Meu filho começou na escola. E agora, como será sua adaptação?
Anna Beatriz Freitag Ashauer
Diretora da Escola Modulus
www.escolamodulus.com.br

Após a escolha (nada fácil) da primeira escola para seu filho, finalmente chegou o primeiro dia de aula. E com ele, mais dúvidas: como será a adaptação do meu filho? Devo ficar junto na escola até ele se acostumar? Ele vai chorar muito? Eu vou chorar muito??

Este artigo procurará dar algumas dicas práticas para o Período de Adaptação, onde estarão envolvidos os pais, a criança e a Escola. Por incrível que pareça, a adaptação da mãe é tão ou mais importante que a adaptação da própria criança. Isso porque, se a mãe não estiver segura de sua decisão, se ela não acreditar que a escola é a melhor opção para o seu filho naquele momento, que ele vai gostar e que ela poderá ficar tranqüila, o melhor é que o início da criança na escola seja postergado, pois a própria mãe irá impedir ou dificultar a adaptação da criança à Escola.

Adaptação de bebês de 4 meses a 8 meses: Nesta idade, a criança se adapta facilmente ao novo ambiente do berçário. A adaptação mais difícil é a da mãe, que passou os primeiros meses totalmente dedicada ao seu bebê e, agora, tem que separar dele para voltar ao trabalho. Muitas vezes, a mãe está se sentindo culpada, sentindo que seu bebê está sendo abandonado. Se isso está acontecendo com você, lembre-se que a realização profissional da mulher pode conviver perfeitamente com a sua condição de mãe, desde que o seu tempo seja bem dosado. Mais importante do que a quantidade de tempo que você passa com seu filho é a qualidade deste tempo. Ao chegar em casa, após um dia de trabalho, dedique-se ao seu bebê, conversando com ele, brincando, dizendo a ele o quanto o ama... Desta forma, apesar de não passarem o dia juntos, seu filho saberá o quanto é amado e, no futuro, terá muito orgulho do sucesso profissional de sua mãe. Outro ponto fundamental nesta fase é a participação ativa do pai, que deverá estar ciente da necessidade da divisão das responsabilidades (por exemplo, buscar ou levar o bebê quando você não puder, ficar com o bebê quando você tiver um compromisso profissional...). Com o ingresso da mulher no mercado de trabalho, as atividades domésticas devem ser totalmente compartilhadas. Se isso não acontecer, com certeza você ficará sobrecarregada e terá dificuldades em administrar todas as suas responsabilidades como profissional e como mãe.

Nesta fase, é importante que você passe algumas horas no berçário, conhecendo as berçaristas e auxiliares, transmitindo a elas todas as peculiaridades, gostos, hábitos alimentares de seu bebê. Outra dica importante é a preparação do bebê para começar na escola: converse com seu pediatra e introduza os alimentos como frutas, verduras e legumes ainda em casa (no mínimo 15 dias antes do início do bebê no Berçário). Se ainda estiver amamentando, procure dar o peito somente nos horários em que ele estará mamando após sua volta ao trabalho (desta forma, o bebê não sentirá falta do peito durante o dia).

Após passar um dia no berçário, você deverá estar tranqüila e confiante nas pessoas que irão cuidar de seu bebê. Se isso não acontecer, é importante conversar com a Coordenação Pedagógica da escola. Se alguma coisa a desagradou ou você está com dúvida sobre algum ponto ou procedimento, esclareça rapidamente com a berçarista ou com a Direção da Escola. Lembre-se que a confiança na Escola é fundamental para garantir sua tranqüilidade enquanto seu bebê está conosco.

Adaptação de crianças de 8 meses a 1 ano e meio: Nesta fase, a criança costuma estranhar mais outras pessoas, pois já identifica claramente quem cuidou dela até aquele momento. Por isso, a adaptação pode ser um pouco mais demorada. Caso a criança estranhe muito as funcionárias do Berçário, uma pessoa (a mãe, o pai, a avó, a babá) poderá ficar durante uma manhã ou tarde com ela dentro do Berçário. O objetivo é que ela se habitue com o espaço, com o berço, com os brinquedos, com os novos amiguinhos. A presença da pessoa conhecida, porém, não deve se estender muito, pois, se isso ocorrer, a criança criará uma “barreira” em aceitar as funcionárias, e o seu sofrimento (sensação de abandono) será mais intenso. Embora a criança ainda seja pequena, é importante que você converse com ela e explique que, embora ela esteja ficando no berçário durante o dia, depois você virá buscá-la e passarão ótimos momentos juntos. Pode haver choro na entrada, mas você deve se manter firme, se despedir, e deixar a criança com a berçarista, que irá acalmá-la. Nunca saia “escondida”: seu bebê se sentirá traído.

Adaptação de 1 ano e meio a 3 anos: Nesta idade, a adaptação da criança costuma ser um pouco mais trabalhosa, principalmente se, desde o nascimento, ela ficou somente uma determinada pessoa (mãe, avó, babá, etc). Caso a criança chore muito e não queira ficar longe da pessoa que acompanha a sua adaptação, a pessoa poderá ficar na Escola nos primeiros dias, sem, entretanto, ficar fisicamente na sala de aula ou de atividades onde a criança está com o grupo. Quando isso acontece, a adaptação fica mais complicada e se prolonga por mais tempo, pois a criança passa a acreditar que pode ter “o melhor dos dois mundos”: ficar na escola e, ao mesmo tempo, ter a companhia da pessoa a quem está mais apegada. Caso a criança comece a chorar, a professora levará a criança até o responsável, para que ela perceba que não foi abandonada. Normalmente a criança primeiro irá se apegar a uma pessoa da escola. Durante alguns dias, provavelmente ela requisitará a pessoa a quem se afeiçoou. Com o tempo, ela irá se habituar aos demais funcionários e ao grupo de amigos.

É normal também a criança se empolgar no primeiro dia com as novidades, os amigos, as atividades e começar a chorar após alguns dias (quando percebe que sua rotina mudou definitivamente).

Adaptação de 4 anos a 6 anos: Se seu filho está indo pela primeira vez à escola, provavelmente sua adaptação será tranqüila. Afinal, nesta idade, além de compreender e lidar melhor com as mudanças em sua rotina, a criança já deve estar querendo freqüentar a escola e ter amiguinhos da sua idade para brincar. Muitos chegam até a pedir aos pais para virem à Escola.  Se o seu filho estiver estranhando a mudança, querendo ficar em casa (onde se sente seguro), converse com ele e explique a importância de estar na escola, de aprender coisas novas, de ter novos amigos... Se esta não é a primeira escola do seu filho, a adaptação costuma ser ainda mais tranqüila, pois a criança já está acostumada às rotinas da escola. Ele pode, porém, sentir falta dos amiguinhos da outra escola. Por isso, é importante que você converse bastante com seu filho, e explique o motivo da mudança de escola. Mostre a ele, também, que o fato de ter mudado de escola não significa que ele irá perder os antigos amigos; melhor ainda: ele irá ganhar novos amigos. Nesta idade, a presença da mãe ou responsável é pouco requisitada no período de adaptação.

Em qualquer idade, é importante que a mãe esteja tranqüila, segura e confiante, para que transmita a seu filho estes sentimentos fundamentais para sua adaptação na nova Escola.

Qual é sua opinião sobre este artigo?

Você gostou deste artigo ?

Sim Mais ou menos Não

Os dados a seguir são OPCIONAIS:

Deseja enviar uma mensagem à autora desta coluna?

Seu nome:
E-mail
A produção do site não comercializará o endereço de e-mail acima, nem enviará correspondência indesejada.
Sexo
Feminino Masculino
Sua idade
Deseja assinar, gratuitamente, o Boletim do site, e receber semanalmente, via e-mail, um resumo das novidades publicadas no site do bairro?