está melhor (com relação ao que era!) e registrar via internet".