Receba, gratuitamente, o Boletim Sampa Online
IV Festival de Contadores de Histórias
Gênero:Contação de Histórias
Este espetáculo não está em cartaz atualmente

Sinopse: No total, serão 14 apresentações, reunindo grupos e artistas representativos do gênero, tais como Ópera na Mala, Meninas do Conto, Kiara Terra, Cia do Solo, Cia Prosa dos Ventos, Trecos e Cacarecos, Cia das Cores, entre outros. Vale destacar ainda a participação do músico e ator africano, radicado na França, Toumani Kouyaté, que ao lado da atriz brasileira Dinah Feldman, irá narrar a história Kirin kirin (Conto Conto no dialeto africano bamanan).
A equipe de arte-educadores do Programa Educativo do CCBB também estará representada no Festival. O grupo vai apresentar a narração “Dando corda a imaginação”, enquanto que a atriz e arte-educadora Isadora Soares Borges, deficiente auditiva, realizará contação na linguagem de libras, tendo o auxílio de uma educadora especialista em leitura de sinais, que fará a tradução. A experiência proporcionará uma “troca de lugares”, em que o público poderá sentir como os surdos percebem, se comunicam e se expressam sem a narrativa tradicional.
Dia 25 de janeiro, sábado
É coisa de Zé! – com grupo do CCBB Educativo São Paulo
Horário: 11h. Duração: 40 minutos
Sinopse: A apresentação “É coisa de Zé” traz as histórias “A quase morte de Zé Malandro” e “Façanhas de Zé Buurraldo”. Zé Malandro é um camarada que até é boa pessoa, mas é safo que nem ele só. Com muito jogo de cintura, consegue inventar planos mirabolantes para escapar da morte, driblando até mesmo o diabo e a sua tenebrosa esposa. Já Zé Burraldo não tinha quase nenhuma malandragem e muito menos esperteza. Após a morte de seu pai, parte com seu burro por esse mundo afora e acaba se metendo em enormes confusões.
Fadas - com Cris Miguel
Horário: 12h
Sinopse: A fada existe sim e ela vem pra contar histórias! A fada é um ser mitológico e fantástico que protege os seres humanos ou intervém magicamente nos seus destinos por meio de encantamentos. Ondina, Melusina, Devas da Montanha, a Fada enfadada e outros contos de fadas são as histórias escolhidas para esta brincadeira de fazer sonhar as crianças.
Cris Miguel conta suas histórias por meio de um teatro de bonecos musical, com bonecos de papel, de teatro de sombra e de tecidos. A música ao vivo é executada com instrumentos diferentes: uma harpa celta, um kantele (tipo de harpa tradicional da Finlândia) e o acordeom. A mistura da música, das histórias e destes bonecos dá o tom lúdico que dá asas a imaginação de uma maneira poética e divertida.
Dando Corda na Imaginação – com grupo do CCBB Educativo São Paulo
Horário: 13h. Duração: 50 minutos
Sinopse: Adormecer as crianças. Curar os doentes. Explicar o mundo que não podemos ver. Fazer a imaginação trabalhar e o pensamento ir buscar. O grupo de Contação de Histórias do Educativo CCBB-SP rememora, por meio de narrativas de diversos povos, o ofício de quem conta e os convida a partilhar desse encontro.
Quantas ignorâncias cabem num homem? – com Cia do Solo - Gabriel Sant´Anna e Martha Paiva
Horário: 14h. Duração: 50 min
Sinopse: Um cachorro que persegue o próprio rabo, uma formiga trabalhadora revoltada com uma cigarra artista, uma ovelha julgada em um tribunal de lobos. Uma seleção de boitos histórias do livro "30 fábulas contemporâneas para crianças" de Sérgio Caparelli. Histórias que discutem a natureza humana e fogem da leitura tradicional dos contos apresentando novos ângulos possíveis em finais muitas vezes inesperados.
A Cia do solo, formada por Gabriel Sant´Anna e Martha Paiva, reúne o repertório dos dois artistas que inclui contos tradicionais de diversas culturas e adaptações de clássicos da literatura em formatos cênicos e narrativos.
João Preguiça – com Cia Prosa dos Ventos
Horário: 15h. Duração: 50 minutos
Sinopse: João é um menino que recebe de sua mãe uma tarefa que parece bem simples, mas que ele consegue complicar. Sua mãe explica, pacientemente, o que deve ser feito e lhe dá novas tarefas, mas João nunca acerta. Ele tenta aplicar o que aprendeu, mas os resultados nunca saem do jeito que ele esperava. Será que ele vai conseguir acertar no fim da história?
A Cia Prosa dos Ventos é formada por artistas que se uniram com o propósito de pesquisar a arte da Narrativa e a arte do Teatro para crianças. A companhia existe desde 2001 e tem cinco espetáculos em repertório e inúmeras contações de histórias, tendo participado de apresentações por todo o Brasil e também em Portugal.
Contação em Libras Como o Sol Passou a Brilhar no Mundo – com Isadora Borges (Educativo CCBB)
Horário: 16h. Duração 30 minutos
Sinopse: No início do mundo, tudo era escuro, melancólico e muito frio. Os animais, muito cansados de viver assim, resolvem partir em perigosas empreitadas para buscar o Sol, que vivia em uma caverna. Os animais mais fortes e destemidos tentam, mas para a surpresa de todos, quem consegue trazer o Sol é a doce vovó aranha.
As Três Princesas - com Vanessa de Castro/Cia das Cores
Horário: 16h. Duração: 50 minutos
Sinopse: Três histórias que trazem o universo da figura mítica da princesa em alguns contos coletados por Câmara Cascudo: “A princesa serpente”, “A moura torta” e “A princesa sisuda”. São duas princesas amaldiçoadas e uma que ainda não conheceu o encantamento do mundo.
A Cia das Cores, formada por Vanessa Castro e Edson Gon, é grupo com mais de uma década de existência que tem se consolidado na cena artística do estado de São Paulo com suas narrações direcionadas para o público infantil e adulto com temas diversificados, apresentando-se em diversos equipamentos de Cultura do estado de São Paulo. O trabalho caracteriza-se pela criação em grupo, a pesquisa e construção de bonecos e objetos sonoros com diversos materiais, o desenvolvimento de técnicas de animação e pesquisa e resgate da tradição oral.
Tropa de Causos – com Zé Bocca
Horário: 17h. Duração: 40 minutos
Sinopse: Causos e lendas do Interior de São Paulo são contados para o público da capital. Nos causos, aparecem personagens comuns do interior paulista, em especial do ciclo do Tropeirismo. A contação traz histórias do caipira com sua aparente ingenuidade, mas que no fundo revela sua esperteza e sabedoria.
Natural de Votorantim/SP, o contador de histórias Zé Bocca é também ator e tem sua cartilha nas histórias de sua infância, estudada na escola do Teatro de Rua. Desde os anos 1990 percorre trechos levando por meio de sua voz, poemas, contos, lendas, causos e outras formas da oralidade. Participou como convidado dos principais encontros e eventos de narração e contadores de histórias do Brasil.
Dia 26 de janeiro, domingo
Dom Quixote, O Cavalheiro Sonhador – com Cia Trecos e Cacarecos
Horário: 11h. Duração: 50 minutos
Sinopse: Enquanto o mundo começa a ser explorado pelas navegações, um velho fidalgo ainda sonha em ser cavaleiro. Com a velha armadura de seu bisavô, o herói Dom Quixote de La Mancha sai em busca do amor e da justiça, sustentado por seu fiel escudeiro Sancho Pança.
Dom Quixote, O Cavaleiro Sonhador é uma adaptação de Kelly Orasi da obra clássica de Miguel de Cervantes. Em cena, dois artistas dispostos a compartilhar uma história com o público. A contadora de histórias, Kelly Orasi, se apropria das palavras e da animação de objetos para impulsionar a imaginação do espectador, enquanto o músico Décio Gioielli faz intervenções precisas, mesclando instrumentos melódicos e de percussão que representam ações e emoções das personagens. Juntos, compõem uma atmosfera propícia a unir duas artes: a de contar histórias e a de brincar.
Um homem, um menino e uma baleia nesse mar... – com Cia Moacir tem Barba Branca
Horário: 12h. Duração: 45 minutos
Sinopse: Um homem, um menino e uma baleia nesse mar... é um espetáculo que traz pequenas histórias da tradição oral permeadas por músicas compostas pelo próprio grupo. Violão, flauta, sanfona e ukulele fazem parte da construção da narrativa, além da interação com o público, que possibilita situações de improviso, acrescentando novos elementos às histórias.
Felipe Tognoli e Ricardo Ferri são o grupo Moacir tem Barba Branca, que desenvolve uma pesquisa em contação de histórias oriundas de diversos lugares do mundo, acreditando na narração como fonte de prazer, reflexão, imaginação e encontro, buscando criar um espaço lúdico onde a força da palavra possa movimentar as histórias que cada um traz em si. Usando a voz, alguns elementos cênicos e música, o grupo realiza contações de histórias em bibliotecas, escolas, teatros, praças e onde mais houver um cantinho e alguém disposto a uma troca, mantendo assim viva a tradição oral e o encantamento pelas histórias.
Coleção Malazartes, Causos e outros Contos – com As Meninas do Conto
Horário: 13h. Duração: 50 minutos
Sinopse: Para esta apresentação Simone Grande reuniu vários contos do nosso querido caipira: Malazarte. Cada conto reúne sua esperteza, suas aventuras e desventuras histórias contadas em suas andanças pelo mundo. Para completar esta coleção tão divertida, os causos e contos deste universo da roça são acompanhados por Antônia Matos e sua viola.
O grupo As Meninas do Conto nasceu da ideia de trabalhar com as linguagens do teatro e da narração de histórias. A pesquisa teve início em 1995 e, desde que se formou, o grupo nunca mais parou de contar histórias e de se apresentar em teatros, bibliotecas, centros culturais e escolas.
A palavra partilhada – com Kiara Terra
Horário: 14h. Duração: 40 minutos
Sinopse: Narrativas colaborativas conduzidas por Kiara Terra são um convite para que, por meio da narração de histórias brasileiras, os participantes encontrem e partilhem as histórias vividas, com a ideia de inventar sentidos novos e experimentar a sensação de empatia e pertencimento na medida em que as histórias se encontram.
Kiara Terra é escritora e contadora de histórias. Há 15 anos, criou o método de narração “A História Aberta”, narrativas que acontecem com a participação do público. Escuta e técnicas de improvisação são os principais recursos desse modo de narrar histórias, que tem se tornado um instrumento pedagógico abrangente, tanto na formação de professores como em espaços de mediação. Atualmente, Kiara viaja o Brasil formando educadores. Em 2009 lançou seu primeiro livro, “A menina dos pais crianças”.
Kirin kirin (na língua bamanan significa Conto Conto) – com Toumani Kouyaté e Dinah Feldman
Horário: 15h. Duração: 45 minutos
Sinopse: Espetáculo musical de contos africanos para crianças que, conta a história dos animais da savana africana. Um dia, os animais se reuniram para escolher o mais inteligente entre eles. Sentado em seu trono, o leão decidiu que o mais inteligente seria aquele que fosse também o mais novo da savana. Assim, todos os animais se apresentaram para dizer a sua idade. E foi também um dia que o coelho convidou a hiena para pescarem juntos.
Toumani Kouyaté faz parte de uma linhagem de djélis griots da África do oeste. Artista completo, como todos da casta dos djélis, ele canta, dança, toca, conta histórias e é também fotógrafo, professor universitário e organizador de festivais em vários lugares da África, Canadá, Ásia, entre outros. Vivendo na França, seu trabalho dialoga com o mundo ocidental produzindo uma experiência única de sabedoria e beleza. Dinah Feldman é atriz, contadora de histórias, produtora, teatro-educadora e jornalista. Formada pelo Teatro Escola Macunaíma em 1996, pela Escola Internacional de Teatro École Philippe Gaulier (em Londres e Paris) em 2002 e jornalista pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1999). Fundou a Cia Lazzo em 2005. Entre 2003 e 2007, fez parte do Núcleo Experimental em Artes Cênicas do Teatro Popular do SESI/SP. Desde 2006, pesquisa e estuda a arte de narrar histórias, integrando também a Cia Dedo de Prosa.
A Princesa e O Dragão – com Cia Ópera na Mala
Horário: 16h. Duração: 60 minutos
Sinopse: Trupes mambembes, valentes cavaleiros, cisnes encantados, reis e aldeões interagem nesta história situada num pequeno povoado medieval onde todos tinham um medo. Essa é a história do medo da Princesa Liubliana que queria ser cantora, mas para não enfrentar o público, se isola na torre do castelo para poder cantar.
A história foi inspirada nas imagens, lugares e personagens que o grupo conheceu durante uma turnê pelos Balcãs em setembro de 2012. Lugares como a Caverna de Postojna e os Castelos de Bled e Predjama na Eslovênia servem de cenário para esta pequena fábula.

Compartilhe: Facebook Twitter